Loading

Etiqueta: Religião

7 de Novembro, 2022 João Monteiro

A Guerra

Texto de Onofre Varela, previamente publicado na Gazeta

Na Europa alastra uma guerra que na Ucrânia ensombra a vida de crianças, mulheres e homens, e de muita gente com idade avançada que mal consegue deslocar-se com a intenção de fugir à morte violenta, não sabendo como nem para onde ir, na expectativa de conservar a vida.

Para trás ficam ruínas de cidades com corpos mortos nas ruas como assinatura do Exército Russo apostado em cumprir as ordens do seu chefe supremo Vladimir Putin, na aniquilação de um povo e de um país. Exército que também comporta cerca de 10 mil (número anunciado pela imprensa) assassinos profissionais Chechenos, aos quais estão colados os adjectivos de sanguinários, cruéis e impiedosos.

A Igreja Católica tem como líder um homem com um carácter único, impossível de encontrar, sequer parecido, na colecção de Papas recentes. Francisco I (F1) tem demonstrado ser um homem comum, sem tiques de superioridade nem de figura cimeira, dispensando mordomias habitualmente concedidas a um Papa como se fosse um animal raro com o rótulo de “representante de Deus na Terra”.

F1 tem-se afadigado na tentativa de convencer os responsáveis pelo fazer da guerra a fazerem o contrário: a desfazê-la!…

“A guerra é sempre cruel e desumana” disse F1 em reacção às notícias do massacre de Bucha, e afirmou-se “disposto a fazer tudo o que puder” para que se ponha fim a esta guerra tão estúpida por todas as razões e mais uma: a de russos e ucranianos serem povos irmãos.

Considerou, até, viajar a Kiev ou encontrar-se no Médio Oriente com o líder da Igreja Ortodoxa Russa que tem relações de amizade com o ditador Vladimir Putin, candidato a imperador em tempo de não haver impérios.

No plano diplomático F1 está a tentar contribuir para o fim desta guerra ignóbil como são todas as guerras e cujos resultados são sempre a crueldade da morte impossível de se entender por quem defende a Paz. A realidade deste conflito, por se encontrar em variadas geografias diferentes das nossas, tem alicerces que se aprofundam em situações sociais, históricas e antropológicas muito diversas das que nos são familiares no Ocidente e que ditaram a nossa formação humanística.

Esta realidade faz com que o Papa e outros agentes políticos apostados no fim da guerra, tratem este conflito com pinças, evitando ferir sensibilidades tão irritáveis. Nesse sentido F1 já cancelou o seu esboçado encontro com o patriarca Ortodoxo Cirilo (acusado de ter ligações com a KGB durante boa parte do período soviético), o qual apoia a invasão Russa da Ucrânia!

O diálogo inter-religioso nunca foi fácil. E se pode ser compreensível a dificuldade encontrada no tratamento do tema entre credos com origens e filosofias diversas, como, por exemplo, entre Cristãos e Islâmicos extremistas, já se me afigura de difícil compreensão a discórdia sobre a “legitimação” da guerra entre dois credos Cristãos… pois, sendo Jesus Cristo o mesmo defensor da Paz e o veio-rotor de ambos os credos (Católico e Ortodoxo) na defesa da concórdia, da fraternidade e do amor concedido ao outro do mesmo modo que o desejamos para nós… resulta muito difícil compreender a tomada de posição a favor de Putin – invasor cruel da casa do vizinho – por parte do líder de um ramo do Cristianismo.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

25 de Outubro, 2022 João Monteiro

Honestidade papal

Texto de Onofre Varela

Em Janeiro de 1999 a cadeira de S. Pedro estava ocupada pelo Papa João Paulo II (JP2).

Em alguns dos seus discursos dirigidos ao mundo, eu sentia que o Papa usava de alguma honestidade intelectual.

Particularmente em dois deles, essa honestidade foi tão notória que não me parecia ser o discurso de um Papa tradicional… pelo menos não era habitual ouvir tais palavras saindo da boca de personagens com responsabilidades eclesiásticas.

Nesse dia, JP2, usando de honestidade intelectual, tentou pôr as coisas nos seus devidos lugares colocando a crença numa prateleira própria, mas com vasos comunicantes com a prateleira da Ciência.

