Loading

Categoria: Ateísmo

2 de Dezembro, 2022 João Monteiro

Vida depois da morte

Texto de Onofre Varela, previamente publicado no jornal Alto Minho.

Perante a irremediável morte, há religiões que afirmam haver um julgamento divino além-túmulo onde serão analisadas as escolhas dos fiéis, mais os actos que protagonizaram em vida. De acordo com tal julgamento, as alminhas dos defuntos sofrerão suplícios infernais se os seus pecados passarem das marcas, ou gozarão infinitamente as delícias celestiais, se houverem tido uma vida de santo (não se percebendo como é que a alma sofre ou goza abundantemente, se não tem sistema nervoso!…). 

Para os muçulmanos ainda se reserva (ao que consta nos corredores da vida) um punhado de virgens lindas de morrer para aqueles que se fizerem explodir num mercado cheio de gente. Não consta que as mulheres-mártires que escolham o mesmo fim para “honrarem” o Islão, encontrem no além uns rapazinhos viçosos para bacanal celeste! O prémio sexual pós-morten é reservado aos machos, o que sublinha a atitude machista e quase pornográfica dos árabes que vêem a mulher, apenas, como objecto sexual. (Só os árabes?!…). 

As descrições religiosas que aliam o inferno ao fogo e o céu a um jardim, são – segundo os mais esclarecidos – imagens metafóricas. Serão “similitudes”, e não passam desse estatuto, pois a “verdadeira natureza do paraíso e do inferno é conhecida apenas por Deus” (dizem!…). E os tais fiéis “mais esclarecidos” só “sabem” que é assim, porque foram eles próprios que inventaram “os desígnios de Deus”, o seu conceito e o seu “conhecimento”!… 

De qualquer modo, todas as religiões que defendem a existência de uma vida além-túmulo aceitam por verdadeira a premissa de a morte não ser o fim da vida, mas sim um portal que dá entrada numa outra forma de viver… e com a crueldade de ser eterna! E quem acredita nisto não faz a mínima ideia de como seja tal coisa nem como se processa essa forma de vida etérea. Para o crente basta-lhe crer; por isso é crente!… E crê que a vida além-túmulo é “conhecida por Deus”. Isso basta-lhe para afirmar a sua veracidade! Esta crença é o exemplo perfeito da dispensa do raciocínio que caracteriza os bons crentes. 

Pelo exposto se conclui que se todos nós fossemos exemplos religiosos e cumpríssemos as leis de Deus em qualquer das suas versões, por intermédio de Jeová, de Jesus ou de Maomé, as esquadras de polícia e os tribunais fechavam as portas por falência, pois não havendo prevaricadores, os seus serviços não se justificariam e eram dispensados… o que se traduziria em poupança milionária no Orçamento Geral do Estado… embora pudesse haver, nas elites religiosas, uma corja de exploradores e opressores das bases, eternamente impunes. 

Não tenho dúvida alguma de que muitos religiosos são animados de uma bondosa intenção quando prognosticam um mundo de perfeição baseado em conceitos deíficos. O problema está em que nunca actuamos de acordo com tão perfeito regulamento (nem os propagandistas religiosos o fazem!) para conseguirmos atingir uma sociedade tão imaculada. E não o fazemos, simplesmente, porque tais premissas religiosas fundamentam-se em mitos, lendas e fantasias inconcretizáveis; e as sociedades são construídas com realidades políticas, sociais e económicas. A diferença é só essa… e é do tamanho do mundo.

OV

Imagem de 0fjd125gk87 por Pixabay
30 de Novembro, 2022 João Monteiro

Sobre o Mito

Texto de Onofre Varela, previamente publicado no semanário Alto Minho.

O mito é uma narrativa antiga e oral que pretende explicar os grandes enigmas da vida e do mundo. Por ser oral não há registo escrito das suas origens, o que quer dizer que as narrativas mitológicas que nos chegaram através da escrita podem divergir dos relatos orais que as originaram.

