Loading
25 de Outubro, 2021 Carlos Esperança

POEMA

Dois amigos do peito e da hóstia

Neste mundo de labuta

A um chamam-lhe santo

Ao outro… não.

22 de Outubro, 2021 João Monteiro

Sobre o pensamento ateu

Texto de Onofre Varela

Ninguém nasce ateu ou religioso, tal como não se nasce a saber falar.

A língua materna é aprendida em família, e o sentido da religiosidade também.

Todas as sociedades obedecem a preceitos religiosos que alicerçam o pensamento enraizando-o de geração em geração.

Na minha família (sou filho de pai republicano e ateu, e de mãe católica não praticante) nunca se deu importância à fé religiosa. Fui educado no respeito pelo próximo e pela Natureza, dispensando a adoração a deuses e a santos.

Quando tive idade para raciocinar, e em confronto com os meus amigos participantes em missas, acompanhei-os e senti necessidade de os interrogar sobre o culto. Aquilo parecia-me estranho por não ter bebido da taça religiosa dos meus amigos, e afastei-me voluntariamente de celebrações litúrgicas que me pareciam sem nexo.

No passar do tempo que tudo transforma, a minha atitude perante a Religião também sofreu alterações. Aquela frase popular “só os burros não mudam de opinião”, funciona em todos os sectores… sendo que a opinião mudada pode incluir a total inversão do caminho, direccionando-a noutro sentido, ou considerar, apenas, um retoque, limando o que precisa de ser limado, quando se entende que o caminho está bem traçado e por isso se recusa um retrocesso.

A minha preocupação primeira de negar Deus, sem muita substância no pensamento que me levava à negação, alimentada na juventude que tudo sabe, pode e vence, acabou por me passar. Foi como um resfriado!… Não porque o considerasse um pensamento errado na sua totalidade, mas porque me defrontei com um raciocínio mais maduro após 20 anos a dar atenção às coisas que à Religião pertencem.

A partir daí (tinha eu 40 anos) concluí ser ateu, e que a preocupação de negar Deus não fazia sentido. De facto, é tão desinteressante negar Deus, como é afirmá-lo. Discutir o conceito de Deus acaba por não ter significado. O conceito existe porque foi necessário criá-lo, e todas as criações têm a sua razão, a sua função e o seu tempo.

O Homem só cria aquilo de que necessita. A criação de vários deuses, primeiro, e a do conceito do “Deus único”, depois, resultam da mesma necessidade intelectual do Homem, ditada pela própria evolução do pensamento. A negação do conceito do Deus único que eu faço aqui (e que já muitos autores o fizeram e provavelmente tantos outros o farão) também pertence a essa evolução. Será o derradeiro ponto final na História dos deuses e de Deus.

A esta conclusão cheguei com a contagem dos anos. Crer ou descrer tem tanta importância como sair de casa para ir ao cinema num centro comercial ou à missa na igreja da paróquia. Nenhuma das opções é mais importante do que a outra. Para quem as toma é uma atitude pessoal legítima que depende, unicamente, da vontade e do interesse de cada um… e cada qual atribuirá à questão do sagrado e dos credos relacionados, o grau que pretender atribuir-lhe.

As discussões acesas sobre Deus e a fé religiosa, não acrescentam nem diminuem nada na medida da crença de uns, nem na medida da descrença de outros. Em regra os contendedores terminam como começaram… nenhum deles aceita ter aprendido ouvindo o outro… até porque não se ouve o outro… ambos querem debitar discurso mais forte, real e único. Discursos que, afinal das contas, no contexto social em que vivemos, com tantas preocupações bem mais importantes… são nada!

Importante é que a troca de ideias não tenha fim, e que ambos os intervenientes nesta discussão (ateus e religiosos) se respeitem mutuamente e aprendam a ouvir opiniões contrárias às suas e raciocinem sobre elas, em vez de as descartarem liminarmente sem tentarem entender a razão do outro.

