Loading

Mês: Março 2018

23 de Março, 2018 Carlos Esperança

Islamismo e violência

Bélgica controla Grande Mesquita para impor Islão moderado
REUTERS/Francois Lenoir/File Photo

Poucos dias antes do segundo aniversário dos ataques terroristas em Bruxelas, a 22 de março, o governo belga passou a gerir a Grande Mesquita, até aí nas mãos de entidade da Arábia Saudita.

“Havia vários jovens que frequentavam esta mesquita e que foram lutar ao lado do Daesh, na Síria”

Georges DallemagnDeputado federal, Bélgica

Georges Dallemagn, deputado federal belga e vice-presidente da comissão de inquérito parlamentar sobre os atentados, disse que há provas de que apregoava o salafismo, uma versão radical do Islão que apela à violência.

“Havia vários jovens que frequentavam esta mesquita e que foram lutar ao lado do Daesh, na Síria. Foi na mesquita que receberam doutrina ou, pelo menos, tinham lá contactos. Mas esta não era a única mesquita que apregoava o salafismo, havia outra em Molenbeek. As duas mesquitas estavam estreitamente em contacto entre si e com alguns dos terroristas que cometeram ataques em solo belga”, explicou à euronews.

D1A – Se não há um Islão moderado, é um caso de polícia.

23 de Março, 2018 Carlos Esperança

A fé perde-se quando é facultativa

42% dos jovens portugueses não se identificam com nenhuma religião (Continuar a ler na Visão)

«Quando se olha para percentagens quase sempre vem à cabeça a imagem do copo meio cheio e do copo meio vazio. Podíamos pegar no relatório Os Jovens Adultos e a Religião na Europa e escrever que a maioria dos jovens portugueses entre os 16 e os 29 anos identifica-se com uma religião, mas neste caso é o próprio autor principal do estudo que conclui: “A percentagem elevada de jovens adultos afirmando não ter nenhuma religião em muitos países é, sem nenhuma dúvida, o facto mais significativo deste relatório.”»

22 de Março, 2018 Carlos Esperança

Como se fabricam católicos

Nos primeiros dias de vida os pais entregam os neófitos ao padre, que lhes mergulha a fronha em água benta, limpando-os do pecado original quando ainda precisam de quem lhes mude a fralda.

Depois, crescem no temor a Deus, que rejubila se comem a sopa e entristece quando adormecem nas orações.

Aos seis anos de idade, com muitas ave-marias e padre-nossos rezados, para que o Deus cruel e apocalíptico os livre do Inferno, das perpétuas chamas e do azeite fervente, onde só há choro e ranger de dentes, as pias catequistas ensinam-lhes os dez mandamentos da Santa Madre Igreja e os do único Deus verdadeiro, à custa dos tempos livres.

Depois do exame de aptidão vem a confissão. Os pecados – ofensas feitas a Deus –, são ditos ao padre, punidos com penitência adequada e perdoados para poderem saborear o corpo de Cristo numa fina rodela de pão ázimo (sem fermento nem sal).

Com a missa semanal e a desobriga pela Páscoa da Ressurreição, como tarifa mínima, seguida de nova rodela mística, os cristãos ficam aptos para novos pecados que, de novo, serão perdoados, e assim, sucessivamente, vão mantendo viva a fé na vida eterna.

A comunhão solene é um momento alto, com a família a alambazar-se em hidratos de carbono. Por pudor, a ICAR deixou de os vestir de cruzados. A confirmação é imposta por um bispo que exibe o anelão de ametista e o faz oscular pelas crianças, indiferente aos micróbios que passa de boca em boca. O sinal da cruz é desenhado a óleo na testa do cristão pelo dedo do prelado ricamente paramentado e refastelado num cadeirão.

Nesta altura já as crianças de dez anos sabem que os judeus mataram Cristo, que a Santa ICAR está já tão cheia de santos, mártires e bem-aventurados como o metropolitano de Lisboa de passageiros, em horas de ponta.

A xenofobia e o racismo estão na Bíblia. O dever de um cristão é converter quem está errado (os outros) à verdadeira fé, a que vem de Roma através de breves, bulas e encíclicas. O proselitismo é um dever e quem não quiser salvar-se deve ser obrigado.

