Loading

Etiqueta: Opinião

23 de Junho, 2022 João Monteiro

Debate: Religião no Século XXI

João Monteiro, presidente da Associação Ateísta Portuguesa, participou num debate com Luísa Jacinto, que representou o Movimento Católico de Estudantes. A moderação esteve a cargo de João Mendes, da Escola Superior de Comunicação Social, onde teve lugar o debate. A conversa pode ser ouvida aqui.

10 de Setembro, 2021 João Monteiro

Ateu, graças a Deus

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Trevim.

É comum ouvirmos os crentes darem graças a Deus pelos mais diversos motivos: por terem saúde, por terem trabalho, por chover ou não chover, por fazer sol ou por terem feito boa viagem. Do mesmo modo os religiosos islâmicos – os da facção mais extremista e negativa – também evocam Deus antes de se fazerem explodir entre a multidão de um mercado, de uma estação de Metro ou de um aeroporto. Excluindo desta apreciação os bandidos que matam convictos de estarem a executar uma acção de santidade, sobram aqueles que têm de Deus a mais pacífica das imagens e, em seu nome, procuram ser bondosos. Muitos destes são, essencialmente, hipócritas. Afirmam-se boas pessoas dando esmola na igreja e oferecendo pacotes de arroz para missões caritativas, porque a ideia que têm de Deus é a de um polícia e juíz que espia e condena os crentes apanhados em falso. Soubessem que Deus estava distraído, ou que não existe… e borrifavam-se na caridadezinha social!

(Aliás, a caridade por hábito religioso [que não em situações extremas de calamidade] deve ser substituída pela obrigação social do Governo promover o bem-estar dos cidadãos. É essa a primeira e mais importante missão de um Governo, e é para isso que foi eleito. A caridade não resolve o problema da fome… ajuda a mantê-la! Os carenciados deste ano são os mesmos do ano passado, acrescentados de outros que a caridade produz quando os governos não resolvem o problema na sua base. Só há necessidade da caridade pública quando o Governo não é eficaz).

Estamos programados para dar graças a Deus pelos bons desfechos. Dizemos “graças a Deus fizemos boa viagem”, quando chegamos bem ao nosso destino. Se houver um acidente, nunca dizemos “graças a Deus espatifamos o carro e o tio Zé morreu”!… O que não se entende!… Porque sendo Deus o guardião de todos nós, deve ser responsabilizado, também, pelos maus desfechos, pois retirou-se do seu posto de vigia precisamente no momento em que fazia mais falta!… E quando os meus piadéticos amigos me dizem “és ateu graças a Deus”, não fazem ideia da verdade que estão a proferir para além da anedota que os motiva a debitarem essa frase velha como o mundo.

Vejamos: Um crítico literário, ou cinematográfico, só existe porque existe Literatura e Cinema. Se não existissem estes, não havia razão para existirem aqueles! Do mesmo modo, um Ateu (a: partícula de negação; + teo: Deus) é um crítico do conceito de Deus. Se não existisse o conceito, não haveria lugar para a existência dos seus críticos. Na verdade é graças a (o conceito de) Deus, que os ateus (seus críticos) existem!

(O autor escreve sem obedecer ao último Acordo Ortográfico)

OV

2 de Setembro, 2021 João Monteiro

Ainda os abusos sexuais exercidos por religiosos

Texto de Onofre Varela, publicado na Gazeta Paços de Ferreira.

Já aqui divulguei que o jornal espanhol El País tem um departamento que se dedica a investigar casos de pedofilia protagonizados por sacerdotes, ou outros profissionais, em estabelecimentos de ensino administrados pela Igreja Católica. Tal departamento recebe depoimentos de ex-alunos (que dizem terem sido abusados sexualmente enquanto crianças ou jovens) e depois investiga.

(Bem sei que o abuso sexual não é exclusivo de agentes religiosos da fé católica com, ou sem, responsabilidades no ensino. Mas, dado o conceito de “amor” tão difundido pela Igreja, bastaria um único caso de crime sexual dentro da sua organização, para que o seu propalado amor fosse considerado uma farsa a merecer crítica severa).