A fuga à tentativa de perceber o porquê de existirem ideias contrária às nossas, tão usada nas militâncias políticas, futebolísticas e religiosas, não abonam a qualidade do raciocínio de quem assim age…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

19 de Outubro, 2021 João Monteiro

A Igreja é uma instituição politicamente neutra?

Texto de Onofre Varela

O semanário Alto Minho, na sua edição do dia 2 de Junho último, dedica uma página à notícia protagonizada pelo padre Tiago Rodrigues (não confundir com Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação!), pároco de Cardielos, Serreleis, Torre e Vila Mou, em Viana do Castelo.

O jornal divulga que o sacerdote não quer que “os leigos com nomeação episcopal se envolvam nas eleições autárquicas deste ano” e diz ter tomado tal posição para que “a neutralidade da Igreja seja mais visível e concreta”.

Naturalmente que a posição do padre Tiago só pode causar polémica numa sociedade democrática aberta a todas as tendências políticas e religiosas como, saudavelmente, é a nossa. Perante as primeiras críticas da população à sua atitude, o padre apressou-se a esclarecer que não pretende proibir ninguém de se envolver nas eleições. Apenas “declara que os membros da Fábrica da Igreja, Confrarias, Direcção e Conselho Fiscal do Centro Social e Paroquial” não devem integrar quaisquer listas concorrentes a eleições, sejam autárquicas ou parlamentares. Mas se “entretanto, optarem por integrar alguma corrida eleitoral, devem suspender as suas funções nos cargos paroquiais”.

Esta sua atitude pode parecer inserida numa lógica de “não infectar” a Igreja com procedimentos alheios ao culto… porém, o culto que o senhor padre Tiago Rodrigues representa, está infectado desde os seus princípios, em tempos medievais, enquanto modo de prender os crentes aos interesses da instituição através do medo à punição divina.

Contrariando o padre, um político local, com toda a legitimidade de cidadão numa república laica que se rege por uma Constituição democrática moderna, acusou o sacerdote de estar “a condicionar direitos, liberdades e garantias num acto eleitoral”, e considerou a posição do sacerdote como uma “interferência brutal nunca antes vista”.

A notícia do semanário Alto Minho obriga-me a interrogar:

A Igreja Católica, enquanto instituição, é politicamente neutra?…

Eu tenho a resposta: Não!… Enquanto agente social, a Igreja faz política.

A atitude do padre Tiago Rodrigues é uma atitude política.

O Homem é, essencialmente, político… e a Igreja é feita por homens. Todas as atitudes sociais tomadas por sacerdotes são atitudes políticas, incluindo a proibição decretada pelo senhor Tiago Rodrigues.

Desde sempre a Igreja foi uma instituição política, criticando governos… e pior ainda (para mim que sou de Esquerda) quando essa crítica é dirigida a atitudes políticas de Esquerda, enaltecendo atitudes políticas de Direita, como é o caso das leis da interrupção da gravidez e da eutanásia.

A Igreja (enquanto instituição) usa o púlpito para defender ideais políticos de Direita, atacando ideais de Esquerda. E quando no seu seio algum sacerdote de índole mais humana e fraterna, atento à História política do país, assume discurso diverso do oficialmente decretado pelos mandantes do credo (o Vaticano), esse sacerdote corre o risco de expulsão, como aconteceu com o padre Mário de Oliveira, da Lixa (lixaram-no!…).

E quando no Vaticano há um papa como Francisco I, atento à sociedade, usando discursos inabituais, a Santa Sé transforma-se num ninho de víboras que esperam ver Francisco I substituído na cadeira de S. Pedro.

O que na Igreja se faz é política, e o culto é uma arma… muitas vezes letal… e se hoje já não protagoniza actos como a queima dos infiéis na fogueira… move-se nos bastidores do mundo, conseguindo impor vontades que nunca (ou raramente) são as aspirações da generalidade dos povos crentes, obedientes e tementes!…

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Opinião de Onofre Varela sobre a alegada neutralidade da Igreja.
Imagem de Peter H por Pixabay
18 de Outubro, 2021 João Monteiro

