Loading

Etiqueta: Vaticano

26 de Outubro, 2022 João Monteiro

Os piores de nós

Texto de Onofre Varela

As organizações que constroem as sociedades, são falíveis. Parece não haver organizações impolutas nem exemplares, e algumas delas são, até, mesmo, tenebrosas, como bem nos mostra a História com o exemplo do Nazismo que, nas suas origens, não revelava a maldade pela qual veio a ser conotado, mostrando o pior que pode habitar nas mentes de alguns de nós (e cuja ideologia ainda hoje tem partidários declarados, ou mais ou menos camuflados, inclusivamente com assento em Parlamentos europeus, considerando o Parlamento da nossa República!).

Todas as organizações políticas, sociais e religiosas, são a essência de nós. Fomos nós que as criamos e alimentamos. Qualquer análise crítica às malfeitorias já protagonizadas por aqueles que detinham o poder – seja político, económico, social ou religioso, e que, à época das suas práticas, eram considerados “os melhores de nós” e por isso lhes demos o poder ou, se não lho demos, consentimos que o tomassem – não deve esquecer a origem social do próprio analista que nunca se encontra fora da espécie que tais actos comete.

É o caso da Igreja Católica, tão rotulada de santidade, tão apregoadora do bem e do amor, e tendo na sua História milenar imensos casos nada dignos da moral que enforma os seus pregões!

De todas as acções menos correctas que ensombram a Igreja Católica, parece não haver dúvida de que as mais graves serão as que contam situações de pederastia, tão desprestigiantes da instituição.

Recentemente a imprensa referiu Joseph Ratzinger (o clérigo que protagonizou o papel de Papa Bento XVI e renunciou ao cargo em Fevereiro de 2013), que antes de ser Papa presidiu ao gabinete do Vaticano identificado como “Congregação para a Doutrina da Fé”, com o cargo de vigiar a pureza na prática da Religião Católica pelo mundo.

Nesse sentido é dele a responsabilidade da destruição daquilo que, nas décadas de 1950 e 1960, era a esperança maior dos povos latino-americanos: a “Teologia da Libertação” defendida por sacerdotes progressistas da América Latina, como o brasileiro Leonardo Boff, entre outros, contra os abusos clericais que protegiam capitalistas exploradores do povo mais desgraçado. Ratzinger colocou-se ao lado dos exploradores, contra os explorados, e destituiu, ou ostracizou, os “padres libertadores”. É um “pecado” que a História não esquece ter sido praticado por Ratzinger.

As notícias mais recentes que aqui trago, lembram que Ratzinger iniciou o seu pontificado com a teoria de que “a roupa suja deve lavar-se em casa”, dando a ideia de estar empenhado em denunciar abusos sexuais no seio da Igreja, aos quais o seu antecessor não tinha dado a devida importância.

Nesse sentido, Bento XVI proclamou o são princípio da “tolerância zero” para os crimes sexuais, no intuito de limpar a Igreja do pior da sua história recente. Fracassou em tal intenção, possivelmente por mais do que uma razão, mas também porque o lugar de Papa, no Vaticano, se encontra “rodeado de lobos”, cuja alcateia dificulta as intenções dos melhores pontífices. Quando se retirou da Santa Sé, renunciando ao cargo de Papa, o clérigo alemão deixou algumas mensagens demolidoras contra os bispos que dificultaram, ou impediram, a concretização das suas melhores intenções na melhoria das práticas da sua Igreja.

A imagem de Joseph Ratzinger estava a ser tão bem gerida pelo próprio e pelos seus mais dilectos colaboradores, quando, há cerca de uma dezena de dias, se veio a saber, pela imprensa internacional, que o Papa emérito Bento XVI, afinal, encobriu casos de crimes sexuais contra crianças na arquidiocese de Munique, quando foi arcebispo entre os anos de 1977 e 1981!

A sua ideia de “a roupa suja deve lavar-se em casa”… afinal, podia referir-se à sua própria roupa… não a querendo ver em lavadouro público que nada prestigiava quem a vestiu!…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Imagem de Clker-Free-Vector-Images por Pixabay
25 de Outubro, 2022 João Monteiro

Honestidade papal

Texto de Onofre Varela

Em Janeiro de 1999 a cadeira de S. Pedro estava ocupada pelo Papa João Paulo II (JP2).

Em alguns dos seus discursos dirigidos ao mundo, eu sentia que o Papa usava de alguma honestidade intelectual.

Particularmente em dois deles, essa honestidade foi tão notória que não me parecia ser o discurso de um Papa tradicional… pelo menos não era habitual ouvir tais palavras saindo da boca de personagens com responsabilidades eclesiásticas.

