Loading

Autor: Onofre Varela

11 de Março, 2024 Onofre Varela

Acreditar em Deus

Um dia perguntaram a Agostinho da Silva, sem mais nem para quê… assim à “queima-roupa”: “Acredita em Deus?”. O filósofo respondeu: “Depende. Se você me disser o que é Deus, pode ser que eu lhe diga se acredito ou não”.

Não conheço resposta mais concreta e acertada para tal pergunta! Na verdade não se pode negar a existência de Deus assim, tão simplesmente, porque logo a seguir a essa negativa se colocaria a questão: se Deus não existe, porque é que estás a falar dele? Se não existia até aqui, passa a existir a partir deste momento, caso contrário não se entenderia porque estás a nomeá-lo!

Só se pode negar ou afirmar aquilo que se conhece. E aquilo que eu conheço do conceito de Deus (o conceito, sim, existe) não merece crédito de existência real fora do conceito que é, nem fora da mente de quem o afirma. O deus apregoado pelas religiões é definido como um ser espiritual, mas tem personalidade e forma, produz milagres e orienta os homens, castiga e premeia, dá e tira, e reina num universo paralelo onde nos espera depois de morrermos para nos premiar com felicidade eterna, ou nos condenar também eternamente.

Este deus, pintado assim, desta maneira tão infantil para o raciocínio de um adulto saudável, definitivamente, não pode existir. As leis da física e da química não permitem a existência de uma coisa com tais poderes!

Imagem de Michelangelo Buonarroti no Freepik

As opiniões que contrariam a fé dos crentes costumam incitá-los à recusa imediata da opinião do outro, sem qualquer raciocínio crítico que os levasse a comparar ideias antes de negarem o “incrédulo demoníaco”. Seria mais razoável enfrentarem os factos contrários à sua fé, analisá-los com isenção, e concluírem depois. Se assim fizessem, as crenças religiosas perderiam a maioria dos seus adeptos por terem adquirido conhecimento ou se encontrarem com a dúvida.

A ignorância produz fé religiosa, e a informação, elimina-a. A fé que hoje habita o pensamento da maioria dos crentes, tem características da medievalidade do pensamento e não é compatível com a nossa época. As Ciências Humanas e Naturais arruinaram definitivamente as premissas dos dogmas religiosos que pertencem, cada vez com mais consciência, ao reino da fábula, ou da fantasia.

Na crença entregámo-nos ao sonho mais inconcretizável e à simulação, e somos vítimas de alucinações! Para o princípio da causa das coisas, há religiosos que defendem o Génesis contra a Ciência, convictos de estarem com a verdade!… Para uma mudança de atitude, bastaria que se entendesse uma coisa tão simples como isto: Para produzir um petisco tão comum e rotineiro, como é um ovo estrelado, é necessário, no mínimo, a existência de cinco elementos prévios. A saber: 1 – O ovo; 2 – Uma gordura; 3 – Um recipiente resistente ao calor; 4 – Uma fonte de calor capaz de fazer ferver a gordura; 5 – O cozinheiro, que prepara o cenário e parte o ovo sobre a gordura, esperando o momento certo para o retirar e servir. Sem estes cinco elementos podemos ter muita vontade de comer um ovo estrelado, e por mais que rezemos na esperança de que o ovo apareça estrelado à nossa frente… nunca mais saciaremos a nossa vontade, e morreremos ougados por um ovo!… Tal como morremos “ougados por saber”, quando tudo o que pensamos tem a marca de uma qualquer religião deísta.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

8 de Março, 2024 Onofre Varela

Somos como somos… e eu sou um ateu-cristão!

No tempo em que a nossa espécie vivia em pequenas hordas, todos obedeciam à autoridade de um chefe, provavelmente o elemento macho mais velho, ou mais forte, do grupo que se submetia a um regime patriarcal. A autoridade familiar era ditada pelo pai e exercida por impulsos de várias ordens: de alimento, de luta e de sexo. Todo este poder do patriarca era exercido com prazer, e supõe-se que as mulheres da tribo lhe pertenciam.

O correr do tempo fez funcionar a nossa parte mais racional que nos conduziu à Civilidade, à Moral e à Arte. No mesmo embrulho do raciocínio há um outro valor do pensamento: a Religião. Ligado à moral, seria o sentimento maior que aglutinava todos os outros, limando a animalidade ditada pela nossa condição de antropoides e predadores, e usando a ética que nos transformou em pessoas.

Talvez possamos dizer que a Religião (ou a ética nela acoplada), embora hoje saibamos ser uma ilusão, teria sido o elemento responsável pelo travão que parou o “animal” para dar passagem à “pessoa”. O Homem de hoje é o resultado de toda a História construída ao longo de centenas de milhar de anos.

Hoje sabemos que o estágio actual da nossa evolução nos faz entender a ilusão que a Religião é, e o seu efeito anestesiante nos momentos em que precisamos de nos abandonarmos nos braços da mãe que já não temos… mas que o conceito de Deus pode substituir.

Desta necessidade primeira que deu corpo à nossa sensibilidade, ferramenta com a qual construímos a civilização e a ética, também acabou por surgir o negócio do credo em forma organizada por igrejas ou seitas que exploram as mentes mais dadas à crença e ao temor da divindade.