Na sua edição de 24 de Julho último, o El País conta haver uma investigação criminal à instituição religiosa católica designada por Maristas, sediada em León. A investigação chegou a 20 colégios em todo o território espanhol e abarca casos de pedofilia cometidos entre as décadas de 1950 e 1990. Só na Galiza contam-se denúncias de 13 religiosos, e nas investigações já encetadas em 16 centros contam-se 18 vítimas. Em León há cinco acusados num só colégio.

As investigações espalham-se por instituições situadas em Madrid, Barcelona, Valência, Granada, Bilbao, Erandio (Biscaia), Artzeniega (Álava), Pamplona, Toledo, Badajoz, Málaga, Múrcia e Elche. Os abusos são relatados como sendo cometidos em salas de aula vazias e em dormitórios, por treinadores de basquetebol, pelo enfermeiro e pelo próprio tutor… todos eles professores com fama reconhecida.

A seu tempo houve várias denúncias de pais e alunos que não serviram de nada. Hoje, os queixosos são antigos alunos com idades que ultrapassam os 70 anos, contando-se entre eles profissionais como professores, médicos e empresários, que guardaram segredo por toda a vida, não revelando os abusos de que foram vítimas, nem às suas famílias nem às autoridades. A maioria dos sacerdotes acusados pelos ex-alunos mais idosos, já faleceram.

Nos últimos anos foram acusados 36 Maristas, maioritariamente em colégios catalães, onde a ordem religiosa chegou a acordo com a Justiça e as vítimas, pagando indemnizações no valor de 400.000€ a 25 famílias.

Os actuais responsáveis pela instituição Marista pedem perdão a todas as vítimas por terem falhado, reconhecendo que não foram capazes de proteger e cuidar dos seus alunos como era sua obrigação.

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

Onofre Varela

Texto de opinião de Onofre Varela, sobre os abusos sexuais na Igreja.
Imagem de Zoltan Suga por Pixabay
1 de Setembro, 2021 João Monteiro

Voltando à defesa do Ateísmo

Texto de Onofre Varela, publicado na Gazeta de Paços de Ferreira.

Terminada a série de quatro artigos onde abordei a vida aventurosa do Padre/Arqueólogo Eugénio Jalhay, regresso ao teor dos meus artigos habituais nesta coluna em defesa do Ateísmo.

Para quem pense que, pelo facto de eu ser ateu, deveria dizer mal de tudo quanto cheire a Igreja e de todas as acções dos sacerdotes… terá de rever esses seus pensamentos conspurcados por um fundamentalismo que deve evitar em nome de uma decência comportamental.

O facto de ser ateu não impede o meu elogio a sacerdotes e outros agentes religiosos quando o elogio se impõe, como foi o caso de Eugénio Jalhay. E isto é assim porque um ateu, antes de ser ateu, é homem… com todos os defeitos e todas as virtudes que são comuns a qualquer ser humano.

Um dia, em conversa com um amigo sacerdote católico, falei das razões que me levaram a ser ateu. Ele não só me entendeu como usou um discurso semelhante ao meu, o que me levou a dizer: “Espera lá!… Afinal, quem é o ateu? Sou eu ou és tu?!”. Respondeu-me que a verdade que salta aos olhos não pode ser escamoteada nem ter outra interpretação.

Esta casualidade de discursos idênticos, vindos de um ateu e de um homem de fé, foi referida pelo poeta inglês T. S. Eliot em relação ao livro “Porque Não Sou Cristão” do filósofo ateu inglês Bertrand Russel, que foi editado em 1927. Disse ele: “O senhor Russel supõe que não é Cristão porque é ateu […] quando nos familiarizamos com o Ateísmo reconhecemos que é, frequentemente, uma variedade do Cristianismo”.

O teólogo alemão Rudolf Bultmann, na década de 1960, defendia um “Cristianismo arreligioso”, retirando a Jesus Cristo a carga mitológica com que o enfeitam enquanto “filho de Deus”, tornando-o puramente humano. E o seu colega, também teólogo, J. L. Altizer, propôs a ideia do “Ateísmo Cristão”.