Nesse dia, JP2, usando de honestidade intelectual, tentou pôr as coisas nos seus devidos lugares colocando a crença numa prateleira própria, mas com vasos comunicantes com a prateleira da Ciência.

Disse ele que o céu não é um lugar paradisíaco situado algures para lá das nuvens, mas que é, isso sim, uma boa relação psicológica com (a ideia de) Deus; e que o inferno é a total ausência dessa relação.

Foi um discurso que por me parecer autêntico eu aplaudi, e que vinha na sequência de um outro onde JP2 afirmara que “Deus não é um velho com barba”, mas sim “uma relação psicológica com a ideia da divindade”. Totalmente certo!

Finalmente eu ouvia um discurso sério saído da boca de um Papa!…

Recordo que fazia uma viagem de automóvel quando ouvi estas afirmações de JP2 num bloco noticioso da rádio e, entusiasmado com a honestidade do Papa, esperei por notícias bombásticas nos jornais do dia seguinte… mas nada aconteceu!

Nesse dia havia um qualquer jogo de futebol entre duas equipas consideradas importantes, num qualquer campeonato também importantíssimo para a tribo do futebol, e a imprensa deu destaque ao jogo da bola em todos os dias da semana, esquecendo o discurso do Papa! É sempre assim… as coisas verdadeiramente importantes para o pensamento, são atropeladas pelas notícias futebolísticas que os responsáveis pela informação jornalística colocam em nível superior, exaltando-as, dando-as a comer aos consumidores ávidos do supérfluo, esquecendo o que realmente é importante (ou devia ser) para o intelecto de qualquer cidadão.

O jornal Público foi o único diário nacional que noticiou o discurso do Papa, mas com pouca visibilidade. Acabei por me informar mais e melhor na imprensa espanhola, pela qual também fiquei a saber que os padres Dominicanos se apressaram a divulgar diversa leitura do discurso papal, reafirmando as tradicionais imagens do céu paradisíaco, do inferno medonho e tenebroso, e da figura de Deus com barba alva, tal e qual como foi pintado pelos artistas da Idade Média e da Renascença.

E quando Ratzinger assumiu o seu papel de Papa no teatro da Santa Sé, tratou de oficializar as tradicionais imagens de fé medievais e despediu o director do Observatório Astronómico do Vaticano, alegadamente por ter apoiado JP2 na recuperação da memória de Galileu Galilei na onda de perdões que varreu a Igreja Católica em 2000, o ano do seu jubileu.

Para Ratzinger, Galileu não é recuperável… e cá para mim, Ratzinger (todos os “Ratzingeres” deste mundo e da Igreja) não têm recuperação possível!

O trono do Vaticano, abandonado por Ratzinger que resignou ao cargo, foi ocupado por Mário Bergoglio (Francisco I) em Março de 2013, que se mostrou um homem mais cordato, mais humano, mais atento às realidades, olhando o mundo tal como ele se apresenta na realidade, sem o enfeitar com as vestes místicas como muitos sacerdotes afirmam ser.

A honestidade intelectual é o que se espera de quem exerce cargos tão importantes para o mundo, como se reconhece serem os políticos com responsabilidades de governação… e o Papa, por ser o monarca de uma igreja com tantos aderentes.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

29 de Julho, 2022 João Monteiro

Guerra interna no Vaticano

Texto de Onofre Varela

Aquilo lá pelo Vaticano, sede da empresa religiosa e multinacional Igreja Católica, não anda lá muito católico!… As coisas não correm bem… e o Papa Francisco I, que pretende dar um banho de humanidade, moralidade e modernidade à Santa Sé, encontra-se cercado de inimigos e mergulhado num poço de víboras.

O jornal espanhol El País (edição de 24/12/2021) insere uma notícia com o título “O Papa reclama unidade à sua Cúria em plena batalha com os conservadores”. É uma frase elucidativa das dificuldades que Francisco I (F1) tenta vencer, sabendo-se rodeado de inimigos.

Os bispos e cardeais que por lá gravitam, não são uns “santos” – como os crentes consumidores de missas dominicais imaginam ser os bispos – também comportam um bom naipe de “diabos e mafarricos”.

Diz o jornal que “Francisco I aproveitou o seu tradicional discurso de Natal perante a Cúria para chamar à ordem o seu exército”. Assim se inicia a notícia onde se aborda o discurso interno do Papa, no qual o Sumo Pontífice chama a atenção dos cardeais para a necessidade de se eliminar os males que afligem a hierarquia da Igreja Católica.