Estarão todos doidos?!…

Texto da autoria de Onofre Varela

Ultimamente tornou-se moda contestar a História, pretendendo reescrevê-la de acordo com um certo pensamento divorciado dos factos que a fizeram. Nesse sentido há atitudes vândalas contra estátuas e monumentos, como fizeram à imagem do Padre António Vieira, em Lisboa, a quem acusam de ter pactuado com a escravatura e os maus tratos aos povos indígenas do Brasil; e ao Monumento aos Descobrimentos, em Belém… como se não fosse um facto histórico dali terem partido as caravelas dos nossos marinheiros quinhentistas, e como se tal facto não fizesse parte da História, nem representasse um modo de se ser e de se fazer, num determinado tempo e lugar, em determinadas circunstâncias ditadas pelo evoluir da sociedade e do próprio pensamento social e filosófico que faz cada tempo!

A História conta-nos os feitos dos nossos antepassados, quer nós gostemos, ou não, de algumas narrativas. A História não é um petisco que se come, ou não se come, de acordo com os nossos gostos gastronómicos: é o registo de factos que não podem ser mudados. O meu professor de História, na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, definia História como “uma sucessão de sucessos sucessivos que sucedem sucessivamente sem cessar”… e agora há uns patuscos que, ao estilo de Camões, gritam “cesse tudo o que a musa antiga canta…” por questões ideológicas actuais, alheias aos factos que fizeram a História. Em Julho último, por exemplo, indígenas do Canadá queimaram igrejas católicas, movidos pelo “desrespeito aos autóctones”, por parte de alguns padres em algum momento da História!

Ultimamente uma notícia divulgada pelo jornal espanhol El Mundo (edição de 10/9/2021) dá conta de, também no Canadá, uma instituição conservadora que agrupa 30 escolas francófonas de Ontário ter retirado das suas bibliotecas cerca de cinco mil livros que acabaram na reciclagem do papel, e outros em fogueiras “purificadoras” à boa maneira da Inquisição Católica! Algumas das obras “diabólicas” que mereceram tal fim, eram histórias de Banda Desenhada de Tintim e de Astérix!… E porquê?… Por, presumivelmente, a obra Tintim no Congo (de 1931) conter racismo. Igual acusação é dirigida ao Astérix (da excelente dupla de criadores Albert Uderzo [desenho] e René Goscinny [texto]) alegadamente por “falta de respeito pelas tribos índias do Canadá” (!?!)…

Os censores são umas bestas!… Não sabem destrinçar sátira e humor ficcional, de realidade histórica!… Também Pocahontas e Lucky Luke não escaparam à cerimónia de “purificação nas chamas”, e o conselho escolar declarou que, com tal acto “enterramos as cinzas do racismo, da discriminação e os estereótipos, com a esperança de as crianças crescerem num país inclusivo em que todos possam viver com prosperidade e segurança” (!?!).

Mas… o que é isto?!… Estará tudo doido?!… Se esses “puristas do pensamento” um dia acordarem com vontade de irem mais longe nessa purificação tomada como cruzada… vão ter de queimar a Bíblia!… É que os “textos sagrados” permitem que os pais vendam as suas filhas (Êxodo: 21; 7-8) “E se algum vender a sua filha […] não poderá vendê-la a um povo estranho”. E também permitem a escravatura (Levítico: 25; 44 – 46) “E quanto ao teu escravo ou à tua escrava que tiveres […] deles comprareis escravos e escravas […] também os comprareis dos filhos dos forasteiros que peregrinam entre vós […] e possuí-los-eis por herança para os vossos filhos depois de vós”!… Exactamente como se o escravo fosse um objecto de ser usado de mão em mão, assim como uma jarra ou um penico!

Gostava de conhecer o comportamento social diário desses “puristas-queimadores-de-livros” alegadamente por “respeito aos autóctones”! Se calhar ainda ia concluir que alguns deles mereceriam ocupar o lugar dos livros nas suas tão queridas fogueiras!… Estará tudo doido, ou sou eu que estou a ver mal a coisa?!…

(O autor obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Opinião de Onofre Varela sobre a reescrita da história.
Imagem de Anuj Chawla por Pixabay
1 de Outubro, 2021 João Monteiro

AAP condena a oferta autárquica de quadro religioso

29 de Setembro de 2021

Comunicado de Imprensa

Associação Ateísta Portuguesa condena a oferta autárquica de quadro religioso pago com o dinheiro dos contribuintes

A Câmara Municipal de Gaia pagou dez mil euros ao artista António Bessa por duas pinturas que assinalam a aprovação do concurso público para a ponte D. António Francisco Santos, nome do antigo Bispo da Diocese do Porto e cuja escolha a Associação Ateísta Portuguesa (AAP) já criticou. Os dois quadros, sob o título “A ponte que nos une”, retratam cada um respetivamente o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, e o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues. Em ambos os quadros cada presidente aparece acompanhado do antigo bispo portuense, de jovens, de uma “Nossa Senhora” e do Santuário de Fátima como pano de fundo.

Esta situação já confirmada pelo “Polígrafo”, plataforma de verificação de factos, levanta dois problemas: um de ordem material e outro de ordem simbólica.

Por vivermos num estado laico, em que há separação clara entre o Estado e a Religião, a AAP condena o facto de uma Câmara Municipal utilizar o erário público para comprar uma obra religiosa. 

Que fique claro que nada impediria que o cidadão e artista António Bessa oferecesse uma obra da sua autoria, mesmo que religiosa, aos autarcas. Diferente é ser pago por uma instituição autárquica laica para produzir uma obra religiosa, que ainda por cima favorece uma religião em particular: a católica. 

Além disso, uma obra de arte nunca é neutra, trazendo consigo vários significados, muitos deles simbólicos. Assim, “a ponte que nos une” pode ser entendida literalmente como a ponte que unirá as cidades de Porto e Gaia, mas também os laços estratégicos que unem os dois presidentes de autarquias vizinhas. Mas a obra pode ter ainda um terceiro significado: tendo como peça central o antigo bispo e como pano de fundo Fátima, a religião pode ser entendida como a ponte que une a política dos dois autarcas. Portanto, é também pelo valor simbólico da obra, e não apenas pelo valor pecuniário desviado ao erário público, que a AAP condena esta oferta do quadro do Presidente de Gaia ao Presidente do Porto. 

Lembramos que a esfera religiosa deve permanecer afastada da esfera política, em respeito aos valores da República e da Laicidade que tanto custaram a estabelecer. 

10 de Setembro, 2021 João Monteiro

In Memoriam: Jorge Sampaio

Faleceu hoje Jorge Sampaio (1939-2021), que foi advogado, presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1989-1995) e Presidente da República Portuguesa (1996-2006). O seu percurso será lembrado como uma vida dedicada à causa pública, como opositor à ditadura e pela sua atitude Humanista, em particular através da criação de oportunidades de integração para com os refugiados. Jorge Sampaio foi um ateu assumido, sem receio que isso o afetasse politicamente.

Em 2017, a propósito de uma homenagem a José Medeiros Ferreira organizada pelo IHC – Instituto de História Contemporânea, da FCSH-UNL, disse:

“Saímos do nada e voltamos para o nada. Entre estes dois pontos estende-se o ato da vida. Todos sabemos que é assim, mas como quase nunca sabemos a cronologia dos acontecimentos, pensamos mais no dia de amanhã do que no do fim.”

Prestamos os nossos pêsames aos familiares e amigos.

Direção da Associação Ateísta Portuguesa

Jorge Sampaio (1939-2021)
10 de Setembro, 2021 João Monteiro

Ateu, graças a Deus

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Trevim.

É comum ouvirmos os crentes darem graças a Deus pelos mais diversos motivos: por terem saúde, por terem trabalho, por chover ou não chover, por fazer sol ou por terem feito boa viagem. Do mesmo modo os religiosos islâmicos – os da facção mais extremista e negativa – também evocam Deus antes de se fazerem explodir entre a multidão de um mercado, de uma estação de Metro ou de um aeroporto. Excluindo desta apreciação os bandidos que matam convictos de estarem a executar uma acção de santidade, sobram aqueles que têm de Deus a mais pacífica das imagens e, em seu nome, procuram ser bondosos. Muitos destes são, essencialmente, hipócritas. Afirmam-se boas pessoas dando esmola na igreja e oferecendo pacotes de arroz para missões caritativas, porque a ideia que têm de Deus é a de um polícia e juíz que espia e condena os crentes apanhados em falso. Soubessem que Deus estava distraído, ou que não existe… e borrifavam-se na caridadezinha social!

(Aliás, a caridade por hábito religioso [que não em situações extremas de calamidade] deve ser substituída pela obrigação social do Governo promover o bem-estar dos cidadãos. É essa a primeira e mais importante missão de um Governo, e é para isso que foi eleito. A caridade não resolve o problema da fome… ajuda a mantê-la! Os carenciados deste ano são os mesmos do ano passado, acrescentados de outros que a caridade produz quando os governos não resolvem o problema na sua base. Só há necessidade da caridade pública quando o Governo não é eficaz).

Estamos programados para dar graças a Deus pelos bons desfechos. Dizemos “graças a Deus fizemos boa viagem”, quando chegamos bem ao nosso destino. Se houver um acidente, nunca dizemos “graças a Deus espatifamos o carro e o tio Zé morreu”!… O que não se entende!… Porque sendo Deus o guardião de todos nós, deve ser responsabilizado, também, pelos maus desfechos, pois retirou-se do seu posto de vigia precisamente no momento em que fazia mais falta!… E quando os meus piadéticos amigos me dizem “és ateu graças a Deus”, não fazem ideia da verdade que estão a proferir para além da anedota que os motiva a debitarem essa frase velha como o mundo.

Vejamos: Um crítico literário, ou cinematográfico, só existe porque existe Literatura e Cinema. Se não existissem estes, não havia razão para existirem aqueles! Do mesmo modo, um Ateu (a: partícula de negação; + teo: Deus) é um crítico do conceito de Deus. Se não existisse o conceito, não haveria lugar para a existência dos seus críticos. Na verdade é graças a (o conceito de) Deus, que os ateus (seus críticos) existem!

(O autor escreve sem obedecer ao último Acordo Ortográfico)

OV

2 de Setembro, 2021 João Monteiro

Ainda os abusos sexuais exercidos por religiosos

Texto de Onofre Varela, publicado na Gazeta Paços de Ferreira.

Já aqui divulguei que o jornal espanhol El País tem um departamento que se dedica a investigar casos de pedofilia protagonizados por sacerdotes, ou outros profissionais, em estabelecimentos de ensino administrados pela Igreja Católica. Tal departamento recebe depoimentos de ex-alunos (que dizem terem sido abusados sexualmente enquanto crianças ou jovens) e depois investiga.

(Bem sei que o abuso sexual não é exclusivo de agentes religiosos da fé católica com, ou sem, responsabilidades no ensino. Mas, dado o conceito de “amor” tão difundido pela Igreja, bastaria um único caso de crime sexual dentro da sua organização, para que o seu propalado amor fosse considerado uma farsa a merecer crítica severa).

Na sua edição de 24 de Julho último, o El País conta haver uma investigação criminal à instituição religiosa católica designada por Maristas, sediada em León. A investigação chegou a 20 colégios em todo o território espanhol e abarca casos de pedofilia cometidos entre as décadas de 1950 e 1990. Só na Galiza contam-se denúncias de 13 religiosos, e nas investigações já encetadas em 16 centros contam-se 18 vítimas. Em León há cinco acusados num só colégio.

As investigações espalham-se por instituições situadas em Madrid, Barcelona, Valência, Granada, Bilbao, Erandio (Biscaia), Artzeniega (Álava), Pamplona, Toledo, Badajoz, Málaga, Múrcia e Elche. Os abusos são relatados como sendo cometidos em salas de aula vazias e em dormitórios, por treinadores de basquetebol, pelo enfermeiro e pelo próprio tutor… todos eles professores com fama reconhecida.

A seu tempo houve várias denúncias de pais e alunos que não serviram de nada. Hoje, os queixosos são antigos alunos com idades que ultrapassam os 70 anos, contando-se entre eles profissionais como professores, médicos e empresários, que guardaram segredo por toda a vida, não revelando os abusos de que foram vítimas, nem às suas famílias nem às autoridades. A maioria dos sacerdotes acusados pelos ex-alunos mais idosos, já faleceram.

Nos últimos anos foram acusados 36 Maristas, maioritariamente em colégios catalães, onde a ordem religiosa chegou a acordo com a Justiça e as vítimas, pagando indemnizações no valor de 400.000€ a 25 famílias.

Os actuais responsáveis pela instituição Marista pedem perdão a todas as vítimas por terem falhado, reconhecendo que não foram capazes de proteger e cuidar dos seus alunos como era sua obrigação.

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

Onofre Varela

Texto de opinião de Onofre Varela, sobre os abusos sexuais na Igreja.
Imagem de Zoltan Suga por Pixabay
1 de Setembro, 2021 João Monteiro

Voltando à defesa do Ateísmo

Texto de Onofre Varela, publicado na Gazeta de Paços de Ferreira.

Terminada a série de quatro artigos onde abordei a vida aventurosa do Padre/Arqueólogo Eugénio Jalhay, regresso ao teor dos meus artigos habituais nesta coluna em defesa do Ateísmo.

Para quem pense que, pelo facto de eu ser ateu, deveria dizer mal de tudo quanto cheire a Igreja e de todas as acções dos sacerdotes… terá de rever esses seus pensamentos conspurcados por um fundamentalismo que deve evitar em nome de uma decência comportamental.

O facto de ser ateu não impede o meu elogio a sacerdotes e outros agentes religiosos quando o elogio se impõe, como foi o caso de Eugénio Jalhay. E isto é assim porque um ateu, antes de ser ateu, é homem… com todos os defeitos e todas as virtudes que são comuns a qualquer ser humano.

Um dia, em conversa com um amigo sacerdote católico, falei das razões que me levaram a ser ateu. Ele não só me entendeu como usou um discurso semelhante ao meu, o que me levou a dizer: “Espera lá!… Afinal, quem é o ateu? Sou eu ou és tu?!”. Respondeu-me que a verdade que salta aos olhos não pode ser escamoteada nem ter outra interpretação.

Esta casualidade de discursos idênticos, vindos de um ateu e de um homem de fé, foi referida pelo poeta inglês T. S. Eliot em relação ao livro “Porque Não Sou Cristão” do filósofo ateu inglês Bertrand Russel, que foi editado em 1927. Disse ele: “O senhor Russel supõe que não é Cristão porque é ateu […] quando nos familiarizamos com o Ateísmo reconhecemos que é, frequentemente, uma variedade do Cristianismo”.

O teólogo alemão Rudolf Bultmann, na década de 1960, defendia um “Cristianismo arreligioso”, retirando a Jesus Cristo a carga mitológica com que o enfeitam enquanto “filho de Deus”, tornando-o puramente humano. E o seu colega, também teólogo, J. L. Altizer, propôs a ideia do “Ateísmo Cristão”.

Por cá, por estas nossas terras lusitanas onde o Ateísmo é tão vilipendiado sem qualquer razão racional para isso (sendo-o, apenas, por questões culturais e preconceituosas), o pensador, professor universitário e escritor açoriano, Vitorino Nemésio, no seu programa de televisão dos anos 60, “Se Bem Me Lembro”, onde proferia palestras que eram, sempre, interessantes, disse um dia: “Sou, contraditoriamente, religioso e ateu…”. Esta é a conclusão de um homem sábio: religioso pela positividade de alguns conceitos comportamentais inscritos na Bíblia – o livro eleito por Judeus e Cristãos – como, por exemplo, “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico: 19; 18) o que, se fosse bem considerado, impediria guerras e outros conflitos; e ateu pela racionalidade científica que coloca cada coisa no seu lugar natural, fazendo, de cada um, um verdadeiro conhecedor… o que, inevitavelmente, nos conduz para a via do pacifismo!

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

Imagem de un-perfekt por Pixabay