De todas elas temos que nos precaver, estando atentos aos seus discursos, interesses e intenções, que podem não ser coisa boa, ou não tão boa como pode parecer à primeira vista e todas elas garantem ser!… Não nos devemos entregar cegamente à ideia de um deus redentor e salvador, abandonando a Razão filosófica que deveremos possuir como bitola padronizadora das nossas reacções, do nosso raciocínio e dos nossos actos.

Comparando Religião e Futebol, ambos são coios de interesses na exploração das mentes mais débeis. Se o futebol alguma vez foi exemplo de ética, deixou de o ser quando se transformou numa indústria “mafiosa”. Também existe uma indústria da fé, não porque “salva” pessoas, mas porque dá lucro e poder aos líderes das religiões. Sejamos críticos da ideia do divino e estejamos atentos ao que nos querem vender como “Única Verdade”.

Se é verdade haver um mercado da fé que faz o seu caminho na ajuda do outro (o que é sempre de louvar), não é menos verdadeiro haver nele um bom número de péssimos representantes da espécie, aglomerados em cachos de extremistas e comerciantes, dos quais nos devemos separar como se separa o trigo do joio.

Por tudo isto, e mercê do ambiente em que fui educado (porque ninguém foge às suas origens) e da consciência que tenho do meu modo de ser, me considero (e sou-o, naturalmente, mesmo que não me considerasse) um “Ateu-Cristão”. Isto é: um ateu de raiz (educação) cristã.

Se eu tivesse nascido num país islâmico e continuasse a ser ateu, seria um “Ateu-Muçulmano”… se me permitissem afirmar-me ateu!… Há países muçulmanos onde um ateu confesso não tardará a ser cadáver!

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

8 de Março, 2024 Onofre Varela

Humor e religião

NOTA EDITORIAL: Entramos em Agosto, o mês de férias por excelência. Recuperamos um conjunto de prosas de Onofre Varela, escrito em três partes, mas que reunimos aqui num texto único para uma leitura mais fluida.

É sabido que o riso é fundamental na manutenção da saúde. Quem dá umas valentes gargalhadas diariamente e, principalmente, se consegue rir de si próprio, raramente está doente. Para além deste valor profiláctico, o sentido de humor também é sinal de inteligência; quem o usa consegue melhor qualidade de vida para si próprio e, invariavelmente, partilha-o com amigos, familiares e conhecidos próximos.

Na nossa sociedade há imensa gente a tentar fazer-nos rir, começando pelos hilariantes políticos que temos e que dizem estar ali, onde estão, no Hemiciclo de S. Bento, no Governo ou nos Partidos, apenas para nos engrandecer, nos governarem bem (dizem eles) e fazerem-nos imensamente felizes… cago-me a rir com tais anedotas!…

Para lá destes tristes humoristas, há os outros, os autênticos, que nos encantam em palco, na rádio e na televisão. De entre estes produtores de riso não é raro (é, até, demasiadamente habitual) haver criadores que vivem bastante mal, mercê das acções dos outros humoristas das bancadas políticas.

No naipe dos autênticos e verdadeiros humoristas que nos fazem rir e pensar, destaca-se o actor multifacetado Herman José. Recordo que em 1994, Herman teve um programa no canal 1 da RTP, denominado “Herman Zap!”, de grande audiência e agrado nacional. Um dia, nas suas rábulas, criou uma Última Ceia de Jesus, humorística. Grande gaita… caiu o Carmo e a Trindade!…

A Igreja Católica não achou piada nenhuma àquele excelente trabalho de comédia, e protestou (aliás, caracteristicamente, os agentes religiosos têm um humor idêntico aos dos políticos que nos querem comer. E quando os religiosos censores do humor são fundamentalistas islâmicos, cobram o riso assassinando quem o produz).

O bispo Maurílio Gouveia, então responsável por um gabinete que julgo denominar-se “Episcopado para a Comunicação”, apressou-se a dizer que “O programa ridicularizou o que há de mais sagrado na fé dos cristãos: a eucaristia”.

A série de programas foi interrompida e realizaram-se mesas redondas debatendo a questão religiosa e a liberdade de expressão. Marcelo Rebelo de Sousa, então presidente do PPD, declarou: “Vejo com preocupação que, sendo um canal de serviço público, nele se encontrem mensagens que podem ser consideradas ofensivas de valores partilhados pela maioria dos portugueses e também ofensivas de instituições particularmente relevantes como é a Igreja Católica”.

Herman José mostrou-se surpreendido pela reacção da Igreja, declarando: “Deus deve estar a rir-se às gargalhadas da mesquinhez de quem criticou o Herman Zap!”.

O escândalo armado pela Igreja Católica à volta do programa de humor e diversão “Herman Zap!”, em 1994, levou à realização de uma Mesa Redonda na RTP em horário nobre, tal era a importância da matéria em apreço.

Discutiu-se aquele programa transformado em tragédia nacional pela Igreja, com um painel diversificado, do qual fazia parte Frei Bento Domingues e um professor universitário católico. Este, manifestou-se totalmente contra o programa de humor em questão, considerando-o demoníaco ou próximo de tal apreciação.

Já Frei Bento Domingues (único interveniente que podia, licitamente, representar a Igreja por fazer parte dela) sublinhou estar ali particularmente, não representando mais nada nem ninguém, para além dele próprio. Pareceu-me ser o interveniente que teve a opinião mais lúcida. Declarou ter visto o programa e não ter encontrado nele nada que beliscasse a sua fé. Confessou que até lhe achou graça: “Aquilo tinha a ver com o meu riso, não com a minha fé”, disse.

É sempre bom sabermos que a Igreja não é só composta por fanáticos intolerantes, saídos de amarelecidas e mal cheirosas folhas de pergaminho arrancadas a um livro medieval. Felizmente (principalmente para ela própria, para o seu futuro e para a sua credibilidade) que também conta com membros dotados de “inteligência exterior à fé”, como é o caso de Frei Bento Domingues.

Mais recentemente, na madrugada do dia 24 de Dezembro de 2019 (era então Jair Bolsonaro dono do Brasil e dos brasileiros) houve um ataque com cocktails Molotov à sede da produtora de conteúdos televisivos Porta dos Fundos, como protesto pela transmissão televisiva de um sketch cómico com o título “A primeira tentação de Cristo”, na qual Jesus era representado como um jovem que teria uma experiência homossexual, e também se insinuava que o casal bíblico Maria e José viveu um “triângulo amoroso com Deus”.

Eu vi o programa e não lhe achei a graça que, provavelmente, os seus autores pretendiam. Teve dois ou três momentos de humor, e o restante, para o meu gosto e de acordo com o excelente trabalho que já vi do mesmo grupo, era francamente mau. Para mim tinha uma qualidade muito rasteira… mas, daí, até se lançarem bombas contra a empresa produtora do programa, vai uma distância abissal!…

Pode-se gostar, ou não gostar, de qualquer programa televisivo, como se gosta, ou não se gosta, de um livro, de uma música, de um filme ou de uma personalidade pública; e é lícito criticar aquilo (ou aquele e aquela) de que não gostamos. Numa sociedade livre e democrática (como deve ser o Brasil moderno) quem se considera ofendido na dignidade ou no mais profundo das suas convicções, apresenta o seu protesto às entidades competentes para julgar o caso. A Democracia e a Justiça farão o seu trabalho… mas um ataque à bomba é crime! 

Naquele momento a política brasileira contava com acções da Direita mais extremista que apoiava Bolsonaro. A liberdade de expressão e de criação artística estava comprometida e o próprio filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, deputado por São Paulo, foi uma das figuras públicas a condenar o sketch. Os actores Gregório Duvivier e Fábio Porchat, responsáveis pela “Porta dos Fundos”, declararam: “Não nos vamos calar! Nunca!”. Eu apoiei-os, embora aquele trabalho não me agradasse, mas defendo a sagrada liberdade de expressão.

Um dia depois do atentado, um grupo ultra-nacionalista intitulado Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Grande Família Integrista Brasileira, reivindicou a responsabilidade do atentado.

O espírito que sobressai do nome deste grupelho leva-me a entendê-lo como uma espécie de Ku-Klux-Klan e de agrupamento Nazi. Só grupos de tal índole atacam a liberdade de expressão, alegadamente em favor de um ultranacionalismo balofo, desusado, fundamentalista e criminoso.

E será que os criminosos bombistas, insatisfeitos com o trabalho humorístico da Porta dos Fundos, entenderam o sketch? Será que conhecem a passagem bíblica que lhe deu origem?

Os religiosos que se sentem ofendidos com uma comédia quando ela brinca com elementos da sua crença, devem protestar nos locais próprios que os regimes democráticos têm para esse fim. 

No caso do atentado brasileiro duvido do sentimento cristão do grupo de criminosos-nacionalistas, cuja reacção foi atacar à bomba!… Este acto poderá estar relacionado com o actual regime político que permite a violência e tem gente da IURD sentada no Parlamento, sendo que o próprio presidente é afecto a essa seita dita evangélica, e por muitos apontada como criminosa. 

Os extremistas muçulmanos também reagiram com metralhadoras contra o jornal satírico Charlie Hebdo, em 2015, matando 12 jornalistas-cartunistas, só porque não gostaram de uma crítica a Maomé! Os extremistas religiosos e patrióticos não pensam para além do tabu sacramental de Deus e da Pátria. Não têm sentido de humor, nem nenhum outro sentimento que não seja o da vingança violenta. A interpretação que fazem dos textos religiosos é programada pelos gurus das seitas e dos credos, e não pela sua capacidade de entendimento. 

No caso da comédia brasileira, aludindo uma hipotética homossexualidade de Jesus, ressaltam alguns condicionamentos mentais dos crentes que os levam à irritação, à fúria e ao crime. Desde logo, temos a própria homossexualidade que é condenada por si só e que os crentes rotulam de “pecado”. E depois… não lêem a Bíblia! Dizem ser o seu livro sagrado, mas não têm a mínima ideia do seu conteúdo! 

No Novo Testamento (João: 13; 21-30) é narrada uma cena incluída no capítulo onde se encontra a célebre frase de Jesus: “Na verdade vos digo que um de vós me há-de trair”. Perante esta denúncia, os seus discípulos olharam-se, perplexos com o que o Mestre lhes dizia. A parte curiosa desta narrativa está nesta frase: “um dos seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus”. Quer dizer que Jesus só amava um dos discípulos (ou amava-o mais, ou de modo diferente, do que a todos os outros?), que por acaso era aquele que se encontrava ao seu colo, na posição de reclinado… isto é, deitado… o que presumia alguma intimidade para além da amizade. 

Simão Pedro fez sinal a esse jovem a quem Jesus amava, para que perguntasse ao Mestre quem era aquele que o haveria de trair. O jovem aproximou a sua boca do rosto de Jesus e perguntou: “Senhor, quem é?”. Segundo esta narrativa, aquele a quem Jesus amava e que se reclinava sobre o seu seio, era seu confidente e porta-voz. Através dele os outros discípulos dirigiam-lhe as questões e ouviam a resposta (pelo menos naqueles versículos). 

A interpretação desta passagem bíblica pode ser variada… e uma das variações, tão válida como qualquer outra, pode ser entendida como havendo uma relação íntima entre aqueles dois homens. Não é à toa que os autores teatrais tratam os assuntos históricos ou míticos. Eles lêem, estudam e investigam, para poderem fundamentar as suas estórias que passam em palco, na televisão ou no cinema. Ao contrário, os fundamentalistas bíblicos só têm uma interpretação – a radical – e baseados nela arrogam-se o direito de lançar bombas contra aqueles que, dando cumprimento ao seu trabalho de criar rábulas teatrais (ou cartunes), atingem um nível de raciocínio que está vedado aos agressores. Por isso se radicalizam… e o governo brasileiro de Jaír Bolsonaro alimenta essa radicalização e parece apoiar os seus actos!… E se estes terroristas não forem apanhados e julgados… não parece que os apoia… apoia-os mesmo! 

Termino transcrevendo uma frase do meu camarada cartunista Zé Oliveira: “Produzir humor é um acto de inteligência. Produzir terror é um acto de estupidez bárbara”. (Fim)

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

6 de Março, 2024 Onofre Varela

O Negacionismo

O Cristianismo, nos seus conceitos fraternos – expurgado do mito que lhe dá forma enquanto religião aludindo o Filho enviado por Deus – tem positividade. Mostra-nos uma filosofia universalista no respeito devido ao outro. 

Esta sua característica aproxima-o do Ateísmo… mesmo que católicos e outros cristãos se sintam escandalizados ou ofendidos com tal aproximação! A diversidade de sensibilidades (e cada Ser Humano é uma arca cheia delas) faz com que haja quem repudie tudo quanto tresande a Igreja, e quem fuja de tudo quanto cheire a Ateísmo. Parece não haver meio termo!

Todos estamos habituados a ouvir opiniões negando os mais variados temas, desde o holocausto judeu perpetrado pelo nazismo de Hitler, passando pela honestidade dos políticos e pela boa prática dos juízes que temos, até à chegada do Homem à Lua, por exemplo. Negar a existência de Deus não é mais uma variante destas negativas que não passam de opiniões com pouco suporte para serem mantidas e aceites como reais; algumas delas, até, nem passam de invenções grosseiras e hilariantes, como são a negação da viagem à Lua e a afirmação de que o mundo é plano. 

A negação de Deus também não se enquadra no tipo do negacionismo do holocausto judeu, nem no efeito de estufa na atmosfera agredida pela poluição da indústria e da pecuária, mais a perigosidade do Covid-19, por pura ignorância e estratégia eleitoral como fizeram Trump e Bolsonaro. 

Negar ou afirmar o que quer que seja, tem de basear a opinião em algo que mereça credibilidade e se mostre razoável aos olhos dos outros, para poder ser aceite como real ou irreal o objecto que se garante existir, ou não existir. Quem nega algo, afirma alguma coisa contrária ao objecto da sua negação, convicto de possuir a verdade sobre aquele assunto. 

O que é a verdade?… É um valor absoluto, tal como o bem. Todos reconhecemos o bem e sabemos distingui-lo do mal, porque conhecemos os dois e é-nos fácil fazer a destrinça. Mas quanto à verdade, acontece este fenómeno curioso: cada um de nós tem “a sua própria verdade”!… 

Há “verdades” que, no decorrer do tempo, se tornam falsas quando são ultrapassadas pelo conhecimento que nos demonstra não ser verdadeiro aquilo que, até aí, se anunciava como real. Algumas destas “verdades-falsas”, quando enquadradas em sistemas filosóficos de pensamento, continuam “verdadeiras” apesar de poderem ser fantasiosas, ou mesmo garantidamente falsas. Podemos dar como exemplo a verdade oficializada pela Igreja no tempo da Inquisição Católica que afirmava a Terra numa posição fixa no centro do Universo, e que o Sol se movimentava à sua volta para nosso puro deleite, porque Deus assim quis e fez. E se Galileu Galilei (quando disse: “olhem que não!…”) não se tivesse retratado, teria sido morto pelos fiéis afirmadores daquela “verdade-falsa”. A figura de Deus, quando afirmada como real, enquadra-se neste último caso. 

A verdade, quando o é realmente, não admite outra opinião. Por exemplo: “a relva é verde e a neve é branca” é uma verdade indesmentível e só alguns daltónicos a podem negar… mas todos sabemos (incluindo os daltónicos) que a verdade das cores não pode ser aferida pelos seus olhos. 

A afirmação da existência real (que não do conceito) do ser, ou coisa, designada Deus, será uma espécie de “daltonismo” dos espíritos crentes?… 

Querem lá ver que “daltónicos” são os ateus?!…  

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

5 de Março, 2024 Onofre Varela

Fundamentalismos e “Verdades Falsas”

As relações entre os Homens nunca foram fáceis. Jamais o serão. Manifestam-se mais complicadas na Política por ser a “arte de governar povos”… a qual nunca foi pacífica. Cada grupo social ou político (às vezes, até, cada elemento da mesma família na mesma casa) tem a “sua verdade”, apregoada como oposta à “verdade dos outros”. Todos os partidos políticos querem (ou dizem querer) o melhor para o país (às vezes só para um extracto social), estando em total desacordo com as práticas de outros partidos que, mesmo apregoando a defesa dos mesmos interesses, usam modelos não coincidentes. Cada um considera-se detentor da verdade que imagina, e garante, ser única… e sua!

Quando se trata de aferir a verdade sobre qualquer tema, o modo de o conseguir com realidade só se encontra na “explicação científica”. Porém, em Política a “verdade” não é de cariz físico nem químico… é uma “filosofia gestora”, e cada um defende a sua com a mesma legitimidade do outro. A “verdade” apregoada por cada um, será aferida pela prática da filosofia publicitada, o que só acontece depois de sufragada… e muitas vezes revela-se um fracasso para o Povo que votou nela, ao constatar que foi enganado… e aprendeu tarde!

Quanto à “explicação científica”… ela também pode estar submetida a uma certa dúvida e por isso a porta da explicação nunca é fechada definitivamente, já que a todo o momento pode haver uma investigação, um achado ou uma observação, que venha alterar aquilo que, até aí, era “a verdade” sobre aquele assunto.

As religiões também se apresentam como “filosofias da Verdade”. Esta “Verdade” (com inicial maiúscula, porque divina) é das “verdades mais mentirosas” que eu conheço… imensamente mais do que as políticas!

No campo da Religião a verdade nunca é científica. Por exemplo: não é verdade Maria ter engravidado sem relações sexuais, porque a natureza da gravidez só dispensa o acto sexual se for conseguida em laboratório por inseminação artificial (o que não podia ter sido o caso de Maria). Do mesmo modo, Jesus nunca poderia ter ressuscitado se estivesse morto… se “ressuscitou”… estaria no estado de coma?!… Não é verdade a transformação da água em vinho, nem a multiplicação dos pães, nem o caminhar sobre as águas. Trata-se de narrativas fabuladas… e até são bonitas!… Mas não configuram realidades históricas.

Também não é verdade que santinhas e santinhos possam intermediar curas milagrosas levando o pedido a Deus, o qual, com o seu poder sulfamida curativo à distância, resolve o problema do olho da senhora Guilhermina que foi todo queimadinho com azeite a ferver! Se esta intermediação fosse verdadeira, tínhamos “no céu” o mesmo efeito parasitário das “cunhas” que tão bem conhecemos cá na Terra… o que, convenhamos, não é digno de um deus… ou será?!…

E depois há a própria ideia de Deus… que, assim, tal e qual como o inventado deus é pintado pelas religiões que o criaram e adoram, não passa de um aborto mal parido, de existência real impossível de ser concretizada, já que as leis naturais da Física e da Química não só o permitem, como até o contradizem!

Os Fundamentalismos não passam de colecções de “verdades falsas” impossíveis de confirmação, mas, curiosamente, são sempre apregoadas com o estatuto de verdadeiro e acrescentado da qualidade de “única Verdade”, tanto na filosofia religiosa apregoada por credos transformados em igrejas, como na filosofia social apregoada por credos políticos transformados em partidos com laivos de Religião deísta à mistura, quando se consideram uma espécie de “salvadores da Humanidade”.

Mas não se pense que o Ateísmo escapa a esta análise!…

Os ateus também contam com os seu fundamentalistas! Não são só os profundamente crentes que detêm tal estatuto… os profundamente descrentes também podem usá-lo!

Foto de Sara Calado na Unsplash

Assisti a uma manifestação fundamentalista de um companheiro ateu que criticou o modo de trajar de uma muçulmana por quem nos cruzamos na rua. Aquela senhora (com toda a legitimidade) vestia de acordo com a prática típica do grupo social, antropológico e étnico a que pertencia. O meu amigo, ao insurgir-se contra aquele modo de vestir (com a intenção de atingir criticamente uma Religião) esqueceu-se que vociferava contra uma vestimenta regional… que naquele caso era muçulmana, mas pertencia à mesma característica inserida numa etnia, que poderia ser de uma peruana, de uma sevilhana, de uma vianesa, de um campino do Ribatejo, de um sargaceiro da Póvoa ou de um pauliteiro de Miranda!…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

4 de Março, 2024 Onofre Varela

Opus Dei proíbe 79 livros de autores portugueses

De entre as particularidades radicais da Santa Inquisição contava-se a censura literária. Através do “Index Librorum Prohibitorum”, a Igreja proibiu a leitura de uma lista de livros, e quem os lesse seria perseguido e julgado. O nazismo de Hitler fez o mesmo, queimando livros em fogueiras públicas. Mais recentemente, em 2019, o Conselho Escolar Católico de Providence, no Canadá, repetiu a acção nazi da destruição de livros, queimando Banda Desenhada de Astérix, Tintim, Lucky Luke e Pocahontas, alegando conterem ideologia racista!…

A primeira das “listas negras” de livros, foi publicada em 1559 pelo papa Paulo IV (teria sido uma das suas últimas acções, pois morreu em 18 de Agosto do mesmo ano), e no decorrer de toda a história da Inquisição a lista foi editada 32 vezes, sendo extinta em 1966 por outro Paulo, o papa Paulo VI.

Hoje, neste nosso tempo tão moderno e no nosso país tão democrático e defensor das mais amplas liberdades, continua a haver listas de livros proibidos elaboradas por homens de fé. Recentemente tive conhecimento de uma: o “index” da seita vaticana Opus Dei (OD), contemplando autores como Eça de Queirós, José Saramago e Lídia Jorge, entre muitos outros. Em notícia assinada pelo jornalista Rui Pedro Antunes e publicada na edição do “Diário de Notícias” do dia 28 de Janeiro de 2013, à data, este rol de livros proibidos, contemplava 33.573 títulos (de entre os quais, 79 de autores Portugueses)!…

Esta atitude censória só pode ser tomada por quem não dá conta de que “o fruto proibido é o mais apetecido”… o que impede (ou pode, ou devia, impedir) o êxito da proibição, promovendo a sua crítica como reacção lógica de um espírito livre e decente.

Autores e especialistas portugueses mostraram-se indignados por a OD proibir a leitura de tais obras. Lídia Jorge diz que a Opus Dei deveria ter vergonha de usar tal tipo de listagem que também é arrasada pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA). Pilar del Río, presidente da Fundação Saramago e viúva do escritor, classifica este índice de “grosseiro e repugnante”, deixando várias críticas à OD: “É uma organização a que chamamos seita porque somos educados. Por acaso, eles não são.” Pilar revela ainda que Saramago nunca escreveu sobre a OD por não lhe atribuir qualquer importância e dignidade, e mostra-se ainda chocada pelo facto de haver “quem se submeta à irracionalidade das seitas”.

Lídia Jorge, que tem as suas obras “Costa dos Murmúrios” e “O Dia dos Prodígios”, inscritas na lista, confessou-se “chocada”. Disse que os membros da seita deviam ter “vergonha”, e classificou os autores da listagem de “gente retrógrada e abstrusa”. “São pessoas que desprezo porque se armam em mentores, em guardas morais, quando, no fundo, revelam uma ignorância absoluta sobre o papel da literatura.”

O presidente da SPA, José Jorge Letria, disse ao DN que “repudia a lista porque é atentatória da liberdade de expressão. Somos contra listas negras, sejam religiosas ou políticas”. Porém, Jorge Letria não se sentiu surpreendido com tal lista por saber que “corresponde à pior tradição das práticas da Igreja Católica, que nos faz lembrar a Inquisição”.

Quem está na lista e já não se pode defender, é Eça de Queirós, com os livros “A Relíquia”, “O Crime do Padre Amaro” e “O Primo Basílio”, que tiveram a honra de subir ao mais elevado nível de proibição. O antigo diretor da Biblioteca Nacional e especialista na obra queirosiana, Carlos Reis, assume a defesa do escritor, considerando que “qualquer lista de livros, ou similar, que contribua para limitar o acesso das pessoas à informação e à cultura é, por princípio, inaceitável”. É um procedimento “contrário a princípios fundamentais” e “abre caminho a repressões ou, no mínimo, a uma ‘vigilância’ que nenhuma religião ou ideologia tem o direito de impor”.

Porém, perante a lei, a lista é legal… pois qualquer associação é livre de, internamente, aconselhar a leitura de um livro aos seus associados, ou recomendar a não leitura de qualquer outro. Cabe a cada um dos associados usar o seu critério pessoal em detrimento do critério colectivo imposto pela seita a que se associa… o que, sabe-se, pode ser tarefa impossível… pois quem se habitua à “rédea curta” de uma ideologia ditatorial, ignora a liberdade… começando pelo uso da sua própria liberdade de pensar e de escolher.

(O autor escreve sem obedecer ao último Acordo Ortográfico)

OV

1 de Março, 2024 Onofre Varela

“Igrejas para Ateus”

Recentemente fui surpreendido com este mesmo título numa notícia de jornal virtual. Imaginei ser uma piada sobre associações de ateus… mas não… ao que parece são mesmo igrejas!… Igrejas com o mesmo sentido dos templos de fé, mas sem o “deus dos outros”, o que daria ao Ateísmo o estatuto de religião (que, etimologicamente, também é! Mas agora não me vou alongar com a origem do termo Religião e o seu significado. Para aqui interessa o sentido que a palavra terá (ou não terá) enquanto “fé num deus”).

Parece-me que o Ateísmo será Religião quando um sindicato operário for uma associação patronal.

No caso que comento, a notícia começa por dizer: “O declínio constante da Religião no mundo ocidental está actualmente a rever-se no crescimento das chamadas igrejas ateístas”, e refere que, de acordo com o Pew Research Center, os religiosamente não filiados são agora o segundo grupo religioso na América do Norte e na maior parte da Europa.

O professor Stephen Bullivant, da St Mary’s University de Londres, descobriu que mais de metade da população do Reino Unido não se identifica como sendo religiosa, característica que se tem vindo a acentuar desde há 50 anos, e que “ao mesmo tempo tem havido um crescimento do número de igrejas ateístas que visam reproduzir grande parte da atmosfera do serviço da igreja, mas sem religião”.

Ora… isto parece-me uma espécie de Metadona para os drogados que se querem ver livres da droga! Pode enquadrar-se no espírito de alguns daqueles que se transformaram em ateus depois de terem passado por qualquer fé religiosa, mas não de quem nunca entrou numa igreja com sentimento de fé e, por isso, não sente necessidade de um período de “desmame”, que seria a tarefa a desempenhar pelas “igrejas ateístas”.

No final da notícia dá-se conta da “igreja ateísta” mais difundida, como sendo a Sunday Assembly, sob o lema “Viva melhor – Ajude com frequência – Admire-se mais” que foi criada em Londres no ano de 2013 pelos comediantes Sanderson Jones e Pippa Evans.

Ah!… Assim já se percebe!… É comédia!…

Pois então viva a comédia. Eu também gosto de rir, e rio muito.

Em conclusão, a notícia diz que a maior parte das pessoas que frequentam estas “igrejas ateístas” sente uma “maior satisfação com a vida” graças ao poder da participação fortemente estimulada durante as reuniões.

Dentro da Sunday Assembly há quem defenda que nunca se deveria designar aquela instituição – e outras do género – como “Igreja Ateísta”. Neste entendimento, o filósofo Alain De Botton defende o nome “Humanismo Cultural”, sem qualquer conotação a modelos de religiões… ora aqui está alguém com cabecinha pensadora!… 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

28 de Fevereiro, 2024 Onofre Varela

NETANYAHU, O HERODES DE TELAVIVE

Segundo o evangelista Mateus (2;16), Jesus nasceu em Belém de onde saiu com idade inferior a dois anos levado pelos seus pais para o Egipto, na tentativa, conseguida, de fugir à ira do furibundo Herodes que mandou massacrar todos os bebés no intuito de garantir que acertava no menino que, segundo os seus magos, acabara de nascer e haveria de o contrariar em adulto ameaçando o seu poder. 

Assim fez o seu exército de lacaios servis, matando todos os bebés lá do sítio. Quando Herodes morreu, um anjo avisou José durante o sono para que regressasse à terra de Israel porque o menino já não corria perigo. 

(É curioso notar que em todas as estórias mitológicas das religiões, desde Abraão a Maomé, há anjos portadores de notícias transmitidas em sonho aos protagonistas adormecidos! Foi um processo encontrado pelos escribas dos registos religiosos para justificarem o conhecimento que os heróis das estórias bíblicas e corânicas teriam, num tempo em que não havia jornais, nem telexes, nem carteiros, nem a Agência Noticiosa Ecclesia e nem ésse-éme-ésses).

O problema desta narrativa está no facto de Herodes (cognominado O Grande), ter morrido quatro ou sete anos antes do nascimento de Jesus! Pode ter havido alguma incorrecção na contagem do tempo de factos históricos tão distantes e sem registos para consulta, e parece que o erro de datação teria sido cometido por um monge do século VI, de nome Dionísio (cognominado “O Pequeno” como contraponto a Herodes “O Grande”), a quem o papa Hormisdas (514-523) encomendou a tarefa de estabelecer como primeiro ano da era cristã aquele em que nasceu Jesus. O mais certo foi Dionísio ter-se baseado no Evangelho de Mateus (que não está historicamente correcto, tal como nenhum outro está), segundo o qual Herodes perseguiu Jesus Cristo recém-nascido, não tendo em conta as datas históricas. 

Esta prática de matar bebés e jovens, também foi seguida por Deus na estória bíblica das “Dez Pragas do Egipto”, a última das quais serviu para matar todos os primogénitos, tentando acertar no filho do faraó Ramsés II, que era, afinal, quem Deus queria ferir!… É um modo vil de actuar, mais vil ainda quando a ordem da matança parte de um deus!… 

Pelos vistos parece ser comum, naquela região do mundo, o uso do estratagema de matar todos os habitantes de uma região para acertar nas pessoas que se quer eliminar! No mesmo espaço geográfico, 3000 anos depois de Moisés e 2000 anos depois de Jesus Cristo, o esquema da morte “de-toda-a-gente-para-acertarmos-em-quem-queremos-matar” usa-a também Netanyahu, o actual chefe tribal dos israelitas!… Bombardeia a faixa de Gaza indiscriminadamente, destruindo zonas residenciais, equipamentos sociais, escolas e hospitais, arrasando cidades e até campos de refugiados, matando muitos milhares de gente indefesa, incluindo velhos e crianças (inclusive reféns israelitas que seguravam uma bandeira branca!), para tentar acertar nos elementos do grupo religioso-terrorista Hamas (tão religioso e tão terrorista como demonstra ser Netanyahu) e que, provavelmente… nem estarão lá!… 

O mundo assiste a esta barbárie executada pelos militares lacaios e servis de Netanyahu e dos seus parceiros de governo de extrema-Direita desumana (tal como fizeram os soldados que obedeciam à ordem do criminoso Herodes), sem haver quem mexa um dedo em defesa dos Palestinos assassinados em série… nem quem se levante contra os colonatos judeus que funcionam como grupos de bandidos tomando conta de casas e terras palestinas (e agora também matam palestinos por vingança do acto criminoso que o Hamas praticou em Outubro último). E há quem defenda o mandante desta destruição e destes assassínios bíblicos actuais, começando pelos EUA!… 

Humanamente Netanyahu está ao mesmo nível do outro chefe tribal que o antecedeu na História em cerca de três milénios: o criminoso Herodes!… Usa os mesmos meios para atingir os mesmos fins… mas pior do que isso (ou igualmente mau) é todo o mundo consenti-lo!…

(O autor escreve sem obedecer ao último Acordo Ortográfico)

26 de Fevereiro, 2024 Onofre Varela

Religião em aforismos

O substantivo “aforismo” designa um preceito moral – sentença ou máxima – popularmente designado por rifão ou adágio. Os aforismos são frases sábias que desconcertam pela sua assertividade. As religiões assumem-se protectoras de valores morais… mesmo praticando imoralidades escandalosas!…

A propósito desta realidade, o físico Steven Weinberg, disse: “Com ou sem religião, sempre haverá gente boa fazendo coisas boas e gente má fazendo coisas más. Mas, para que gente boa faça coisas más, faz falta a religião”.

Eis alguns aforismos e ditos de pessoas célebres, sobre religião:

– Desde a origem da Humanidade surgiram tantas religiões como idiomas, umas 100.000, todas elas únicas e verdadeiras.

– A física quântica não é uma religião porque se baseia em leis fundamentais da Natureza, não pretende regular o comportamento humano.

– A religião é um placebo existencial. Funciona como aspirina da alma.

– Uma crença religiosa sempre se deixa confirmar por uma realidade, mas nunca se deixa desmentir por uma realidade.

– Toda a teologia contém uma contradição intrínseca: o estudo racional do irracional.

– A literalidade é a interpretação mais inquietante de todas as interpretações bíblicas.

– A religião é uma colecção insustentável de absurdos.

– Em religião existe o mistério e ninguém espera que deixe de sê-lo. Em ciência também existe o mistério, mas todos esperam resolvê-lo.

– A liberdade religiosa nasceu, cresceu e triunfou longe da religião.

– Deus é o único ser que, para reinar, nem precisa de existir (Baudelaire).

– Se as pessoas são boas por temerem punição ou esperarem recompensa divina, então somos uma espécie lamentável (Albert Einstein).

– os homens da Igreja não pensam. Continuam a dizer aos 81 anos o mesmo que diziam aos 18 (Óscar Wilde).

– Crer em milagres é crer que Deus, para fazer-se crível, manipula as leis que ele mesmo criou (Baruch Espinoza).

– Se por um deus se entender um conjunto de leis da física que regem o Universo, então esse deus existe… mas é emocionalmente insatisfatório… não faz sentido rezar à lei da gravidade (Carl Sagan).

– Sou contra a religião porque ela nos ensina a contentarmo-nos com a nossa incompreensão do mundo (Richard Dawkins).

– A ideia de Deus é um conceito antropológico que eu não consigo levar a sério (Albert Einstein).

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

23 de Fevereiro, 2024 Onofre Varela

Fazer santos

A propósito do último artigo aqui publicado, pensei acrescentá-lo dizendo que das várias actividades a que a Igreja se dedica merecem-me especial destaque estas três por me parecerem principais: 

1) – Celebrações litúrgicas que prendem os crentes ao culto carregando-lhes a bateria da fé; 

2) – Acções caritativas e gestão de instituições sociais com subsídios estatais; 

3) – Produção de santas e santos com o estatuto de deuses menores, preenchendo altares e colectando receita, porque a Igreja, sendo indústria do espiritual, não se governa sem o aspecto material, incluindo nele o “vil-metal”.

O Vaticano tem um gabinete específico para a criação de santinhos, denominado “Congregação para a Causa dos Santos”, e há perto de 30 anos a Enciclopédia Católica contava com cerca de 5.000 santos de lá saídos. No pontificado de João Paulo II foram tantas as nomeações de candidatos aos altares que a lista inflaccionou e quadruplicou… hoje contempla, aproximadamente, 20.000 nomes.

A minha abordagem desta tarefa medieval que a Igreja tem de fabricar santos no século XXI, só pode ser feita com humor para não me afectar a qualidade do raciocínio e ajudar-me a manter a razoável sanidade mental que ainda prezo (digo eu… há quem garanta que já não a tenho)!

Atribuir a qualidade de santo a um morto não é como medalhar um herói de guerra ou um bombeiro! A coisa fia mais fina, leva imenso tempo e precisa de um “certificado de Deus”!… Apenas o Santo António foi santificado no tempo recorde de 11 meses e meio. Todos os outros nomes elevados aos altares, levaram imenso tempo para serem santos. 

Os candidatos à santidade precisam de vencer três etapas. A saber:

1 – Veneração. É uma espécie de requisição de paróquia que aponta as qualidades do atleta para trepar a um altar.

2 – Beatificação. Precisa de uma análise profunda para despistar reguilices e falcatruas, exigindo, pelo menos, um milagre comprovado… por via das dúvidas.

3 – Canonização. É a peneira mais fina que vai analisar a biografia do candidato, seguindo, passo a passo, todos os passos que o morto deu em vida na senda da santidade, para comprovar se Deus pode operar milagres através daquele intermediário. (Repare-se que os parasitas intermediários são uma praga impossível de exterminar! Estão em todo o lado… até no céu!).

Ter o cadáver incorrupto ao fim do tempo regulamentar para levantar a ossada, foi a bitola de aferição da santidade adoptada através dos séculos… mas já não vale como prova porque hoje se sabe que as características químicas do terreno e a toma de medicamentos pelo candidato a santo (imediatamente antes de ter falecido), são motivos para provocarem a preservação do corpo de qualquer patife e inimigo público sem escrúpulos, naturalmente arredados da santificação. 

Então inventou-se este outro modo de fingir que se atribui seriedade ao acto de fazer santos, o que sempre acontece de acordo com a vontade dos homens, mas apregoando ser pela vontade de Deus… o qual (como se sabe) também é produto de invenção humana!… 

Isto não tem piada? 

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)