Os créus querem impor, como destino, o Paraíso, e os ateus opõem-se à obrigatoriedade.

21 de Março, 2018 Carlos Esperança

O padre não perdeu tempo!

Destaque • Região

Insólito. Padre pede uma transferência ao vencedor do
Euromilhões no boletim paroquial

Pedido no boletim da paróquia de Lousado (c) Ricardo Carvalho / Semanário V
Fernando André Silva

O boletim paroquial da freguesia de Lousado, em Famalicão, onde saiu na passada terça-feira o primeiro prémio do Euromilhões, está a causar polémica por entre os habitantes por incluir um pedido insólito.

No mesmo boletim, à responsabilidade do padre da freguesia, Eusébio Baptista, vem um pedido ao novo vencedor do concurso milionário para que seja altruísta e faça uma transferência para o IBAN da comissão fabriqueira daquela paróquia.

Continua AQUI

20 de Março, 2018 Carlos Esperança

Marielle Franco

A mulher teve sempre um quinhão maior de sofrimento, em todas as épocas e nas mais diversas sociedades, só comparável à dimensão dos direitos que lhe foram negados e de que ainda há quem a queira espoliada.

Ser mulher é a circunstância na perpetuação da espécie e um ónus que lhe impõe quem a quer tolhida para a liberdade e para a aventura da igualdade em que homens e mulheres se realizem de acordo com o mérito de cada um/a.
Não há felicidade para quem é escravo nem para quem escraviza. A igualdade plena é a meta civilizacional, onde não cabem tradições patriarcais das tribos da Idade do Bronze.

O papel reservado às mulheres define o grau civilizacional e a maturidade da sociedade, sendo certamente mentecaptos os homens que se julgam superiores e trogloditas os que exercem a violência, frequentemente legal ou socialmente aceite.

É intolerável que religiões, criadas por homens, imponham às mulheres os seus desejos, que atribuam a uma desalmada vontade divina a dor que lhes infligem e lhes arrestem os direitos, mas é criminoso que os Estados o permitam.

Ser mulher é difícil; mulher e pobre, doloroso; mulher, pobre e negra, insuportável; mas ser mulher, pobre, negra e lutadora por valores da liberdade e de direitos humanos, junto de outras mulheres, é o desafio que se paga com a vida, um ato de coragem que alguém se encarrega de interromper à bala.

Marielle Franco, vereadora do Rio de janeiro, socióloga, feminista e lutadora intemerata pela liberdade e pelos direitos humanos foi executada sumariamente depois de sair de uma reunião em que prosseguia a luta.

Acabou crivada de balas, por profissionais, num país onde há corruptos entre políticos e juízes, onde a classe dominante destitui presidentes, sequestra a democracia, prende ou assassina quem a enfrenta. Marielle, mulher e negra, socióloga que ousou pensar o que a elite não queria, morreu na cidade onde as favelas estão sob ocupação militar, numa rua onde assassinos e polícias se fundem na sombria recordação dos esquadrões da morte.

No corpo da mulher assassinada, as balas foram a dor menor de uma vida de mártir que se extinguiu na luta pela emancipação da mulher, isto é, na defesa dos direitos humanos.

A sua causa é a herança que nos deixa, a obrigação que cabe a [email protected] assumir, contra a discriminação e o obscurantismo, essa herança dos monoteísmos.

 

19 de Março, 2018 Carlos Esperança

Gazeta Ateísta

Por

ONOFRE VARELA

 

COM A RELIGIÃO NÃO SE BRINCA” 

Os dirigentes dos partidos políticos da Direita têm uma enorme incapacidade de perceberem a vida dos pobres que alguns deles constantemente desrespeitam e oprimem.

Está na memória de todos nós a infeliz frase de Assunção Cristas, proferida em época de eleições autárquicas, concorrendo à presidência da Câmara Municipal de Lisboa: “Calço as galochas e vou aos bairros sociais”. A sua infeliz frase demonstra que ela não sabe que um bairro social não é uma pocilga, e pior do que isso: imagina que é!… E imaginando-o, está a colocar num patamar muito baixo a dignidade das pessoas que habitam os bairros, esquecendo que a dignidade dos habitantes de bairros sociais é igual à sua. Ela só tem mais dinheiro, o que não é sinónimo de ser mais digna!