Por cá, por estas nossas terras lusitanas onde o Ateísmo é tão vilipendiado sem qualquer razão racional para isso (sendo-o, apenas, por questões culturais e preconceituosas), o pensador, professor universitário e escritor açoriano, Vitorino Nemésio, no seu programa de televisão dos anos 60, “Se Bem Me Lembro”, onde proferia palestras que eram, sempre, interessantes, disse um dia: “Sou, contraditoriamente, religioso e ateu…”. Esta é a conclusão de um homem sábio: religioso pela positividade de alguns conceitos comportamentais inscritos na Bíblia – o livro eleito por Judeus e Cristãos – como, por exemplo, “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico: 19; 18) o que, se fosse bem considerado, impediria guerras e outros conflitos; e ateu pela racionalidade científica que coloca cada coisa no seu lugar natural, fazendo, de cada um, um verdadeiro conhecedor… o que, inevitavelmente, nos conduz para a via do pacifismo!

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

Imagem de un-perfekt por Pixabay
31 de Agosto, 2021 João Monteiro

Ser ateu é difícil… chiça!…

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Trevim

O sentido religioso promove e alimenta o êxtase da fé. Criamos símbolos com o propósito de os adorarmos, tal como os Hebreus fizeram com o bezerro de ouro. Moisés insurgiu-se contra o povo idólatra… mas hoje os cultos do seu livro, e que pregam por ele, continuam a alimentar a idolatria, mormente o Catolicismo que é muito rico em iconografia, com as imagens de Jesus, Maria e uma imensidão de santinhas e santinhos que uma repartição do Vaticano não se cansa em fabricar!…

Os símbolos fazem parte da nossa natureza. Todos nós enfeitamos a nossa vida com símbolos, e a Igreja tem majestosos templos, estatuária e pintura, fabulosos utensílios de culto em prata e ouro, mais os paramentos, os hinos, as celebrações teatralizadas e os ritos. As religiões fabricaram todas as ferramentas para serem constantemente lembradas e acrescentadas de novos elementos para o culto, como as imagens dos “santos” que decoram os templos, as capelas e os nichos de estrada, sempre acompanhadas pela respectiva caixa com ranhura colectora de receitas na forma de dádiva voluntária. Sem este aspecto material… o espiritual não se governa!

O Ateísmo não possui nada disto!… Os ateus só são espirituais, descurando o aspecto material… são uns pobretanas!… Não constroem templos nem criam ícones para conquistarem aderentes. (A Associação Ateísta Portuguesa começou por usar como logotipo a representação do átomo; a menor partícula que compõe um elemento químico. Recentemente mudou-o para uma representação gráfica das iniciais da associação). Os ateus apenas têm a palavra para espalharem a sua filosofia, e não o fazem com o empenho de a propagar diariamente, como a Igreja o faz nas missas. Se a palavra é coisa pouca nesta era da imagem… acaba por ser suficiente porque a palavra é tudo. Assim haja quem a queira ouvir ou ler, e raciocinar sobre o que ouve e lê.

Para dificultar o caminho aos ateus, acresce que as sociedades estão formatadas em preceitos religiosos que fecham as portas ao discurso ateísta. O Ateísmo ainda é alvo de preconceitos e de uma censura que lhe impossibilita uma visibilidade franca para o tornar conhecido como realmente é, e não como alguns, maldosamente, pensam que é e afirmam ser. Tenho amigos de várias confissões religiosas, entre os quais há padres católicos, que já me disseram: “Tu não és ateu”. E porque o dizem? Não é pelo meu discurso em defesa da minha descrença, mas sim porque me conhecem bem e consideram que um fulano a comportar-se assim, não pode ser ateu!!… E isto não é mais do que preconceito!… Esses meus amigos têm gravado nas suas mentes religiosas uma figura de ateu que não corresponde à realidade. Provavelmente idealizam os ateus como anti-sociais, mal-comportados, patifes e mal dispostos… e como me conhecem bem… não posso ser ateu!… Oh meus amigos… isto é do caraças!…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Imagem de Free-Photos por Pixabay
7 de Julho, 2021 João Monteiro

Padre Eugénio Jalhay (3)

Texto de Onofre Varela, publicado na Gazeta Paços de Ferreira.