O poeta latino Estácio, disse: “Primus in orbe deos fecit timor” (Foi o temor o primeiro a criar os deuses na Terra). Nesta breve frase do poeta está contida a verdadeira razão que levou o Homem a criar e a cultuar deuses (Deus). O temor que sentimos no simples e natural acto de viver deve-se ao facto de a vida estar armadilhada. Primeiro (no tempo dos nossos avós inventores de mitos) estava armadilhada pelas forças da Natureza que nos complicava a vida em tempo de grandes borrascas, e depois por interesses das camadas sociais que nos oprimem e comandam: primeiro a Igreja, desde a Alta Idade Média (como sucessora das sociedades mais primitivas, como a Suméria e a Egípcia, cujos sacerdotes eram, também, os chefes políticos) e a Economia desde sempre, mormente agora, nesta sociedade do início do século XXI, dirigida por economistas asselvajados e escravizadores, submetidos aos interesses da Alta Finança que, para nossa desgraça, comanda a Política minando o caminho de cada um de nós. As opressões políticas, sociais e económicas são os responsáveis pelo desenho do temor que ainda hoje nos limita o sentido religioso e alimenta a necessidade de se acorrer ao divino como bálsamo de mentes inquietas. É por essa razão que o recinto de Fátima enche a cada 13 de Maio.

A invenção dos deuses deve ter partido de algum sentido prático, porque o Homem só cria aquilo de que necessita, e o conceito dos deuses (de Deus) serviu o Homem sossegando-lhe o espírito na crença, perante tantas vicissitudes que o acto de viver comporta. Na antiguidade os deuses eram ferramentas apaziguadoras, e funcionavam ao nível das nossas modernas enciclopédias, por explicarem o que pedia explicação. Explicação que não o era, de facto, já que o conceito de Deus opera ao nível da crença e não ao nível do conhecimento, mas que resolvia o que havia para resolver, num tempo em que os níveis de exigência não se colocavam do modo como passaram a colocar-se após o Homem ter consciência do que é “saber”, separando-o daquilo que é “crer”.

Provavelmente os mitos foram criados porque os homens adoram contar estórias, gostam de se identificar com elas, e alguns mitos gregos são relatos alegóricos de antigos acontecimentos históricos. Entre as razões que levaram à criação de mitos, há algumas perfeitamente entendíveis neste nosso tempo de informação instantânea e frenética: Os mitos explicam fenómenos naturais, como o nascimento e a morte; ajudam a manter a união num clã, numa tribo ou numa nação; dão exemplos comportamentais; justificam estruturas sociais; registam acontecimentos históricos das primeiras civilizações, e servem os poderosos para controlarem o Povo através do medo ao castigo divino. 

Ontem, como hoje.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

28 de Novembro, 2022 João Monteiro

Somos assim… e eu sou ateu-cristão!

Texto de Onofre Varela, previamente publicado na Gazeta.

No tempo em que a nossa espécie vivia em pequenas hordas, todos obedeciam à autoridade de um chefe, provavelmente o elemento macho mais velho, ou mais forte, do grupo que se submetia a um regime patriarcal. A autoridade familiar era ditada pelo pai e exercida por impulsos de várias ordens: de alimento, de luta e de sexo. Todo este poder do patriarca era exercido com prazer, e as mulheres da tribo pertenciam-lhe. 

O correr do tempo fez funcionar a nossa parte mais racional que nos conduziu à civilidade, à moral e à Arte. No mesmo embrulho do raciocínio há um outro valor do pensamento: a Religião. Seria o sentimento maior que aglutinava todos os outros, limando a animalidade pura e simples, ditada pela nossa condição de antropoides e predadores, usando a ética que nos transformou em pessoas.

Talvez possamos dizer que a Religião (ou o conceito filosófico da ética nela acoplada), embora sendo uma ilusão, teria sido o elemento responsável pelo travão que parou o “animal” para dar passagem à “pessoa”. O Homem actual é o resultado de toda esta História construída no decorrer de centenas de milhar de anos. Desde há muito que o estágio da nossa evolução nos faz entender a ilusão que a Religião é, mais o seu efeito anestesiante nos momentos em que precisamos de nos abandonar nos braços da mãe que podemos já não ter mas que, para uma imensa maioria, o conceito de Deus substitui.