Já Marcelo Rebelo de Sousa, com todas as suas demonstrações de carinho, estando com quem sofre, levando ânimo a quem passa por momentos maus, não pôde deixar de escorregar nas palavras e nas ideias, quando sugeriu a um sem abrigo, num acto de distribuição de comida em noite de Natal, que levasse para casa o resto do pão que não comeu, porque “é muito bom para fazer torradas”… esquecendo que um sem-abrigo não tem casa, não tem torradeira, não tem fogão, e nem tem manteiga para poder fazer as tão apetitosas torradas…

Quem sempre viveu numa casa aquecida, confortável, com a dispensa bem fornecida e o frigorífico cheio, não imagina o que é não ter onde se abrigar, passar fome e frio, e não ter nos bolsos, nem dinheiro, nem cartões de crédito ou de débito.

A um outro nível menos social, no campo das ideias que animam (mas também desanimam) a nossa sociedade, ouvi um alto dirigente do CDS dizer, no congresso de Lamego, em discurso inflamado debitado para uma plateia ideologicamente igual aos palestrantes, a frase “com a Religião não se brinca”, referindo-se a algo que uma dirigente do Bloco de Esquerda teria dito sobre a estátua do Cristo Rei de Almada.

Ele não sabe que a Religião não é uma estátua!… Ele não sabe que se pode (e deve) brincar com tudo, menos com a saúde, o bem estar, o ensino das populações e o pão dos trabalhadores pagos miseravelmente. O seu partido defende os ordenados baixos e a ideia do “trabalhador-descartável”. Muitos dos empresários apoiantes da Direita brincam com a vida das famílias que têm como único sustento a força do seu trabalho vendido ao patronato. A Religião é usada sem vergonha pelos partidos de Direita que, efectivamente, brincam com o sentimento religioso do Povo, explorando-o, também, na crença. Estes discursos da Direita são falsos como Judas. Se Jesus Cristo voltasse à Terra, certamente não permitiria a entrada na sua Igreja a muitos dos que se afirmam “tão-democratas-cristãos”… e têm atitudes “tão-pouco-cristãs”. Nem sei se reconheceria a Igreja como sua…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

18 de Março, 2018 Carlos Esperança

Marcelo, o Islão e a Ordem da Liberdade

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou na última sexta-feira a Comunidade Islâmica de Lisboa, com a Ordem da Liberdade, numa cerimónia em que se assinalaram os seus 50 anos.

Depois de ter atribuído o seu mais alto grau a Cavaco Silva, cidadão sobre o qual não há a mais leve suspeita de ter defendido a liberdade ou o menor indício de ser contra a ditadura, espera-se tudo do destino da venera que devia estar reservada para quem lutou contra o fascismo, para os militares que o derrubaram e para quem presta relevantes serviços na defesa da liberdade e dos direitos humanos.

Atribuir a Ordem da Liberdade a uma religião, a qualquer religião, já seria uma ousadia, mas atribuí-la a uma Comunidade fiel ao monoteísmo que é totalitário na sua essência, e incapaz de separar o poder político do religioso, é uma ofensa aos valores da laicidade e da democracia.

O Islão, na sua perversa conceção do mundo e no proselitismo agressivo que pratica, só merece o respeito que a democracia exige para com os crentes e jamais o apreço pela crença que discrimina a mulher, promove casamentos impostos a meninas de nove anos e manda decapitar infiéis, apóstatas e mulheres adúlteras.

Havia outras condecorações para outorgar a uma comunidade que, por ser minoritária, merece esforços de integração, mas atribuir uma venera que devia distinguir apenas os que se batem pela democracia, igualdade de sexos, e defesa de valores civilizacionais que estão presentes nas democracias laicas, não podia ter pior destinatário.

Não me repugna a presença pedagógica de cristãos e ateus numa confraternização com a minoria muçulmana portuguesa, mas foi apenas uma confraternização de homens num mundo de onde as mulheres são excluídas. E isso é uma cedência a um monoteísmo que é o maior inimigo da liberdade.