O difícil caminho da vida de Eugénio Jalhay começou a desenhar-se em 1910 com o advento da República que muitos políticos portugueses reclamavam. A agitação do fim da Monarquia e a ascenção dos sanhosos republicanos, fez soprar maus ventos para o clero. A legislação do novo regime recuperou uma lei de 28 de Agosto de 1767 (entre outras do tempo do Marquês de Pombal) determinando que os Jesuítas fossem obrigados a sair imediatamente do país e dos seus domínios. Assim se iniciou um itinerário de fugas para o sacerdote-arqueólogo Eugénio Jalhay. O advento da República com forte carga anti-clerical, obrigou muitos religiosos, mormente Jesuítas, a saírem do país.

Eugénio Jalhay iniciou, então, um itinerário de fugas, quando completou 20 anos de idade. Partiu para Tortosa (Espanha) e aí estudou Filosofia. Foi depois para Lovaina (Bélgica) onde completou os estudos e chegou a ser professor num colégio em Jette-Saint-Pierre – fundado por padres jesuítas expulsos da novel República Portuguesa, perto de Bruxelas, fundado por padres jesuítas expulsos da novel República Portuguesa – que recebia estudantes fugidos de Portugal.

Os ventos da História continuavam a soprar mal, não só para os clérigos portugueses, mas para toda a Europa. Nos Balcãs, em 1913, terminara uma guerra que durou um ano e criara um caldo conflituoso de interesses vários englobando dois grupos em constante estado de tensão: a Tríplice Aliança, contemplando Alemanha, Austria-Hungria e Itália, e o bloco composto por França, Grã-Bretanha e Rússia. Os jogos de interesses políticos acabaram por conduzir ao assassinato do arquiduque herdeiro Francisco Fernando da Áustria, em Sarajevo, no dia 28 de Junho de 1914, o que ditou a causa imediata da Primeira Guerra Mundial, com a declaração das hostilidades da Alemanha à Rússia e à França, em Agosto. Logo a seguir a Inglaterra e o Japão declararam guerra à Alemanha. Estavam lançadas as cartas para o jogo que os homens mais adoram: a guerra!… E os alemães invadiram a Bélgica e o norte da França.

Eugénio Jalhay parecia ter sido talhado para estar nos locais errados na hora certa, e o seu sotaque de estrangeiro despertou curiosidade e desconfiança aos alemães invasores. Foi confundido com um espião, prenderam-no e quiseram fuzilá-lo. Com a preciosa e vital ajuda de alguém que o sabia inocente daquela acusação, conseguiu fugir para Inglaterra e daí partir para Espanha, fixando-se num colégio Jesuíta em Los Placeres (Pontevedra, Galiza). Em 1916 Jalhay estava em La Guardia (A Guarda, Galiza) participando em escavações arqueológicas na povoação castreja do monte de Santa Tecla (Teca ou Tegra) na margem direita da foz do rio Minho. Em 1919 foi ordenado sacerdote em Burgos (Castela e Leão, Espanha). Voltou à Bélgica em 1920 e quatro anos depois regressou a La Guardia iniciando colaboração na revista jesuíta Brotéria (excelente revista! Quero registá-lo aqui). Em Portugal as convulsões republicanas de década e meia direccionaram a política para outras saídas, e a 28 de Maio de 1926 foi imposta uma ditadura militar que deixou a República e a Democracia à espera, dormitando à porta do Parlamento (sendo acordada com ramos de cravos vermelhos 48 anos depois, numa madrugada libertadora e sem tiros, em Abril de 1974). O católico António de Oliveira Salazar iniciava a sua ascenção em cargos políticos pela porta do Ministério das Finanças, e em 1928 os Jesuítas foram convidados a regressar a Portugal, estabelecendo-se, então, a Redacção da revista Brotéria, em Lisboa.