No nono ano do seu pontificado, F1 incentivou a unidade e pediu para que se não caia em “divisões, facções e inimigos”, tendo a certeza que tais divisões e facções já existem entre o corpo cardinalício. Na base do seu discurso está a guerra ideológica que atravessa a instituição com distintas correntes, entre as quais sobressai a do sector mais conservador contra F1.

“Se o Evangelho proclama a notícia, nós devemos ser os primeiros a tentar viver com transparência”, disse F1 fazendo juz à honestidade que teimou em levar para o Vaticano e que não é bem vista pelos cardeais conservadores, defensores de uma igreja medieval. Este sector conservador, composto pelo poder económico e político da extrema-Direita da Europa e dos EUA, ataca as suas reformas e a profundidade do seu pensamento teológico, no qual se conta o diálogo que tem mantido com outras confissões religiosas e que não é bem visto pelos conservadores. Estes, afadigam-se a erguer um muro que trave as mudanças que F1 quer implementar numa instituição tão velha e decadente como é a Igreja Católica, e que alberga interesses tão contrários à fé que apregoa.

O Papa aproveitou o seu discurso de Natal para ultrapassar a tradicional lenga-lenga de fé, e dirigir-se à Cúria, denunciando as resistências ao seu esforço para reformar e revitalizar a Igreja, pedindo “aos clérigos de mentalidade tradicional para que deixem de viver no passado”, cujo pensamento ancestral não se adequa ao tempo presente pela “incapacidade de saber discernir a verdade das coisas”.

Falando sobre a tradição que faz a história da Igreja, F1 disse que “recordar não é repetir, mas sim saber acumular as boas qualidades e reavivá-las. Para que recordar não se converta numa prisão do passado, precisamos de outro verbo: gerar”. E terminou o seu discurso dizendo que “o humilde, gera, convida e impele aquilo que não se conhece; o arrogante ufano e orgulhoso, pelo contrário, repete-se, endurece os procedimentos, fecha-se na sua repetição, sente-se seguro naquilo que conhece, e teme o novo porque não o pode controlar a seu contento”.

Esperam-se grandes convulsões internas na multinacional empresa de fé registada com o nome Igreja Católica Apostólica Romana, minada por interesses materiais que nada têm a ver com a moralidade presumivelmente contida no Evangelho que prega, e que o clérigo argentino Jorge Mário Bergoglio, travestido de Papa Francisco I no teatro do Vaticano, pretende levar à cena… mas depara-se com dificuldades nos bastidores, onde os técnicos daquela sala de espectáculos religiosos, se afadigam em sabotar o seu papel de actor principal, na tentativa de transformar em fracasso a peça que idealizou, escreveu e quer pôr em prática.

Cabe-nos perguntar: Se Jesus Cristo cá estivesse hoje… seria católico?

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) OV

10 de Março, 2016 Carlos Esperança

No melhor pano cai a nódoa

Depois de um brilhante discurso de posse.

Primeira viagem do Presidente Marcelo é ao Vaticano

09 Mar, 2016 – 14:50 • Aura Miguel

No próximo dia 17, o novo Presidente encontra-se no Vaticano com o Papa Francisco. No mesmo dia, em Espanha, terá um encontro com o Rei espanhol.

Diário de uns Ateus – Uma teocracia e uma monarquia, ambas legadas por fascistas, Mussolini e Franco.

27 de Abril, 2014 Carlos Esperança

A indústria do milgres

João Paulo II, Papa pela graça do Opus Dei e sobre o cadáver precoce de João Paulo I, disse de Augusto Pinochet e Esposa: «São um casal católico modelo».

Perguntas:

–          JP2 foi infalível?

–          Os católicos confiam em JP2?

–          Deus levou-o a sério?

–          O milagre na área oncológica obrado numa freira francesa na véspera do centenário da lei da separação da Igreja e do Estado será verdadeiro?

–          A ICAR é uma entidade de bem?

Diário de uns Ateus – Os papas defuntos são mais infalíveis do que os vivos.

27 de Abril, 2014 Carlos Esperança

Papas, bolos e canonizações

Pela primeira vez na História do Vaticano, reúnem-se dois papas para canonizarem dois antecessores, em adiantado estado de defunção.

Dois mil anos de papas deram muitos defuntos para se dedicarem ao ramo dos milagres e poderem reincidir na santidade, já que o título é apanágio da função e do estado civil.

A presença de Durão Barroso, muito chegado a papas e bolos, sobretudo aos últimos, a avaliar pelo volume, lá vai à cerimónia a representar a excelência da escola salazarista. Não lhe falta experiência em genuflexões e vocação para andar de rastos.

Irá representar a União Europeia, como se a legitimidade, nesta Europa do Iluminismo, fosse conferida a quem não se submeteu a votos nem ao exame de consciência sobre a invasão do Iraque.

Com papas e bolos poder-se-ia pensar que Durão Barroso ia ao engano mas somos nós quem eles querem que acreditemos em milagres e passemos por tolos.

24 de Abril, 2014 Carlos Esperança

Canonizações

Não é o ridículo dos milagres que mais desacredita a Igreja católica, que os atribui por razões políticas e inventa à medida das necessidades. Curiosa é a forma de os certificar, “por não haver provas científicas”.

Na Igreja católica não são determinantes os factos e as provas, determinante é a sua ausência.

Já na política é mestra. A canonização simultânea de João Paulo II, o cúmplice e amigo de todos os ditadores de direita, e de João XXIII, um homem que prezava a democracia, apesar de ser papa, é a manifestação da duplicidade de Francisco.

transferir

18 de Abril, 2014 Carlos Esperança

Bento XVI e a cruzada contra a secularização da Europa

Das alfurjas do Vaticano ouviam-se latidos contra o laicismo. O pastor alemão mostrou os dentes, afiou as garras e vociferou latim. Saíram-lhe santas imprecações em forma de oração, por hábito e contenção beata.

Quando o paramentavam para os rituais, enquanto sentia as mãos macias do sacristão e as sedas que lhe moldavam a pele, B16 cismava vingar-se da Europa, indiferente a que as pessoas da Santíssima Trindade fossem três ou trezentas, os mandamentos da lei de Deus, dez ou cem, e os milagres necessários para criar um santo, dois ou duzentos.

Como chefe de um exército de sotainas convocou as hostes para anunciar o Evangelho, aqueles quatro livros cheios de contradições e de violência que se juntaram ao Antigo Testamento, por ordem de Constantino, escolhidos entre muitos outros ainda mais contraditórios e inverosímeis.

Quando pediu aos bispos «um testemunho claro, público e corajoso», B16 não mandou ensinar padre-nossos ou treinar beatos a ruminar ave-marias, usou um eufemismo para lançar a cruzada, fez uma declaração de guerra com palavras melífluas, incitou bispos a brandir o báculo e a arremeter contra Governos que se negassem a esportular o óbolo, a fazer a genuflexão e a dificultar o proselitismo.

Para B16 a liberdade era a «ditadura do relativismo», o respeito pelos Mandamentos de Deus (interpretados pela Mafia que dirigia) devia ser imposto e não admitia que «desapareça a identificação com o Magistério da Igreja», isto é, a subserviência à tiara.

B16 exortou os Bispos a que «exponham a Palavra de Deus com toda a clareza, mesmo os pontos que, muitas vezes, são escutados com menos vontade ou que provocam reações de protesto ou mesmo de deserção». É a ordem de marcha, em beata cruzada contra os infiéis, réprobos, apóstatas e ateus.

Francisco ainda não desautorizou o anterior Torquemada.

16 de Abril, 2014 Carlos Esperança

O stock das almas e o Paraíso

O Paraíso parece um bar de alterne, um lugar especialmente mal frequentado. A avaliar pelos santos que o defunto JP2 tirou das profundezas do Inferno ou do estágio no Purgatório, há hoje uma multidão de patifes a jogar as cartas com o divino mestre e a servir bebidas ao Padre Eterno.

Não sei se é Torquemada que toma conta do armazém das almas de crianças por nascer ou de adultos por batizar, pois sabe-se de ciência certa, com aquela honestidade que se reconhece ao clero, que os não batizados têm como destino o Limbo, um sítio insípido, sem divertimentos nem crueldades como as que o Deus de Abraão criou como destino dos bem-aventurados ou das almas penadas.

No armazém das almas o negócio anda próspero com a explosão demográfica dos países pobres. Mas Deus é um comerciante insatisfeito que quer despachar mais mercadoria.

É por isso que a ICAR é contra o planeamento familiar, a contraceção, o preservativo, a IVG, o DIU e a pílula. No Céu há uma alma para cada espermatozoide e é por isso que tanto o pecado solitário como a ejaculação noturna são uma catástrofe para o negócio.

Os clérigos, encarregados de tratar das almas e olhar pelo negócio, andam estarrecidos com a possibilidade do fim da perseguição criminal às mulheres que interrompam a gravidez. E, ano após ano, aumentam os países que descriminalizam a IVG.

Aliás, para as religiões do livro, a mulher é um ser inferior que deve obediência ao marido e serve apenas para a reprodução e os louvores ao Deus da zona de residência.