Marcelo disse que o princípio da liberdade religiosa consagrado na Constituição está “irreversivelmente enraizado” na sociedade portuguesa, o que é verdade, mas desafio-o a provar que esteja sequer previsto nesse tenebroso manual chamado Alcorão.

Sinto-me tão indignado com a outorga da Ordem da Liberdade à Comunidade Islâmica como ela se sentiria se Marcelo lhe tivesse levado umas sanduiches de leitão.

Marcelo está a ficar cada vez mais o que chamou, há muitos anos, a Pinto Balsemão, no Expresso.

17 de Março, 2018 Carlos Esperança

A ICAR e o preservativo

A Igreja católica embirrou com o preservativo com a mesma obsessão paranoica de Maomé ao toucinho e com o ódio adicional à sexualidade, comum às duas religiões.

Houve quem julgasse que as mentiras arrojadas do arcebispo católico do Maputo contra o preservativo eram declarações exóticas de um fanático à revelia do antro do Vaticano: «Eu conheço dois países na Europa que fabricam preservativos contendo o vírus da sida. Eles querem acabar com os Africanos, é o programa. Se nós não nos prevenirmos, seremos exterminados dentro de um século.»

Estas afirmações não são disparates isolados do mais destacado bispo moçambicano no País que tem quase 18% dos seus 19 milhões de habitantes seropositivos, são um crime contra a humanidade em que se encontra acompanhado pelo cardeal Alfonso Lopez Trujillo, presidente do Conselho Pontifical para a Família no Vaticano (Estado onde os cidadãos estão proibidos de constituir família). Este cardeal avisou os católicos de que todos os preservativos são fabricados secretamente com muitos buracos microscópicos através dos quais o vírus da Sida pode passar. Em vez de pedir emprego numa fábrica de preservativos, na secção do controle de qualidade, dedica-se ao terrorismo verbal.

Rafael Llano Cifuentes, bispo auxiliar do Rio de Janeiro, explicou durante um sermão o facto de a sua Igreja ser contra o preservativo com um argumento demolidor: «nunca vi um cãozinho usar um preservativo durante uma relação sexual com uma cadela».

Altos membros da ICAR têm dito aos crentes que os preservativos transmitem a SIDA: o cardeal Obando y Bravo da Nicarágua, o arcebispo de Nairobi, no Quénia, e o cardeal Wamala do Uganda. Nenhum deles se distinguiu pela inteligência ou bondade, mas têm em comum a piedade e a devoção ao Papa. Constituem um perigoso grupo de facínoras que contribuem para a propagação da SIDA e para o aumento da mortalidade.

Nos últimos 10 anos, já houve alguns progressos. O atual papa parece ter-se apercebido dos benefícios do preservativo para o combate às doenças sexualmente transmissíveis e abandonou a cruzada contra o latex.

Fonte principal dos nomes dos malfeitores: «deus não é Grande», de Christopher Hichens (2007)

16 de Março, 2018 Carlos Esperança

Momento de Poesia

Adeus, Stephen Hawking…

 

Foste habitar aquela estrela, que descobriste,
e pela qual te apaixonaste,
depois de teres encontrado Deus
num buraco negro, onde ELE se escondia,
para o obrigares a renegar tudo o que ELE dizia
sobre a criação do Universo e da vida humana…

Do teu corpo morto fizeste uma nova vida
para o nosso espanto,
pois não temos a tua força nem a tua inteligência
nem sabemos devorar as insónias
das galáxias, das estrelas, dos planetas e dos cometas
e tudo aquilo que a Física Quântica
provoca nas nossas cabeças
com as suas insondáveis incógnitas…

Nasceste no dia em que Galileu, há trezentos anos, morreu,
e morreste no dia em que Einstein nasceu,
na ponta final de dois séculos atrás,
e eu não sei se isto não foi uma partida de Deus,
para vos catalogar à entrada do céu…

O que eu sei é que vais levar os seus corações na tua mão
para que a Física vença a ignorância
e triunfe no meio das trevas e da escuridão…

Adeus, Stephen Hawking…

Alexandre de Castro

Lisboa, Março de 2018