Foi assim que Eugénio Jalhay voltou à sua terra natal depois de 18 anos de fugas. Assumiu a direcção da Brotéria, e a sua costela de investigador da História dos povos de antanho levou-o a frequentar reuniões na Associação dos Arqueólogos.

(Continua)

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) OV

6 de Julho, 2021 João Monteiro

Padre Eugénio Jalhay (2)

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Gazeta Paços de Ferreira. Segunda parte do texto.

Finda a Primeira Grande Guerra, Afonso do Paço regressa a Portugal no final do ano de 1918, ou princípio de 1919 e, em 1929, dedica-se à Arqueologia, actividade que o apaixonava paralelamente à vida de militar, e que exerceu até ao fim da sua vida (1968).

Já quanto ao padre Jalhay, ele começou por frustrar todas as minhas tentativas de conhecimento da sua vida, pois nenhum dos documentos adquiridos no Museu me falava dele! Recorri às bibliotecas municipais de Paços de Ferreira e do Porto, mas nos livros consultados não encontrei referências biográficas da misteriosa figura do padre Eugénio Jalhay, que se apresentava, cada vez mais, como enigma difícil de desvendar, começando pelo seu próprio nome: Jalhay, que sabia ser apelido belga (mo dissera a minha mulher, que o conheceu quando ela era uma miúda que distribuía água aos sedentos estudantes de arqueologia em tempo de campanhas de escavação na Citânia). Por isso me interrogava: o que levou um padre belga a deslocar-se para o Sul da Europa e fazer Arqueologia em Sanfins de Ferreira na década de 1940?!…

Numa segunda visita ao Museu, e em conversa com o seu guarda e guia (um membro da família Brandão) comentei a dificuldade em conseguir a informação que procurava. Fiquei a saber, então, que, para além das publicações adquiridas na minha primeira visita, o Museu nada mais tinha sobre a Citânia e os seus arqueólogos. Porém, havia uma pequena brochura editada em 1962 (presumo que se tratava de uma separata da Revista de Arqueologia) que prestava homenagem à memória do padre Jalhay, com texto de Mário Cardoso, e desde há muito tempo esgotada. Talvez nela encontrasse respostas para as minhas questões… e ele tinha um exemplar na sua biblioteca particular. Emprestou-mo… e dissipou-se o mistério. Ali mesmo, num canto do museu, li aquele texto de um só fôlego, e tomei notas.

Eugénio Jalhay, padre jesuíta de descendência belga… nasceu em Lisboa em 1891!… Ora bolas!… Lá se foi o devaneio do enigma por água abaixo!…

O percurso de vida deste sacerdote-cientista foi um rosário de incidentes ditados pelas convulsões da História, o que o obrigou a constantes deslocações.

Eugénio Jalhay foi um dos 14 filhos de Adelaide de Ascenção Rogeiro Montez e de Emile Auguste Jalhay (belga), industrial de fiação estabelecido na Covilhã. Entrou no Noviciado de Barro da Companhia de Jesus, perto de Torres Vedras, quando contava 14 anos. É desse tempo o seu encontro com o apelo da Arqueologia.

Certo dia acompanhou o padre Paulo Bovier Lapierre na descoberta de elementos paleolíticos em Monsanto, Lisboa. Nessa primeira deslocação a um campo arqueológico teve a dita de conhecer o arqueólogo José Leite de Vasconcelos que o animou a dedicar-se à Arqueologia. Foi essa a semente que germinou, deu fruto e condicionou toda a sua vida paralela à de sacerdote, levando-o à tarefa de fazer ressuscitar povoados castrejos, mostrando a História que a erosão dos séculos e o verde da Natureza ciosamente encobriam. (Continua)

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) OV

Citânia de Sanfins – Paços de Ferreira. Foto de Henrique Matos. Fonte: Wikipedia
5 de Julho, 2021 João Monteiro

Padre Eugénio Jalhay (1)

Texto de Onofre Varela publicado na Gazeta de Paços de Ferreira. Primeira parte.

