Loading
  • 23 de Dezembro, 2012
  • Por Carlos Esperança
  • Ateísmo

Dízimo, logo há dinheiro

Por

Kavkaz

Entregar o dízimo é uma expressão utilizada para convencer os crentes a financiarem, manterem e enriquecerem as organizações religiosas. O dízimo corresponderá ao valor de 10 % do produto ou receita obtida pelos fiéis e tem a sua origem teórica ou teológica no Antigo Testamento, no Gênesis: “E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo” (Gên 14, 20). Já no livro Deuteronómio o dízimo aparece como uma ordem a cumprir pelos crentes. Em De 14, 22-29 e De 26, 12 o dízimo é um imposto a ser pago para os fiéis beneficiarem da boa disposição dos “pastores”.

No Novo Testamento a ideia do dízimo já é o da criação de um fundo colectivo de modo comunista: os crentes vendiam tudo o que possuíam (100 %) e entregavam a receita aos pés (veja-se a deferência) dos apóstolos (At 2, 44-45 e At 4, 34-35). Quem não entregasse aos apóstolos 100 % de tudo o que tinha vendido era admoestado publicamente e perseguido até morrer de vergonha (At 5, 3-10).

As religiões cobram sempre dinheiro ou produtos e serviços aos seus fiéis para a manutenção e enriquecimento dos grupos religiosos. Tentam transmitir a ideia de que o pagamento dos dízimo será uma vontade expressa dos deuses. Conseguirão, assim, a multiplicação dos imóveis e terrenos que as organizações religiosas possuem, o pagamento dos salários e reformas aos funcionários, formação, despesas de habitação, água, luz e telefone, etc. Há muitos interesses onde podem gastar e aplicar o dinheiro dos crentes. Por vezes utilizam parte desse dinheiro para ajudar pessoas com dificuldades económicas e fazem disso publicidade para obterem respeito e aceitação da comunidade envolvente.

O dízimo não é sempre o valor fixo sobre os rendimentos dos crentes. Há grupos religiosos que aplicam o imposto de 10 %. Há outros que, tendo em conta as dificuldades dos crentes em pagar tal valor elevado, acabam por ser mais flexíveis e pedem aos crentes para serem eles próprios tão generosos quanto possam nas sua dádivas aos pastores. O crente tem a ideia de que em troca do dízimo receberá a vida eterna. O dízimo é pagamento adiantado. A contrapartida feliz será recebida depois dele morrer. Entretanto, ficará mais pobre!

Quem recebe o dízimo dos crentes é que já pode ter uma vida feliz e rica ainda antes de morrer. As organizações religiosas possuem ao seu dispor grandes riquezas sem muito esforço, nem grandes canseiras ou sobressaltos. São terrenos, imóveis, obras de arte, ouro, jóias, valores enormíssimos de dinheiro. Subtraem-se, sempre que podem, ao pagamento de impostos ao Estado sobre as fortunas que possuem.

Os crentes já têm de pagar impostos ao Estado e que podem ser bem superiores aos 10 % dos seus rendimentos. Mas têm contrapartidas que usufruem. Obtêm serviços de educação, saúde, constroem-lhes estradas, pontes, têm empresas públicas diversas para os servir. Já as religiões constroem-lhe ilusões e prometem aos crentes o céu depois deles serem enterrados.