Desta necessidade primeira que deu corpo à nossa sensibilidade, ferramenta com a qual construímos a civilização e a ética, também acabou por surgir o negócio do credo em forma organizada, seja por igrejas ou seitas que exploram as mentes mais dadas à crença e ao temor da divindade (exploração que. historicamente, começou por ser política: os sacerdotes eram, também, os chefes políticos dos povos que lideravam). De todas elas (igrejas ou seitas) temos que nos precaver, ficando atentos aos seus discursos, interesses e intenções, que podem não ser coisa boa… ou não tão boa como à primeira vista pode parecer e nos querem fazer crer!… 

Não devemos entregar, cegamente, o nosso raciocínio à ideia de um deus redentor e salvador, abandonando a Razão filosófica que devemos possuir como bitola padronizadora das nossas reacções, do nosso raciocínio e dos nossos actos. 

Comparando Religião e Futebol, ambos são cóios de interesses na exploração das mentes mais débeis. Se o futebol alguma vez foi exemplo de ética, deixou de o ser quando se transformou em indústria mafiosa. Também existe uma indústria da fé, não porque “salva” pessoas, mas porque dá lucro material e poder social aos seus líderes. 

Sejamos críticos da ideia do divino e estejamos atentos ao que nos querem vender como “Única Verdade”. Se é verdade haver um mercado da fé que faz o seu caminho na ajuda do outro, não é menos verdadeiro estar ele enxameado de parasitas, dos quais nos devemos separar como se separa o trigo do joio. 

Por tudo isto, e mercê do ambiente em que fui educado (porque ninguém foge às suas origens) e da consciência que tenho do meu modo de ser, me considero (e sou-o, naturalmente, mesmo que não me considerasse) um “ateu-cristão”. Isto é, um ateu de raiz (educação) cristã. Se eu tivesse nascido num país islâmico e continuasse a ser ateu, seria um “ateu-muçulmano”… se me permitissem afirmar-me ateu!… Pois há países muçulmanos onde um ateu confesso não tardará a ser cadáver! 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

25 de Novembro, 2022 João Monteiro

Deus, hoje.

Texto de autoria de Onofre Varela, previamente publicado no semanário Alto Minho.

Os avanços adquiridos pelas ciências, mais o nosso próprio entendimento das coisas conseguido pelas transformações sociais que a todos afectam, promovem conhecimento que se reflecte no nosso saber e induz comportamentos. O fácil acesso que temos à informação não permite a leviandade de dizermos desconhecer qualquer assunto. Admite-se que não aprofundemos matérias que não nos interessam, mas não se aceita que, interessando, as desconheçamos mais do que o aceitável.

Neste âmbito encontra-se o conceito de Deus, ainda tão presente nas nossas mentes, mas que, hoje, já não pode (não deve) ser considerado do mesmo modo, nem com a mesma importância social, como o era na Idade Média. Está claro que há sempre, no mínimo, dois modos de se entender Deus: o do crente e o do curioso. O crente perdeu a curiosidade que conduz ao interesse de saber; o crente “não sabe”… apenas crê. E crer não é saber. Por mais que eu creia que o comboio parte ao meio-dia, eu vou perdê-lo se não souber que ele parte às nove horas (se não houver greve!…).

Em tudo, na vida, é muito mais importante saber-se do que crer-se.

O filósofo italiano Gianni Vattimo diz que “chega um momento em que [as religiões] já não são necessárias. E esse momento é a nossa época, porque, como pode ver-se em muitos aspectos da vida actual, as religiões já não contribuem para uma existência humana pacífica nem representam um meio de salvação. A Religião acaba por ser um poderoso factor de conflito em momentos de intercâmbio intenso entre mundos culturais diferentes” (*).

O sentido religioso não está morto, nem morrerá jamais, porque está intrinsecamente ligado ao funcionamento do cérebro humano, pois o Homem é um ser religioso por excelência. Mas a morte de Deus – vaticinada por Nietzche – é factível e pode considerar-se, já, nesta realidade actual: “O que está morto, num sentido mais profundo, são as religiões morais como garantia da ordem racional do mundo”, como diz o filósofo citado.