Disse ele que o céu não é um lugar paradisíaco situado algures para lá das nuvens, mas que é, isso sim, uma boa relação psicológica com (a ideia de) Deus; e que o inferno é a total ausência dessa relação.

Foi um discurso que por me parecer autêntico eu aplaudi, e que vinha na sequência de um outro onde JP2 afirmara que “Deus não é um velho com barba”, mas sim “uma relação psicológica com a ideia da divindade”. Totalmente certo!

Finalmente eu ouvia um discurso sério saído da boca de um Papa!…

Recordo que fazia uma viagem de automóvel quando ouvi estas afirmações de JP2 num bloco noticioso da rádio e, entusiasmado com a honestidade do Papa, esperei por notícias bombásticas nos jornais do dia seguinte… mas nada aconteceu!

Nesse dia havia um qualquer jogo de futebol entre duas equipas consideradas importantes, num qualquer campeonato também importantíssimo para a tribo do futebol, e a imprensa deu destaque ao jogo da bola em todos os dias da semana, esquecendo o discurso do Papa! É sempre assim… as coisas verdadeiramente importantes para o pensamento, são atropeladas pelas notícias futebolísticas que os responsáveis pela informação jornalística colocam em nível superior, exaltando-as, dando-as a comer aos consumidores ávidos do supérfluo, esquecendo o que realmente é importante (ou devia ser) para o intelecto de qualquer cidadão.

O jornal Público foi o único diário nacional que noticiou o discurso do Papa, mas com pouca visibilidade. Acabei por me informar mais e melhor na imprensa espanhola, pela qual também fiquei a saber que os padres Dominicanos se apressaram a divulgar diversa leitura do discurso papal, reafirmando as tradicionais imagens do céu paradisíaco, do inferno medonho e tenebroso, e da figura de Deus com barba alva, tal e qual como foi pintado pelos artistas da Idade Média e da Renascença.

E quando Ratzinger assumiu o seu papel de Papa no teatro da Santa Sé, tratou de oficializar as tradicionais imagens de fé medievais e despediu o director do Observatório Astronómico do Vaticano, alegadamente por ter apoiado JP2 na recuperação da memória de Galileu Galilei na onda de perdões que varreu a Igreja Católica em 2000, o ano do seu jubileu.

Para Ratzinger, Galileu não é recuperável… e cá para mim, Ratzinger (todos os “Ratzingeres” deste mundo e da Igreja) não têm recuperação possível!

O trono do Vaticano, abandonado por Ratzinger que resignou ao cargo, foi ocupado por Mário Bergoglio (Francisco I) em Março de 2013, que se mostrou um homem mais cordato, mais humano, mais atento às realidades, olhando o mundo tal como ele se apresenta na realidade, sem o enfeitar com as vestes místicas como muitos sacerdotes afirmam ser.

A honestidade intelectual é o que se espera de quem exerce cargos tão importantes para o mundo, como se reconhece serem os políticos com responsabilidades de governação… e o Papa, por ser o monarca de uma igreja com tantos aderentes.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

28 de Julho, 2022 João Monteiro

Fé e senso comum

Texto da autoria de Onofre Varela

Se o meu discurso for lido com radicalismo, dir-se-á que sou inimigo da fé e da crença. Não o sou, nem valeria a pena sê-lo… a crença é um acto intelectual, faz parte do cérebro que possuímos e só somos crentes porque pensamos (e também somos ateus por isso mesmo!). Negar a crença seria tão estúpido como negar a importância do oxigénio para a manutenção da vida. 

Eu não tenho nada contra a crença e a fé. O que eu tenho é tudo contra o aproveitamento malicioso da fé (o que é coisa bem diferente) quando os crentes são assim mantidos com propósitos muitas vezes inconfessáveis… e que em alguns casos até pode constituir crime (os vigaristas aproveitam-se da “boa fé” de cada um… a IURD também!…). 

Perante os discursos de fé de qualquer religião ou seita, o bom senso aconselha duas atitudes: ou não lhe damos ouvidos, ou ouvimo-los como narrativas de fé aparentadas às fábulas. As fábulas têm importância e um lugar cativo no plano dos interesses intelectuais e culturais, mas não alcançam o valor que damos à realidade que a História conta e documenta… nem à Ciência, que estuda e comprova mediante experimentação e método. As fábulas são outra coisa! Cada matéria tem a sua prateleira própria e não se mistura com outras que lhe são estranhas. Fé, é apenas fé!… Cada um tem direito e legitimidade de ter fé no que quiser, e de cumprir os rituais que entender serem merecidos aos seus santos ou outras entidades que considere sagradas pela sua fé. 

A minha crítica ultrapassa a fé de cada um, para ir às causas que a constrói, alimenta e conduz à exploração das vítimas das várias formas de fé e de crenças, sempre em benefício de alguém… mas nunca do crente… embora ele creia que sim; por isso é crente!… O crente alimenta-se da fé que lhe dão para consumir, e há agentes da fé que usam uma linguagem beata e infantil como que se quem os ouve não tenha um raciocínio amadurecido e seja incapaz de interpretar o discurso. E também há quem alimente um fanatismo extremado e violento. Nenhum deles merece a minha consideração pela falta de racionalidade, humildade e humanidade que sobressai dos seus discursos e que sublinha as suas atitudes. Salvam-se “os outros”, aqueles que creem (ou não creem) com a racionalidade que a inteligência lhes confere, e interrogam-se. Por isso não se radicalizam. Podem ser crentes mas não engolem, sem mastigar muito bem, tudo quanto o guru lhe quer dar a comer. Muitos dos meus amigos e amigas crentes pertencem a este saudável grupo. 

O nosso Povo é católico e na sua generalidade é bom, hospitaleiro, pacífico e respeitador. Penso que estas características têm muito da educação cristã que recebemos desde o berço. O Cristianismo, na sua essência – expurgado do mito que lhe dá forma enquanto Religião teísta – tem positividade porque é universalista no respeito devido ao outro. E esta característica aproxima-o do Ateísmo… mesmo que católicos, e outros cristãos, se sintam escandalizados com tal aproximação. Retirando-lhe o nascimento divino, os milagres e a ressurreição, tudo quanto sobra é Ateísmo puro… e talvez, até, Comunismo!… 

A diversidade de sensibilidades faz com que haja quem repudie tudo quanto tresande a Igreja, e quem fuja de tudo quanto cheire a Ateísmo! Parece não haver meio termo… e todos nós sabemos, pelos adágios sapientais dos nossos ancestrais avós, que… “no meio é que está a virtude”. Virtude que é, tão só, a capacidade de criar diálogo, impedindo imposições, extremismos, zangas e ódios!… 

Porém não se deve pintar o discurso da virtude com um cinzentismo inócuo! Afinal, a virtude é o senso-comum… sendo que este nem sempre é verdadeiro, e nem tudo quanto o contradiz será falso! Não se pode confundir senso-comum com Razão: há verdades certíssimas e comprováveis (como o movimento da Terra à volta do Sol) em contra-ponto com preconceitos de fé que nem por estarem muito espalhados e façam parte do senso-comum de uma época ou elite, deixarão de ser erróneos (como acontecia com a defesa que a Igreja fazia da ideia de o Sol rodar à volta da Terra). Estes exemplos também querem dizer que o senso-comum é adquirido e cada tempo e sociedade tem o seu. E quando se trata do estudo científico, aquilo que faz o senso-comum pode, até, ser um empecilho ao estudo quando não se considera que a verdade procurada possa estar para lá do que o senso-comum delimita. Perguntem a Galileu!… 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

23 de Junho, 2022 João Monteiro

Debate: Religião no Século XXI

João Monteiro, presidente da Associação Ateísta Portuguesa, participou num debate com Luísa Jacinto, que representou o Movimento Católico de Estudantes. A moderação esteve a cargo de João Mendes, da Escola Superior de Comunicação Social, onde teve lugar o debate. A conversa pode ser ouvida aqui.

18 de Março, 2022 João Monteiro

“Nossa Senhora de Fátima” já está na Ucrânia

No dia 12 de Março deste ano, os jornais informavam que o Santuário de Fátima iria enviar uma estátua da Virgem Peregrina para a Ucrânia. A motivação terá estado num pedido do arcebispo local Ihor Vozniak, com o intuito de alcançar a paz pela oração.

Está então encontrada a resolução para o conflito: qual resistência do povo ucraniano contra os invasores, quais negociações, quais intervenções políticas – afinal bastava parar e rezar.

Os crentes poderão argumentar que não devemos escarnecer desta estátua com supostos poderes milagrosos, pois a mesma será a personificação da “verdadeira Nossa Senhora”. E, de facto, esta estátua que foi para a Ucrânia não é uma estátua qualquer: é a réplica nº13 (a original continua em Portugal).

A mesma chegou ontem à Ucrânia (17 de Março) e aí ficará durante um mês. Se a paz for alcançada, e nós queremos que seja, a Igreja irá fazer dessa situação um aproveitamento atribuindo a responsabilidade à presença da estátua, mesmo que a causa verdadeira tenha sido a intervenção política ucraniana e internacional.

Acho incrível a capacidade de acreditar que um pedaço de madeira/barro/plástico que constitui a estátua possa parar uma guerra. Mais incrível quando se sabe que se trata de uma réplica e não da estátua original!

Além disso, porquê desejar uma estátua portuguesa e não utilizar uma estátua de uma santa ou santo local? Para quê levar uma estátua a viajar entre países, quando a própria Virgem poderia aparecer diretamente ao vivo no local? (a resposta a esta é fácil, porque a dita Virgem não existe e por isso nunca apareceu presencialmente).

A crença, frequentemente, é irracional. Mas para continuar a acreditar é necessário atribuir uma virtude que compense essa irracionalidade: a fé é essa virtude. É elogiado o que tem fé e criticado publicamente quem não a tem. Aí está o reforço psicológico para continuar a acreditar.

É claro que compreendo que a nível emocional, e ainda para mais num contexto desesperante como este, de uma guerra, as pessoas precisem de algo que lhes dê animo – e portanto, diriam alguns, está aí a função da religião. Porém, condeno o recurso à crença e à superstição para dar esse ânimo, porque é uma falsa esperança, um apoio frágil e enganador, enfim, é uma atitude paternalista. O ânimo deve ser dado por aquilo que realmente existe: as pessoas e a capacidade de mudança por intervenção do coletivo.

19 de Novembro, 2021 João Monteiro

Livro: “Roma, temos um problema”

A propósito do texto publicado ontem aqui no blogue, e dada a atualidade do tema, parece-nos pertinente sugerir a leitura do livro “Roma, temos um problema”, sobre a história dos abusos sexuais de menores (e não só) no seio da Igreja e como a instituição lidou com esses acontecimentos ao longo do tempo. O livro foi recentemente publicado pela editora Tinta da China.

A SIC Notícias abordou esse tema no seu website, e a reportagem pode ser lida aqui.

10 de Março, 2016 Carlos Esperança

As escolhas de Marcelo

Depois de um brilhante discurso de posse, na forma e na substância, a mostrar a fibra do estadista e a marcar contraste com o antecessor, na cultura, inteligência e grandeza, quis homenageá-lo com uma venera cuja pressa se pode perceber, para o afastar.

Apesar de comum aos anteriores chefes de Estado livremente eleitos, não é protocolar a imposição e, no caso de Cavaco, a Ordem da Liberdade (Grande Colar) foi inadequada a quem não levantou a mais leve suspeita ou o menor indício de afeto pelo valor que dá o nome à condecoração, antes e depois de Abril. Não havia necessidade!! Havia a Ordem Militar de Cristo (Militar Antiga) e a Ordem do Infante D. Henrique (Nacional).

No mesmo dia juntou inúmeras religiões na mesquita de Lisboa, num apelo ao “espírito ecuménico”, como se num Estado laico a promíscua e hipócrita reunião de religiões que se combatem, pusesse fim ao proselitismo que as devora e nos consome.

Soube-se depois que as suas primeiras visitas de Estado são respetivamente ao Vaticano e a Espanha, uma teocracia e uma monarquia, duas exóticas e anacrónicas formas de Estado, ambos com chefes vitalícios, o primeiro sem direito a sucessão e o segundo com ela assegurada pelo mais tradicional e popular método de reprodução. Salva-o o facto de aviar os dois no mesmo dia, mas, a esta velocidade, dá a volta ao mundo no primeiro ano de mandato.

No primeiro balanço pode dizer-se que o discurso esteve à altura das expectativas, mas as primeiras decisões lançaram a perplexidade sobre as intenções que o movem. Pode acontecer que, à semelhança do que fez a Cavaco, seja uma forma de se desobrigar dos únicos estados que foram criados por fascistas, respetivamente Mussolini e Francisco Franco.

Não tendo sido seu apoiante, considerá-lo-ei meu presidente, enquanto respeitar a CRP e honrar a República.

23 de Fevereiro, 2012 João Vasco Gama

Ricardo Araújo Pereira e a questão de Deus

Por serem divagações divertidas, mas também interessantes e profundas, partilho com os leitores estas palavras de Ricardo Araújo Pereira sobre religião, morte e humor:

Não concordo com tudo, mas aconselho sem reservas.

9 de Agosto, 2011 José Moreira

Humor de Verão – O “livre-arbítrio”

Quando acontece uma catástrofe natural – um violento e mortífero terramoto, por exemplo – é vulgar que alguns ateus, algumas vezes em jeito de provocação, perguntem aos crentes: “onde está o seu Deus?” tentando, dessa forma, argumentar que se Deus existisse e amasse os chamados “seus filhos”, certamente não permitiria que eles morressem daquela forma. As contra-argumentações dos crentes podem variar de estilo, mas a ideia permanece: Deus não interfere com o que se passa na Terra, pois deu-nos o “livre-arbítrio”, embora não se consiga perceber o que tem o “livre-arbítrio” a ver com os terramotos. Alguns crentes, mais evoluídos e mais cultos, asseguram que os terramotos são causados pela extracção de petróleo, o que é aceitável, porque esta coisa de mexer nas entranhas da terra há-de ter os seus custos. O que me leva a ter inveja de quem viveu até 1846, data em que foi instalado o primeiro poço de petróleo moderno. Mas também me leva a suspeitar de que em 1755 já alguém andava a escarafunchar o planeta… Mas não vamos por aí…
A maioria dos crentes entende que o “livre-arbítrio” é a faculdade de escolhermos entre o Bem e o Mal. É uma visão convenientemente redutora, mas não é verdadeira. O livre-arbítrio é, segundo o Dicionário da Porto-Editora, “o poder de escolher ou não escolher um acto ou uma atitude, quando não temos razão para nos inclinarmos mais para um lado do que para o outro.” Por outras palavras, é o poder de decidirmos o que nos der na real gana.
Se perguntarmos a um ateu e a um crente aonde é que vão passar férias no próximo ano, as respostas, diferentes e prováveis, serão: Ateu – “ainda não decidi”; “estou a hesitar entre as Seychelles e a Costa da Caparica”; “depende das «massas» ”. Crente – “Deus sabe se lá chegarei”; “sei lá, Deus é que sabe”; “olhe, vou para onde Deus quiser”. Ou seja: quem, verdadeiramente, tem o “livre-arbítrio” é o ateu, e não o crente. Porque o crente pensará, sempre, que a sua decisão dependerá, inevitavelmente, da vontade de Deus; enquanto o ateu estará, quando muito, dependente do dinheiro, da concordância da sogra, ou de outros percalços perfeitamente terrenos e, quase sempre resolúveis. Mas sempre com hipóteses alternativas, que o ateu pode escolher a seu bel-prazer.
De acordo com as crenças religiosas, Deus sabe tudo. Ou seja, também sabe aonde o crente vai passar as férias no próximo ano. O crente ainda não sabe, mas “Deus é que sabe”. Ou seja: o crente pode correr e saltar, que tudo o que fizer para passar as férias – pedir dinheiro emprestado, consultar mapas, escolher a roupa para levar – vai conduzi-lo, inevitavelmente… ao lugar que “Deus é que sabe”. Porque é para aí que vai, queira ou não, e por muito que pense que planeou sozinho. Ele apenas se limitou a cumprir os “desígnios de Deus”.
Livre-arbítrio, isto?