No último número da Gazeta deliciei-me com o artigo “Conhecer o nosso Património” da professora Rosário Rocha, do Agrupamento de Escolas de Frazão. Conta-nos um passeio cultural que fez com os seus alunos da Turma F do Centro Escolar da Arreigada, visitando, com guias qualificados, o Mosteiro de Ferreira, o Museu Arqueológico da Citânia de Sanfins e as ruínas da própria Citânia que justifica a existência do Museu. 

Termina o seu artigo dizendo que “deveria ser ‘obrigatório’ que todas as turmas fizessem o roteiro cultural do nosso concelho”. Aplaudo a ideia!… O conhecimento de História deve começar por sabermos a nossa própria história, estudando a nossa família e o lugar onde moramos. Os primeiros passos a dar no sentido de sabermos História, podem (e devem) ser dados na nossa terra, à nossa porta e na nossa casa. Todos nós temos a nossa própria História que, obrigatoriamente, devemos conhecer. É a partir dela que ficamos a saber quem, e como, somos nós… e que podemos (sobretudo, devemos) respeitar gentes e lugares.

O artigo da Professora Rosário Rocha lembrou-me o interesse que alimentei pela Citânia de Sanfins de Ferreira há mais de 50 anos, e espevitou-me no sentido de contar aqui a minha experiência. Por isso vou-me distanciar do tema que habitualmente abordo nestas páginas (a defesa do Ateísmo) para me dedicar, por quatro edições, à Citânia de Sanfins e a um dos seus importantes arqueólogos, o padre Eugénio Jalhay.

Desde 1969 que, pelo casamento, estou ligado à família Brandão de Sanfins de Ferreira, detentora de brasão que pode ser visto, talhado em pedra, a encimar o portão da Casa da Igreja, ou Solar dos Brandões, edifício do século XVIII que foi residência da família. Em 1947 foi cedida uma sala do Solar para a instalação do Museu Arqueológico da Citânia, e depois a autarquia comprou a casa e a quinta.

Na década de 1960 tive o meu primeiro contacto com a Citânia, que visitei demoradamente, e com o Museu Arqueológico onde adquiri brochuras que me informaram sobre a história daquele lugar arqueológico datado do I milénio AC. Desde logo a minha atenção recaiu sobre dois nomes ligados às escavações da Citânia: o Tenente-coronel Afonso do Paço e o Padre Eugénio Jalhay, os grandes impulsionadores da investigação arqueológica, responsáveis pelo retomar das escavações nas campanhas de 1944/45 (e nos anos 50) naquele lugar histórico situado no planalto da freguesia de Sanfins, na Cumieira (ou Cumeeira, de cume), que já tinha sido escavado pelos arqueólogos Francisco Martins Sarmento, José Leite de Vasconcelos e Félix Alves Pereira, em 1895.

Naturalmente interessei-me por saber mais sobre aqueles dois arqueólogos que redescobriram a Citânia e a mostraram ao mundo. O militar nasceu em Viana do Castelo em 1895, fez os seus estudos em Viana, em Braga e na Faculdade de Letras em Lisboa. Em 1917 foi incorporado no Exército e, um ano depois, em plena Primeira Guerra Mundial (que já estava perto do fim [1914-1918] mas ainda ninguém o sabia), tomou parte na célebre e trágica batalha de La Lys, travada a norte da fronteira Franco-Belga (onde se destacou o nosso soldado-herói Milhões [Aníbal Augusto Milhais], natural de Murça) no dia 9 de Abril de 1918, sob o comando do general Gomes da Costa. Com os soldados exaustos e em vésperas de serem rendidos por tropas inglesas, o Exército Português sofreu grande número de baixas, e Afonso do Paço foi aprisionado pelos alemães, tendo sido libertado em Dezembro de 1918. Só muitos anos depois desta libertação é que entra em cena a personalidade que nos interessa para estas crónicas: o padre Eugénio Jalhay.

(Continua)

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) OV

Citânia de Sanfins, Paços de Ferreira. Foto de Henrique Matos. Fonte: Wikipedia.
2 de Julho, 2021 João Monteiro

Pai Natal

Texto de João Joyce.

De todos os mitos existentes no mundo o mito do Pai Natal é discutivelmente o mais global e indiscutivelmente o mais importante.

O mito apresenta-se como uma excelente oportunidade para incentivar as crianças a desenvolverem a curiosidade, o pensamento crítico e a busca incessante pela verdade.

Como diz Dale McGowan no livro Parenting Beyond Belief:

“A nossa cultura construiu um mito ridículo e temporário paralelamente aos mitos ridículos e permanentes.”

A verdade é que não conheço nenhum adulto que acredite no Pai Natal e em renas voadoras independentemente de todos os anos de doutrinação. Isto sim, é um feito digno de ser celebrado!

Fica assim aqui a minha homenagem a este velho barbudo e sorridente que nos ensinou a desconfiar dos adultos, a não acreditar em histórias quando as evidências são insuficientes e a aceitar a realidade, por mais dolorosa que seja.

Um dia, quando um rosto familiar se vislumbrar por trás da barba de algodão, espero que o Gui sinta o orgulho da descoberta e a certeza de que a magia do mundo fantástico dos duendes não é tão maravilhosa como o Real Mundo fantástico em que vivemos.

Imagem de Xavier Turpain por Pixabay
30 de Junho, 2021 João Monteiro

Jeová

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Trevim.

Jeová é o nome português para referir Deus. Numa consulta à Wikipédia somos informados de que o termo é uma tentativa de tradução de um tetragrama (conjunto de quatro letras) hebraico, de leitura impossível: YHWH. Mas podendo ler-se como YAH. Seria esse o verdadeiro nome do deus de Israel que figura na Bíblia.

(Vem a propósito referir que os textos bíblicos misturam factos e personagens da História com narrativas fabuladas no intuito de contar a história dos Judeus afirmando-os o Povo eleito de Deus. Provavelmente a criação do Deus único foi um modo expedito que os Judeus [Israelitas] usaram para se imporem aos seus vizinhos egípcios, que não só eram poderosamente ricos, como também possuíam inúmeros deuses. Os israelitas, na sua realidade de pastores e comerciantes, não tinham nas suas sacolas de nómadas espaço para albergar tantos deuses. Um deus chegava-lhes. E mostraram a fibra do povo que eram, impondo aos egípcios um único Deus que seria estrondosamente mais importante do que todos os deuses do panteão do vizinho! Esta imposição está espectacularmente narrada no Velho Testamento contando as façanhas de Moisés na retirada do seu povo do Egipto… cuja acção é mitológica!… A História não a confirma).

Razões históricas levaram a que, através do tempo, a vocalização do nome de Deus se perdesse, pelo facto de ter sido evitada entre os séculos III e II a.C.. Não se negava, apenas, a pronunciação do nome de Deus, mas também a representação da sua figura, tal como acontece no Islão, que proíbe a figuração de Maomé. É possível ver referências muito diversas ao nome de Deus (embora próximas) como: YHVH, JHVH, IAVÉ, JAVÉ, YEHOVAH e YAHWEH.

João Ferreira Annes de Almeida, natural de Torre de Tavares (Mangualde), onde nasceu em 1628, foi o primeiro tradutor da Bíblia para a Língua Portuguesa, e nela usou o termo JEHOVAH, que considerou mais próximo do tetagrama impronunciável em hebraico, que se lê “Je-ho’vah” e que quer dizer “Eu Sou o que Sou”. No entanto, a controvérsia mantém-se entre os eruditos, havendo quem defenda o uso do termo JAVÉ. A origem do termo não tem uma explicação pacífica por haver várias correntes de opinião.

Aqui deixo uma das explicações para a sua origem, que eu tomo como muito interessante: as línguas Hebraica e Aramaica (duas das três línguas em que foram registados os textos bíblicos – a terceira é o Grego) não usavam vogais; só as consoantes. Logo, as vogais não tinham pronúncia.

Desse modo se construiu uma palavra impronunciável com as letras inexistentes: JEOVÁ, composta pelas cinco vogais, assim dispostas: I-E-O-U-A.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Imagem de James Chan por Pixabay