Hoje, o valor da prática de uma qualquer religião, é nulo. E só consegue alguma função ao nível da psicologia, que é o ramo científico a que pertencem os complexos sistemas de crenças, estudadas também por antropólogos. As sociedades ainda estão formatadas para submeterem os povos à ideia do divino. Desformatá-las desse modelo social não é tarefa fácil nem é coisa que se consiga em poucas gerações. Os cultos religiosos ainda são operantes porque há uma sedimentação do pensamento divino nos cérebros da maioria de nós, alimentado pelo nosso medo, o qual serve os interesses de uma classe clerical e outras classes opressoras, que deitam mãos a todos os medos medievais que ainda tolhem os crentes e tementes à figura mitológica de “Deus Nosso Senhor”… 

É urgente libertarmo-nos desses arcaicos medos. Já nos basta o medo que temos ao futuro por via do “Deus-Dinheiro” que alimenta sistemas económicos que nos oprimem e exploram, e que são muito mais reais… e também nos basta a existência de loucos que fazem a guerra para, criminosamente, alimentarem sonhos de expansão só sonhados por mentes profundamente doentes a quem é permitido governar e comandar sociedades e exércitos!… O que só demonstra o nosso profundo primitivismo.

(*) – Gianni Vattimo, filósofo e político italiano, no artigo de opinião: É a Religião inimiga da Civilização? Jornal El País, 1/3/2009.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Imagem de Dim Hou por Pixabay
18 de Novembro, 2022 João Monteiro

“Homens de pouca fé”

Texto de Onofre Varela, previamente publicado no semanário Alto Minho.

O título desta crónica refere uma frase muito usada nas religiões cristãs, é atribuída a Jesus Cristo e repetida várias vezes no Novo Testamento (Mateus 6:30, 8;26, 14;31, 16;8 e Lucas 12;28). Também é referida nas conversas de religiosos em várias circunstâncias; e o fundamentalista, fascista e católico espanhol Escrivá de Balaguer, inventor da Opus Dei, usou-a para intimidar os crentes e criar uma elite social, económica e política. 

Os ateus, enquanto gente sem fé na divindade, não pretendem promover, já, agora e aqui, o enterramento da crença em Deus. Ninguém tem essa intenção, até porque nem tal coisa é possível porque são bem profundas as raízes do divino na estrutura da nossa mente. A religiosidade é intrínseca ao ser humano, e foi essa a razão que conduziu o nosso raciocínio à criação de deuses. 

O Homem só criou deuses porque sentiu necessidade deles… nós só criamos aquilo de que necessitamos. Se criamos divindades foi porque precisamos delas… e contra isto, batatas!… Depois criamos o “Deus único” à “nossa imagem e semelhança”… porque somos importantes!… 

É curioso constatar que o Deus único foi criado pelos Hebreus, povo do deserto, porque nas suas sacolas de nómadas não cabiam tantos deuses, nem tinham terra onde pudessem erigir tantos templos, como tinham os seus vizinhos egípcios sedentários. Os nómadas são gente prática pela constante movimentação a que se obrigam, e um único Deus resolvia os seus problemas de religiosidade e fé! 

Esta certeza fatal (a de o Homem só criar aquilo de que precisa) arruma qualquer discussão que pretenda destruir o sentimento da crença em Deus, porque a religiosidade é um atributo do nosso cérebro que tem características únicas entre todas as formas de vida que animam o planeta. 

A figura abstracta de Deus é produto de uma inteligência superior, e contra isto não se deve lutar irracionalmente… mas é sempre possível alertar os espíritos religiosos para a verdade da invenção de Deus, cujo conceito criamos. Não há qualquer realidade divina fora da nossa mente. 

O conceito de Deus sempre foi aproveitado pelos vários poderes na exploração do sentimento da religiosidade que, naturalmente, existe no cérebro de todos nós. Quanto mais frágil for o raciocínio de cada um, tanto mais fácil será a exploração da nossa crença e da nossa fé por quem faz da Religião modo de vida e dela tira muito mais do que o seu sustento diário: também retira as mordomias sociais em várias escalas, até à exploração abusiva! 

Basta olharmos a nossa História Medieval e vermos o poder da Igreja no controle que fazia da mente dos povos crentes e tementes à ira divina… a nossa submissão aos crimes da Igreja Católica no tempo da Inquisição, quando o Povo definhava e o Clero e a Nobreza viviam na opulência. 

Se olharmos para a América Latina com olhos críticos, podemos confirmar, ainda hoje, que quanto mais religiosos forem os povos, mais explorados são pelos diversos poderes que vivem à custa das várias pobrezas: a intelectual, a social e todas as outras. 

Se lançarmos o nosso olhar para os países do norte da Europa, com elevada percentagem de agnósticos e ateus, concluímos que o estatuto social de cada um é mais elevado, porque se alicerçam num nível superior de raciocínio, não se submetendo à divindade do modo como se submetem os latinos. 

A “sopa dos pobres”, infelizmente tão usada entre nós (digo “infelizmente”… por, socialmente, ainda ser necessária), e a pedincha pública por organizações que vivem da caridade, são factos sociais que só se radicam entre os povos explorados pelos donos do dinheiro, e têm o apoio de governos miseráveis que permitem a manutenção deste estado das coisas, submetendo-se (e submetendo-nos) a interesses económicos de uma minoria que nos explora.

Só se pode almejar um nível social de superior qualidade se se promover a excelência do raciocínio e da formação dos cidadãos, processo que começa nos bancos da escola. E isso obriga a uma prática educativa e social de gerações, promovida por políticos honestos e verdadeiramente interessados no futuro de toda a gente (e não no deles próprios)… o que, entre nós… ainda é mito… tal como a ideia de Deus… 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

Imagem de talpeanu por Pixabay
29 de Julho, 2022 João Monteiro

Guerra interna no Vaticano

Texto de Onofre Varela

Aquilo lá pelo Vaticano, sede da empresa religiosa e multinacional Igreja Católica, não anda lá muito católico!… As coisas não correm bem… e o Papa Francisco I, que pretende dar um banho de humanidade, moralidade e modernidade à Santa Sé, encontra-se cercado de inimigos e mergulhado num poço de víboras.

O jornal espanhol El País (edição de 24/12/2021) insere uma notícia com o título “O Papa reclama unidade à sua Cúria em plena batalha com os conservadores”. É uma frase elucidativa das dificuldades que Francisco I (F1) tenta vencer, sabendo-se rodeado de inimigos.

Os bispos e cardeais que por lá gravitam, não são uns “santos” – como os crentes consumidores de missas dominicais imaginam ser os bispos – também comportam um bom naipe de “diabos e mafarricos”.

Diz o jornal que “Francisco I aproveitou o seu tradicional discurso de Natal perante a Cúria para chamar à ordem o seu exército”. Assim se inicia a notícia onde se aborda o discurso interno do Papa, no qual o Sumo Pontífice chama a atenção dos cardeais para a necessidade de se eliminar os males que afligem a hierarquia da Igreja Católica.

No nono ano do seu pontificado, F1 incentivou a unidade e pediu para que se não caia em “divisões, facções e inimigos”, tendo a certeza que tais divisões e facções já existem entre o corpo cardinalício. Na base do seu discurso está a guerra ideológica que atravessa a instituição com distintas correntes, entre as quais sobressai a do sector mais conservador contra F1.

“Se o Evangelho proclama a notícia, nós devemos ser os primeiros a tentar viver com transparência”, disse F1 fazendo juz à honestidade que teimou em levar para o Vaticano e que não é bem vista pelos cardeais conservadores, defensores de uma igreja medieval. Este sector conservador, composto pelo poder económico e político da extrema-Direita da Europa e dos EUA, ataca as suas reformas e a profundidade do seu pensamento teológico, no qual se conta o diálogo que tem mantido com outras confissões religiosas e que não é bem visto pelos conservadores. Estes, afadigam-se a erguer um muro que trave as mudanças que F1 quer implementar numa instituição tão velha e decadente como é a Igreja Católica, e que alberga interesses tão contrários à fé que apregoa.

O Papa aproveitou o seu discurso de Natal para ultrapassar a tradicional lenga-lenga de fé, e dirigir-se à Cúria, denunciando as resistências ao seu esforço para reformar e revitalizar a Igreja, pedindo “aos clérigos de mentalidade tradicional para que deixem de viver no passado”, cujo pensamento ancestral não se adequa ao tempo presente pela “incapacidade de saber discernir a verdade das coisas”.

Falando sobre a tradição que faz a história da Igreja, F1 disse que “recordar não é repetir, mas sim saber acumular as boas qualidades e reavivá-las. Para que recordar não se converta numa prisão do passado, precisamos de outro verbo: gerar”. E terminou o seu discurso dizendo que “o humilde, gera, convida e impele aquilo que não se conhece; o arrogante ufano e orgulhoso, pelo contrário, repete-se, endurece os procedimentos, fecha-se na sua repetição, sente-se seguro naquilo que conhece, e teme o novo porque não o pode controlar a seu contento”.

Esperam-se grandes convulsões internas na multinacional empresa de fé registada com o nome Igreja Católica Apostólica Romana, minada por interesses materiais que nada têm a ver com a moralidade presumivelmente contida no Evangelho que prega, e que o clérigo argentino Jorge Mário Bergoglio, travestido de Papa Francisco I no teatro do Vaticano, pretende levar à cena… mas depara-se com dificuldades nos bastidores, onde os técnicos daquela sala de espectáculos religiosos, se afadigam em sabotar o seu papel de actor principal, na tentativa de transformar em fracasso a peça que idealizou, escreveu e quer pôr em prática.

Cabe-nos perguntar: Se Jesus Cristo cá estivesse hoje… seria católico?

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) OV

28 de Julho, 2022 João Monteiro

Fé e senso comum

Texto da autoria de Onofre Varela

Se o meu discurso for lido com radicalismo, dir-se-á que sou inimigo da fé e da crença. Não o sou, nem valeria a pena sê-lo… a crença é um acto intelectual, faz parte do cérebro que possuímos e só somos crentes porque pensamos (e também somos ateus por isso mesmo!). Negar a crença seria tão estúpido como negar a importância do oxigénio para a manutenção da vida. 

Eu não tenho nada contra a crença e a fé. O que eu tenho é tudo contra o aproveitamento malicioso da fé (o que é coisa bem diferente) quando os crentes são assim mantidos com propósitos muitas vezes inconfessáveis… e que em alguns casos até pode constituir crime (os vigaristas aproveitam-se da “boa fé” de cada um… a IURD também!…). 

Perante os discursos de fé de qualquer religião ou seita, o bom senso aconselha duas atitudes: ou não lhe damos ouvidos, ou ouvimo-los como narrativas de fé aparentadas às fábulas. As fábulas têm importância e um lugar cativo no plano dos interesses intelectuais e culturais, mas não alcançam o valor que damos à realidade que a História conta e documenta… nem à Ciência, que estuda e comprova mediante experimentação e método. As fábulas são outra coisa! Cada matéria tem a sua prateleira própria e não se mistura com outras que lhe são estranhas. Fé, é apenas fé!… Cada um tem direito e legitimidade de ter fé no que quiser, e de cumprir os rituais que entender serem merecidos aos seus santos ou outras entidades que considere sagradas pela sua fé. 

A minha crítica ultrapassa a fé de cada um, para ir às causas que a constrói, alimenta e conduz à exploração das vítimas das várias formas de fé e de crenças, sempre em benefício de alguém… mas nunca do crente… embora ele creia que sim; por isso é crente!… O crente alimenta-se da fé que lhe dão para consumir, e há agentes da fé que usam uma linguagem beata e infantil como que se quem os ouve não tenha um raciocínio amadurecido e seja incapaz de interpretar o discurso. E também há quem alimente um fanatismo extremado e violento. Nenhum deles merece a minha consideração pela falta de racionalidade, humildade e humanidade que sobressai dos seus discursos e que sublinha as suas atitudes. Salvam-se “os outros”, aqueles que creem (ou não creem) com a racionalidade que a inteligência lhes confere, e interrogam-se. Por isso não se radicalizam. Podem ser crentes mas não engolem, sem mastigar muito bem, tudo quanto o guru lhe quer dar a comer. Muitos dos meus amigos e amigas crentes pertencem a este saudável grupo. 

O nosso Povo é católico e na sua generalidade é bom, hospitaleiro, pacífico e respeitador. Penso que estas características têm muito da educação cristã que recebemos desde o berço. O Cristianismo, na sua essência – expurgado do mito que lhe dá forma enquanto Religião teísta – tem positividade porque é universalista no respeito devido ao outro. E esta característica aproxima-o do Ateísmo… mesmo que católicos, e outros cristãos, se sintam escandalizados com tal aproximação. Retirando-lhe o nascimento divino, os milagres e a ressurreição, tudo quanto sobra é Ateísmo puro… e talvez, até, Comunismo!… 

A diversidade de sensibilidades faz com que haja quem repudie tudo quanto tresande a Igreja, e quem fuja de tudo quanto cheire a Ateísmo! Parece não haver meio termo… e todos nós sabemos, pelos adágios sapientais dos nossos ancestrais avós, que… “no meio é que está a virtude”. Virtude que é, tão só, a capacidade de criar diálogo, impedindo imposições, extremismos, zangas e ódios!… 

Porém não se deve pintar o discurso da virtude com um cinzentismo inócuo! Afinal, a virtude é o senso-comum… sendo que este nem sempre é verdadeiro, e nem tudo quanto o contradiz será falso! Não se pode confundir senso-comum com Razão: há verdades certíssimas e comprováveis (como o movimento da Terra à volta do Sol) em contra-ponto com preconceitos de fé que nem por estarem muito espalhados e façam parte do senso-comum de uma época ou elite, deixarão de ser erróneos (como acontecia com a defesa que a Igreja fazia da ideia de o Sol rodar à volta da Terra). Estes exemplos também querem dizer que o senso-comum é adquirido e cada tempo e sociedade tem o seu. E quando se trata do estudo científico, aquilo que faz o senso-comum pode, até, ser um empecilho ao estudo quando não se considera que a verdade procurada possa estar para lá do que o senso-comum delimita. Perguntem a Galileu!… 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

21 de Março, 2022 João Monteiro

O que é rezar?

Ainda sobre o potencial da oração na resolução de conflitos.

5 de Novembro, 2021 João Monteiro

Todos nascemos Ateus

Texto de João Monteiro

Escreveu o Onofre Varela, num texto publicado neste blogue a 22 de outubro, que:

Ninguém nasce ateu ou religioso, tal como não se nasce a saber falar.
A língua materna é aprendida em família, e o sentido da religiosidade também”
.

Apraz-me comentar que discordo da primeira parte, pois entendo que todos nascem ateus, isto é sem crerem em qualquer deus. Porém, Onofre Varela está correto na segunda frase quando afirma que o sentido de religiosidade é aprendido em família – ou em qualquer outro ambiente cultural em que se desenvolva o petiz.

Podemos debater se uma criança sem qualquer contacto religioso terá uma tendência inata para qualquer tipo de espiritualidade. Mas o que é inegável é que o contexto em que se cresce pode contribuir de algum modo para uma tendência religiosa. Alguém que cresça num contexto cristão terá tendência a identificar-se como cristão; alguém que nasça num contexto islâmico terá tendência a identificar-se como muçulmano; alguém que cresça num contexto judaico terá tendência a identificar-se como judeu; alguém que cresça num contexto politeísta terá tendência a prestar homenagem a diversos deuses; alguém que cresça num contexto ateísta terá tendência a manifestar-se indiferente a qualquer crença religiosa.

Será ao longo do seu desenvolvimento, e num contexto de liberdade de pensamento, i.e. sem pressões e condicionalismos externos, que um indivíduo poderá formar a sua opinião sobre o seu percurso religioso (ou agnóstico/ateu). A crença numa dada religião não é um fenómeno natural, mas antes o resultado de uma transmissão cultural. Daí não se poder afirmar que há uma religião única verdadeira. Para qualquer crente, a sua religião é a verdadeira, mas se ele tivesse nascido noutro país ou noutra família já estaria a defender como verdadeira outra religião.

Em resumo: todos nascem ateus; a crença religiosa é dependente do meio em que se está inserido e da pressão social existente.

Imagem de Sanjasy por Pixabay

22 de Outubro, 2021 João Monteiro

Sobre o pensamento ateu

Texto de Onofre Varela

Ninguém nasce ateu ou religioso, tal como não se nasce a saber falar.

A língua materna é aprendida em família, e o sentido da religiosidade também.

Todas as sociedades obedecem a preceitos religiosos que alicerçam o pensamento enraizando-o de geração em geração.

Na minha família (sou filho de pai republicano e ateu, e de mãe católica não praticante) nunca se deu importância à fé religiosa. Fui educado no respeito pelo próximo e pela Natureza, dispensando a adoração a deuses e a santos.

Quando tive idade para raciocinar, e em confronto com os meus amigos participantes em missas, acompanhei-os e senti necessidade de os interrogar sobre o culto. Aquilo parecia-me estranho por não ter bebido da taça religiosa dos meus amigos, e afastei-me voluntariamente de celebrações litúrgicas que me pareciam sem nexo.

No passar do tempo que tudo transforma, a minha atitude perante a Religião também sofreu alterações. Aquela frase popular “só os burros não mudam de opinião”, funciona em todos os sectores… sendo que a opinião mudada pode incluir a total inversão do caminho, direccionando-a noutro sentido, ou considerar, apenas, um retoque, limando o que precisa de ser limado, quando se entende que o caminho está bem traçado e por isso se recusa um retrocesso.

A minha preocupação primeira de negar Deus, sem muita substância no pensamento que me levava à negação, alimentada na juventude que tudo sabe, pode e vence, acabou por me passar. Foi como um resfriado!… Não porque o considerasse um pensamento errado na sua totalidade, mas porque me defrontei com um raciocínio mais maduro após 20 anos a dar atenção às coisas que à Religião pertencem.

A partir daí (tinha eu 40 anos) concluí ser ateu, e que a preocupação de negar Deus não fazia sentido. De facto, é tão desinteressante negar Deus, como é afirmá-lo. Discutir o conceito de Deus acaba por não ter significado. O conceito existe porque foi necessário criá-lo, e todas as criações têm a sua razão, a sua função e o seu tempo.

O Homem só cria aquilo de que necessita. A criação de vários deuses, primeiro, e a do conceito do “Deus único”, depois, resultam da mesma necessidade intelectual do Homem, ditada pela própria evolução do pensamento. A negação do conceito do Deus único que eu faço aqui (e que já muitos autores o fizeram e provavelmente tantos outros o farão) também pertence a essa evolução. Será o derradeiro ponto final na História dos deuses e de Deus.

A esta conclusão cheguei com a contagem dos anos. Crer ou descrer tem tanta importância como sair de casa para ir ao cinema num centro comercial ou à missa na igreja da paróquia. Nenhuma das opções é mais importante do que a outra. Para quem as toma é uma atitude pessoal legítima que depende, unicamente, da vontade e do interesse de cada um… e cada qual atribuirá à questão do sagrado e dos credos relacionados, o grau que pretender atribuir-lhe.

As discussões acesas sobre Deus e a fé religiosa, não acrescentam nem diminuem nada na medida da crença de uns, nem na medida da descrença de outros. Em regra os contendedores terminam como começaram… nenhum deles aceita ter aprendido ouvindo o outro… até porque não se ouve o outro… ambos querem debitar discurso mais forte, real e único. Discursos que, afinal das contas, no contexto social em que vivemos, com tantas preocupações bem mais importantes… são nada!

Importante é que a troca de ideias não tenha fim, e que ambos os intervenientes nesta discussão (ateus e religiosos) se respeitem mutuamente e aprendam a ouvir opiniões contrárias às suas e raciocinem sobre elas, em vez de as descartarem liminarmente sem tentarem entender a razão do outro.

A fuga à tentativa de perceber o porquê de existirem ideias contrária às nossas, tão usada nas militâncias políticas, futebolísticas e religiosas, não abonam a qualidade do raciocínio de quem assim age…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV