Loading
17 de Março, 2021 João Monteiro

Na Polónia as pessoas afastam-se da Igreja

A notícia

Uma reportagem da Agência Reuters foi publicada no Jornal Público (8-2-2021) com o título “Na Polónia, a Igreja uniu-se à política e os católicos afastam-se“. Como se trata de conteúdo exclusivo, farei uma síntese da notícia antes de a comentar.

O contexto

Para perceber o que se passa, há que entender o contexto histórico da Polónia. Ao contrário de Portugal, que viveu décadas numa ditadura de extrema-direita com o apoio da Igreja e em que na oposição clandestina estava o Partido Comunista, a Polónia viveu uma ditadura comunista e a Igreja Católica era tida como o “farol da liberdade” durante a década de 1980. Porém, com a queda do comunismo em 1989, a Igreja Católica pressionou os governos a regressarem aos valores católicos conservadores, fazendo lobby para se criarem restrições ao aborto, por exemplo. Com isto, os cidadãos polacos foram-se distanciando da Igreja, uma tendência que tem aumentado nos últimos anos.

A atualidade

Apresentado o contexto, chegamos à atualidade. O atual partido no poder é o PiS (“Prawo i Sprawiedliwość” ou em português “Lei e Justiça”), que elegeu como presidente, em 2015, Andrzej Duda. O PiS é um partido de extrema-direita, nacionalista e autoritário, que tem mantido uma grande proximidade com a Igreja Católica. Essa proximidade tem-se refletido nos seguintes aspectos: o PiS vê a Igreja Católica como parte da identidade e repositório dos ensinamentos morais do país, a televisão pública exibe cerca de 9h semanais de programação católica, incluindo transmissões de serviços religiosos, tem havido sessões de deposição de relíquias católicas na capela do Parlamento, um membro do Conselho Fiscal do país pediu aos fiéis que rezassem pela erradicação do cosmopolitismo das universidades e alguns padres fazem propaganda política nas homilias (a favor do partido no poder).

As consequências

Como consequência da influência e lobby da Igreja, o governo tem sentido legitimidade e poder para avançar com políticas conservadoras – e algumas até atentatórias dos direitos humanos. São exemplo disso as limitações ao aborto e a perseguição à comunidade LGBTQI+. A grande maioria dos interrupções de gravidez feitas na Polónia devem-se a malformações nos fetos, ou seja, por razões médicas. Mas até essas foram proibidas na legislação mais recente dos últimos meses, por lobby da Igreja.

É por causa da geminação entre Estado e Igreja Católica, refletida na propaganda política nas igrejas, na promoção da religião pelo Estado ou no lobby da igreja na educação e nos gastos públicos, ou ainda pela limitação dos direitos individuais, como o direito a escolher quem amar ou o que fazer com o corpo, que um número crescente de pessoas se tem afastado da Igreja Católica.

O número de apostasias tem aumentado e só em Varsóvia mais pessoas pediram para sair da Igreja no mês de Novembro passado do que em todo o ano de 2019.

A vontade dos cidadãos

Na Polónia, como por cá, os cidadãos desejam a separação da Igreja e do Estado. Esse país é um bom exemplo das consequências nefastas de uma aproximação entre as duas esferas, vivendo a sociedade sob o jugo do autoritarismo, conservadorismo e limitações aos direitos, liberdades e garantias. A moral não emana de uma qualquer religião, mas das decisões em sociedade. A moral iluminista de tratar o outro da maneira como gostaríamos de ser tratados é, por si só, um bom princípio que não necessita de moral divina. Essa aproximação da Igreja ao Estado não é boa para os cidadãos nem para a própria Igreja, como se vê pela notícia, havendo inclusive padres polacos a advogarem a separação entre as entidades, de modo a recuperarem os seus fiéis.

Perante esta realidade, a Associação Ateísta Portuguesa mostra-se solidária para com o povo polaco que se sente oprimido e que se quer libertar dos grilhões da Igreja.

Nota final: os nossos leitores que também queiram realizar apostasia, podem consultar este link.

Imagem de Tasy Hong por Pixabay

14 de Março, 2021 Carlos Esperança

O PR e as visitas erráticas ao estrangeiro

Não se percebe o interesse, a urgência e as motivações das primeiras visitas do segundo mandato do PR a dois Estados monárquicos, um imposto pelo genocida Franco, e outro criado pelo ditador fascista Mussolini, nos Acordos de Latrão.

Sendo a política externa competência exclusiva do Governo, fica-se ainda mais perplexo com o tropismo irrefreável que o levou a uma monarquia em crise e à teocracia católica.

Sendo Portugal um país laico, o PR e os outros órgãos de soberania têm a obrigação de se comportar com absoluta neutralidade religiosa. Oficialmente não podem ser ateus ou crentes, céticos ou livres-pensadores, para poderem respeitar e defender todas as crenças e anti crenças.   

Pode o cidadão Marcelo Rebelo de Sousa, devorado pela fé, ansioso de se abastecer de um carregamento de indulgências, não resistir aos apelos da salvação da alma, mas não pode o PR, a expensas do Estado, sufragar eventuais pecados e aplainar os caminhos do Céu através do testemunho público da sua confissão particular, ferindo a dignidade da República laica e democrática de que é a máxima referência simbólica.

O PR não pode deixar-se levar pelo crente Marcelo sob pena de se genufletir perante um outro chefe de Estado e prestar-lhe vassalagem num ato que não dignifica a República laica e democrática a que tem a honra de presidir.

Em período de confinamento, não deu um passeio higiénico, fez um voo emocional ao encontro do CEO da multinacional da fé de que é exuberante praticante.

Errou.  132Sharesfacebook sharing button 15

twitter sharing button
8 de Março, 2021 João Monteiro

As Mulheres e o Ateísmo

Hoje assinala-se o Dia Internacional da Mulher para recordar que a luta por direitos iguais entre géneros ainda não está concluída.

É verdade que tem havido melhorias em vários sectores, mas ainda assim insuficientes. Poderíamos apontar a necessidade de nivelar salários, de haver mais oportunidades para mulheres em cargos de gestão (e se não estão nesses cargos não há-de ser por falta de mérito), de deixar de atribuir profissões a géneros específicos, de acabar com a violência doméstica e com situações de assédio em contexto social ou laboral, só para mencionar alguns exemplos. É um esforço conjunto que temos de fazer enquanto sociedade.

É também no contexto religioso e espiritual que encontramos disparidades de género: os padres, gurus ou líderes religiosos por norma são homens; a submissão e subalternidade é acentuada para o lado feminino; quando as mulheres participam nos rituais normalmente é como auxiliares embora na prática tenham um papel ativo junto das comunidades e no papel de evangelização. Esta situação é transversal às diversas religiões, em particular as monoteístas. Enquanto associação humanista, gostaríamos que esta situação mudasse.

No que concerne ao ateísmo, sabemos que muitas mulheres se reconhecem como ateias, mas poucas (ainda) são vocais quanto ao tema. Ao elaborar a lista para os órgãos sociais, procurei incluir mais mulheres, mas pouca foi a disponibilidade (as causas são várias). Assim, neste Dia Internacional da Mulher, exorto à participação feminina para que a sua voz seja ouvida, porque a vossa opinião conta muito. Mulheres e Homens devem fazer-se ouvir dentro e fora desta nossa comunidade que estamos a tentar congregar. Juntos, a nossa mensagem terá mais força.

Fonte: Super Interessante

28 de Fevereiro, 2021 Paulo Ramos

Historicidade de Jesus vs Pilatos

A expressão “foi crucificado sob Pôncio Pilatos” foi incluída no Credo católico no ano 381 EC. A História regista o momento em que a Igreja introduz no Credo a historicidade de Jesus da Nazaré! Ou seja, crer que Jesus é uma personagem histórica tal como Pôncio Pilatos passou a fazer parte do dogma por decreto de uma autoridade! Isto leva a suspeitar que antes deste momento haveria, dentro do cristianismo, quem não cresse que Jesus fosse uma personagem histórica e que, de alguma forma, a autoridade da Igreja achou por bem combater no concílio de Constantinopla.

Este dogma não tinha sido incluído no Credo de Niceia de 325 EC.
Quem escreveu torto por linhas direitas? – Século IV – Concílio de Niceia em 325 EC

Enquanto Jesus tem como fonte primária o Evangelho de Marcos, um texto marcadamente alegórico, Pilatos tem uma história atestada por Filo de Alexandria e Flávio Josefo em textos cujo o objetivo é descrever acontecimentos históricos.
Quem escreveu torto por linhas direitas? – Século I – Pilatos

Fresco da Capela Sistina, século XVI. Fonte: wikipedia
25 de Fevereiro, 2021 João Monteiro

Hospitais públicos não podem ser memoriais religiosos

Tomei conhecimento de que existe no Hospital Dona Estefânia um memorial religioso dedicado à Jacinta Marto – uma dos três pastorinhos que alegadamente terá vivido o suposto “milagre” de Fátima.

As fotografias foram ontem partilhadas na conta de twitter da Associação República e Laicidade. Num Estado laico não deveriam existir referências religiosas no espaço público, por duas razões principais: porque não existe uma religião de Estado e porque o espaço público pertence a todos independentemente da sua crença ou ausência dela. O facto de o memorial ter surgido por iniciativa de uma organização católica – “Liga da Acção Católica Femenina da Freguesia dos Anjos (1943)” – e lá permanecer até aos dias de hoje é uma descriminação face às outras religiões, bastando perguntar-nos: seria hoje permitido no mesmo local um memorial judaico ou muçulmano?

Tweet da Associação República e Laicidade

Um dos comentadores do referido tweet justifica a existência do memorial argumentando que “releva a importância histórica e espiritual das instituições hospitalares públicas”. Contudo, não é essa a função de um hospital público num Estado laico, é antes tratar e cuidar dos pacientes. O papel espiritual caberá a outras instituições.

Sobre o fenómeno de Fátima, acreditemos nele ou não, enquanto fenómeno social faz parte da história de um período do nosso país, que merece ser estudado, analisado, criticado e até exposto. Porém, se há lugar para realizar cada uma destas iniciativas, decerto não o será num hospital público.

Não nego o valor patrimonial e histórico das peças ali exibidas e por isso deixo uma proposta: a remoção das placas evocativas e a sua preservação, para futura exposição em local adequado (museu ou outro espaço visitável) com referida contextualização.

21 de Fevereiro, 2021 Carlos Esperança

França aprova lei ‘contra os muçulmanos’

Uma comissão extraordinária da Assembleia Nacional da França aprovou a “carta de valores republicanos”, proposta em 2 de outubro de 2020 pelo presidente Macron para combater o “separatismo islâmico”. As organizações do Conselho de Culto Islâmico da França (CFCM) denunciaram a “carta de princípios”, reiterando a coexistência do Islão com as outras religiões no país.

De facto, o Islão coexiste com as outras religiões, em França, o que não acontece nos países onde é maioritário e, mesmo em França, não coexiste com o respeito pelas leis da República, igualdade de sexos e civilização.

O Governo francês apresentou o projeto ao Conselho de Ministros a 9 de dezembro, no dia do 115.º aniversário da lei de 1905 que instituiu a liberdade religiosa e a separação entre Igreja e Estado, em França.

Submetido à Assembleia Nacional da França foi largamente aprovado, apesar de críticas por discriminar a comunidade islâmica e impor restrições arbitrárias à vida quotidiana de cidadãos islâmicos. O texto, que reafirma o “respeito pelos valores da República”, teve 347 votos a favor, 151 contra e 65 abstenções, e, a partir de 30 de março, prossegue o seu processo no Senado.

A nova lei autoriza a intervenção e invasão a mesquitas e associações responsáveis pela administração, além de controlar as finanças de entidades e organizações não-governamentais pertencentes a muçulmanos. Em 2004 já a lei proibiu o uso ou exibição pública de símbolos religiosos nas escolas francesas, e proscreveu o ensino doméstico.
Qualquer das leis não é dirigida ao Islão, visa a defesa da República e da laicidade, uma resposta à apropriação do espaço público por manifestações pias, e a defesa da cidadania contra o comunitarismo.

Depois do Senado, serão os deputados da Assembleia Nacional a ter a última palavra sobre qualquer emenda. Tudo leva a crer que entrará brevemente em vigor.

O Partido Socialista Francês (social-democrata) considera uma abordagem repressiva a nova lei, e o grupo esquerdista ‘La France Insoumise’ que estigmatiza os muçulmanos. É essa cobardia, na procura de votos em autarquias de grande densidade de muçulmanos que leva à defesa do multiculturalismo contra a cidadania, à indiferença perante o apelo ao ódio em madraças e mesquitas onde se recrutam crentes para a Jihad.

A lei impõe neutralidade religiosa aos trabalhadores dos serviços públicos, protege-os de pressões radicais, e condiciona a concessão de subsídios públicos ao respeito dos valores republicanos, como o secularismo e a igualdade de género, às associações que os solicitam. Haverá aqui qualquer exigência antidemocrática?

Esta lei impede que as regras religiosas se sobreponham à legislação nacional e defende a penalização da emissão dos certificados de virgindade e o reforço de controlos contra casamentos forçados que, já proibidos, afetam atualmente cerca de 200.000 mulheres, de acordo com os números das organizações não-governamentais. Esta lei é injusta?

A decapitação, em 16 de outubro, do professor de liceu Samuel Paty, depois de ter mostrado caricaturas de Maomé nas aulas, o ataque ao Charlie Hebdo, o ataque de Nice, o massacre dos jornalistas do Charli Hebdo e numerosos assassinatos ao som do grito selvagem Allahu Akbar (Deus é grande), não são alheios a esta necessidade legislativa, assim como o facto de, desde 2014, 1.500 franceses aderirem ao Estado Islâmico na Síria e Iraque.

Há quem deixe para os fascistas o monopólio da luta contra o fascismo islâmico, a favor do fascismo católico ou protestante, quem minimize o perigo para a paz, a democracia e a civilização, ao permitir que as investidas beatas de qualquer religião contra a laicidade do Estado democrático.

O título deste texto, que não consegui mais curto, é enganador. A lei em que me revejo não é contra os muçulmanos, geralmente as maiores vítimas da fé que os envenena, é a favor da República e da laicidade, assumindo a superioridade dos valores civilizacionais sobre a vontade divina interpretada pelo seu clero, de diversas religiões.

Todos somos ateus em relação aos deuses dos outros. Os ateus só o são em relação a mais 1.

Fontes: Jornais franceses, espanhóis e portugueses.

12 de Fevereiro, 2021 João Monteiro

A origem da biodiversidade

Celebra-se hoje, a nível internacional, o aniversário do naturalista britânico Charles Darwin (1809-1882). Aproveitamos esta data para relembrar um pouco do seu contributo para o nosso entendimento da realidade que nos rodeia.

Têm sido várias as propostas, ao longo da história da humanidade, para explicar a origem da vida e da multiplicidade de formas de seres que nos rodeiam. Houve quem tivesse defendido uma criação divina ou, pelo contrário, um surgimento da vida através de reações químicas; houve quem tivesse argumentado que as espécies atuais são exatamente as mesmas que habitaram no passado longínquo (fixismo) ou que estas tinham alterado a sua forma ao longo do tempo (transformismo). Para cada uma destas hipóteses foram apresentados os mais variados argumentos, desde espirituais ou religiosos, até materialistas e científicos. Vários pensadores, religiosos e cientistas contribuíram para este debate, ao longo da nossa história, mas foi Charles Darwin quem apresentou uma explicação que se mantém válida até hoje: a evolução das espécies pelo mecanismo de seleção natural (há também outros mecanismos como a seleção sexual ou a deriva genética).

Em bom rigor, a teoria de Charles Darwin, proposta no seu célebre livro “A Origem das Espécies” (1859), não fala da origem da vida mas apresenta, sim, uma hipótese para explicar a origem da biodiversidade que nos rodeia.

Podemos resumir esta teoria em torno de quatro princípios: 1) numa população os indivíduos apresentam diferenças entre si (podem ser morfológicas, comportamentais, bioquímicas, etc.); 2) ao reproduzirem-se, a população cresce originando um aumento do número de indivíduos e das suas respetivas características; 3) perante uma pressão seletiva (predador, doença, alteração ambiental, barreira geográfica, etc.) só os indivíduos com certas características, ditas vantajosas (naquele período e para aquele local) sobreviverão (ou viverão mais tempo) deixando assim mais descendentes com essas mesmas características, que por sua vez também viverão mais tempo e passarão as mesmas características, enquanto os indivíduos com as características ditas menos vantajosas (naquele período e para aquele local) morrerão (ou viverão menos tempo), deixando menos descendentes (ou nenhuns) com essas características; 4) com o tempo e ao longo de várias gerações teremos uma nova população com características diferentes da população inicial, e quanto mais tempo passar as características podem tornar-se tão diferentes entre populações originando isolamento reprodutivo e, por conseguinte, uma nova espécie – formando um novo ramo na árvore da vida.

Para Darwin, este era um processo lento e gradual e que implicava que todos os seres vivos no nosso planeta estavam ligados genealogicamente entre si, pois se recuarmos nos ramos desta árvore genealógica iremos encontrar um antepassado comum.

Convém relembrar que o trabalho de Darwin influenciou muitas outras áreas para além da biologia, tais como a psicologia ou a agricultura. É por causa de todos esses contributos que celebramos hoje o aniversário deste cientista.

Créditos: Imagem de Gordon Johnson por Pixabay

9 de Fevereiro, 2021 Carlos Esperança

Salazar ou Cristo-Rei?

As pagelas que começaram a circular em Portugal no pós-guerra, guerra de que o Diabo terá sido responsável, atribuem à intervenção de Cristo a paz que imperou em Portugal, embora outras pagelas de igual proveniência a atribuam a Salazar.

Fosse de quem fosse o mérito, embora do primeiro se esperasse que tivesse evitado a guerra, o que admira são os títulos nobiliárquicos atribuídos pelo mais alto empregado de Deus, o cardeal Cerejeira, à família celeste.

Desde Cristo-Rei à Rainha dos Portugueses, esta a Senhora da Conceição, um de muitos heterónimos dados à mãe do primeiro, é de harmonia monárquica que se fala em plena ditadura, onde a Pide era mais expedita a manter a paz do que a família real celeste.

O comovedor pedido das criancinhas de Portugal, para que fosse erguido o monumento a Cristo-Rei, não surpreendeu quem as sabia pouco assíduas na escola, mas devotas da catequese. O que surpreende, ainda hoje, é o Cristo-Rei, vestido de Menino Jesus e com carácter reivindicativo, a afirmar categoricamente “Eu é que livrei Portugal da Guerra” e a exigir, de forma autoritária, pouco adequada à ternura que lhe está associada, “Quero o Monumento que Portugal me prometeu em troca”.

Esta linguagem parece mais própria do cardeal Cerejeira do que de crianças cuja oração, ‘indulgenciada com 100 dias’ pelo referido prelado, pedia à Senhora da Conceição, apelidada de Rainha dos Portugueses: “Fazei que Portugal erga depressa o Monumento a Cristo-Rei”, pressa que pode ter sido trágica para a estética, e reconfortante para a fé.

Ámen!

18 de Janeiro, 2021 João Monteiro

O que é mais perigoso: o teatro ou a missa?

Devido à situação pandémica que estamos a viver, o governo viu-se na obrigação de tomar medidas para controlar o progresso da pandemia em território nacional. Com o aumento do número de casos e com o agravamento da saúde dos cidadãos, o governo optou por adotar um discurso em que endureceria as medidas advogando um confinamento mais rigoroso. Se concordo com a intenção, porque a situação assim o exige, a verdade é que o confinamento rigoroso tornou-se num confinamento suave repleto de exceções. Isto apesar de alguns estabelecimentos fecharem de facto, como os cabeleireiros e outros terem sido alvo de restrições de funcionamento, como os restaurantes.

Mas se conseguimos compreender nalguns casos, mesmo que isso afete a vida das pessoas e da economia, como é o caso dos exemplos referidos dos cabeleireiros e restaurantes, por serem espaços fechados onde se aglomeram pessoas (mesmo sabendo que a atividade destes espaços se adaptou durante a pandemia, com diversas medidas como o distanciamento e a desinfeção mais cuidada), já temos mais dúvidas relativamente a outras medidas como o fecho de atividades culturais, como teatros, bibliotecas ou arquivos. E essas dúvidas aumentam quando comparamos com outras medidas de exceção como é o caso da realização de missas.

Antes de avançarmos, quero começar por deixar a minha opinião geral sobre o tema do confinamento, que considero importante para se compreenderem as minhas motivações. Considero que tem de haver confinamento e que quaisquer que sejam as medidas apresentadas haverá sempre concórdia e discórdia, pois, como todos sabemos e já diz o ditado popular, é impossível agradar a gregos e a troianos. Mais considero que a situação pandémica veio a dificultar a atuação do governo, e que mesmo não concordando com todas as medidas (por um lado, considero que pecam por defeito; por outro lado, elogio o governo por não tratar os cidadãos de modo paternalista), o governo conta com o meu apoio nesta situação difícil de saúde pública que, direta ou diretamente, nos afeta a todos. Ou seja, a crítica que de seguida apresento visa o desequilíbrio das medidas atribuídas à prática cultural e a religiosa.

Vejamos. Por um lado vemos as atividades culturais suspensas. Foram teatros, concertos, convívios, tertúlias, museus, bibliotecas que se encerraram. Atividades que já tinham sido numa primeira fase suspensas e em que numa segunda fase de reabertura se souberam adaptar, com ensaios distanciados e com máscara, com assentos do público também com distanciamento, com entradas e saídas ordenadas (em vez de multidões aglomeradas), enfim, com consciência cívica desde os organizadores ao público. Todas as pessoas precisam de cultura. Por outro lado temos as missas, que com a pandemia também assistiram a limitações à sua atividade, mas cuja atividade também se soube adaptar às circunstâncias, limitando o espaço disponível, aumentando o distanciamento e alterando algumas práticas ritualísticas. Compreendo que algumas pessoas, nesta fase, precisem do consolo que creem que a espiritualidade e a religião lhes possam dar.

É precisamente nesta descrição que fiz que reside a minha incompreensão: ambas as atividades se souberam adaptar às circunstâncias, mas a cultura é para todos e as missas são só para alguns. Por isso, questiono-me porque é que umas veem as portas encerradas enquanto outras mantêm as portas abertas. E já nem comento o facto desta medida discriminatória ter tido lugar num Estado Laico! Com isto, não posso deixar-me de questionar: será que ir ao teatro é mais perigoso para a minha saúde do que ir à missa? Não creio.

Por fim, o que esperava era que, no mínimo, a decisão de abertura ou fecho fosse idêntica para as duas atividades. Mesmo que se optasse pelo encerramento geral, as pessoas podem sempre orar em casa. E nós, não crentes? Aproveitemos esta fase de confinamento para ler, para ouvir música, para visitarmos museus online, para assistirmos a musicais no youtube, para escrever, desenhar ou pintar, que são outras maneiras de nos mantermos ligados à cultura.

Imagem de Mustangjoe
11 de Janeiro, 2021 Onofre Varela

Crentes, ateus e humor

Por Onofre Varela

Amos Oz foi um escritor israelita que nos deixou em 2018 contando 79 anos de idade. Era um defensor dos palestinianos e da paz que considerava dever existir entre Israel e Palestina. Uma voz discordante das relações azedadas entre os dois povos vizinhos, que não conseguiu fazer-se ouvir pelos (ir)responsáveis políticos que fazem a guerra em vez de construírem a paz. É dele a frase: “O sentido de humor é uma grande cura. Jamais vi, na minha vida, um fanático com sentido de humor”. Ao contrário dos fanáticos que militam numa qualquer religião, há ateus que alimentam um saudável sentido de humor (também os haverá sisudos!). Lembro que há mais de uma vintena de anos participei, em Coimbra, numa reunião preparatória para a legalização da Associação Ateísta Portuguesa. O evento aconteceu num hotel onde se encomendou um almoço para aquele grupo de ateus que se reunia pela primeira vez, sob o lema: “Vale mais o primeiro almoço do que a última ceia”.

Christopher Hitchens, escritor e jornalista britânico, autor do livro “deus não é Grande” (Dom Quixote, 2007), soube que, em consequência do cancro que lhe encurtava a vida, havia quem fizesse apostas na Net sobre se se converteria quando sentisse estar às portas da morte, e declarou com sarcasmo: “Se me converter é porque acho preferível que morra um crente do que um ateu”.

Voltaire, no seu leito de morte, teve à cabeceira um padre que pretendia convertê-lo para exibir a sua conversão como troféu. Ao aperceber-se da intenção do clérigo que queria ouvir o pensador a negar o diabo, Voltaire disse-lhe: “Não é o momento apropriado para criar inimigos”.

Também Jesus Cristo era um homem cheio de humor, embora o Novo Testamento não o afirme… mas também não diz que ele respirava!… O escritor espanhol Félix Caballero Wangüemert escreveu o livro “Jesús Humorista – Comicidad, Humorismo y Sátira en los Evangelios” (Madrid, 2019). O autor fez um estudo dos Evangelhos e escreveu 316 páginas, referindo o humor que neles encontrou. É evidente que para uma análise deste tipo o leitor tem de deixar a religiosidade no bengaleiro e ler o Evangelho com olhos de céptico.

Um bom exemplo do humor de Jesus pode ser aquela descrição da transformação de água em vinho na boda de Canaã na Galileia (João 2: 1-11), para a qual Jesus e os seus discípulos foram convidados. O vinho acabou-se antes de terminada a refeição, e Jesus mandou que enchessem seis talhas com água e a servissem como se fosse vinho. Quando o mestre-sala o provou, comentou: “Habitualmente é servido o melhor vinho em primeiro lugar, quando os convidados ainda estão capazes de o apreciar. Mas aqui guardaram o melhor para depois!”.

Conseguir um bom vinho usando no seu fabrico, apenas água, dispensando as melhores cepas… convenhamos que, não sendo truque de magia, só pode ser humor!

Tenham uma Boa Festa da Família em recato, resguardados do vírus que por aí anda. Abraço-vos.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV