Loading

Categoria: Imprensa

14 de Novembro, 2022 João Monteiro

Honestidade religiosa

Texto de Onofre Varela, previamente publicado no semanário Alto Minho.

Enquanto ateu obrigo-me a conhecer o fenómeno religioso para me permitir criticar, concordar ou discordar, com aquilo, e daquilo, que à Religião pertence. Por isso sou leitor habitual de livros, notícias e artigos religiosos, científicos ou filosóficos que tratam do tema Religião (e também ouço missas… embora cada vez menos, porque me aborrecem cada vez mais). Nas edições de Domingo do jornal Público, leio, atentamente, os textos que Frei Bento Domingues escreve em favor da Religião, da fé e da crença, os quais considero muito interessantes, notando neles muito mais o estudioso honesto e o Homem Ético que Bento Domingues é, do que, somente, o religioso. E nunca neles detectei qualquer traço daquele fundamentalismo que, muitas vezes, contamina o discurso de outros religiosos.

No seu artigo intitulado “Não invocar o nome de Deus em vão” (publicado há meia dúzia de anos: 20/11/2016), Bento Domingues diz que, apesar das intenções carregadas de humanidade do papa Francisco, o fundamentalismo religioso, mesmo no seio da Igreja Católica, não desarma. E aponta vários exemplos negativos: os panfletos de uma folha dominical de uma paróquia da Califórnia que sentenciava, “votar no Partido Democrata é um pecado mortal”, numa clara declaração de apoio ao candidato Trump; um padre italiano que, aos microfones da emissora católica Rádio Maria, afirmou serem “os sismos, em Itália, um castigo divino pelas uniões civis de homossexuais”; e acaba com o infeliz comentário da psicóloga portuguesa Maria José Vilaça, presidente da Associação de Psicólogos Católicos, à revista Família Cristã, que declarou esta enormidade: “ter um filho homossexual, é como ter um filho toxicodependente”.

Afirmações deste género mostram que quem as profere não conta com um nível de inteligência razoável por ter o cérebro tomado pela crença em dose excessiva. E essa é a pior forma de se ser religioso, pois impede que o crente tenha um raciocínio verdadeiramente inteligente e, principalmente, livre de preconceitos… é que a religiosidade é como o vinho: em dose excessiva embebeda!… 

Na sua habitual eloquência e honestidade intelectual, o articulista Frei Bento Domingues diz que “Deus é inexprimível: nós não sabemos o que é Deus em si mesmo; dele captamos, apenas, um esplendor fraco através do mundo criado e no decurso da nossa história do mundo, história feita de acontecimentos felizes e de tragédias. Não é só o Deus incognoscível, mas também as expressões ou os dogmas sobre Deus que pertencem, à sua maneira, ao objecto da fé […] A auto-revelação de Deus é dada em experiências humanas interpretadas […] A Bíblia não é a palavra de Deus, mas um conjunto de testemunhos de fé de crentes que se situam numa tradição particular da experiência religiosa”. 

Esta honestidade de um religioso interessado pela História Antropológica que estuda as motivações religiosas a partir do conhecimento das atitudes humanas perante o conceito da divindade, deveria ser exemplo a levar em linha de conta por aqueles que, possuindo estudos académicos de nível superior (padres, médicos, economistas…) se permitem afirmar falsidades (ou idiotices), tentando passá-las à comunidade religiosa como coisas sérias e verdadeiras.

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico) 

OV

1 de Outubro, 2021 João Monteiro

AAP condena a oferta autárquica de quadro religioso

29 de Setembro de 2021

Comunicado de Imprensa

Associação Ateísta Portuguesa condena a oferta autárquica de quadro religioso pago com o dinheiro dos contribuintes

A Câmara Municipal de Gaia pagou dez mil euros ao artista António Bessa por duas pinturas que assinalam a aprovação do concurso público para a ponte D. António Francisco Santos, nome do antigo Bispo da Diocese do Porto e cuja escolha a Associação Ateísta Portuguesa (AAP) já criticou. Os dois quadros, sob o título “A ponte que nos une”, retratam cada um respetivamente o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, e o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues. Em ambos os quadros cada presidente aparece acompanhado do antigo bispo portuense, de jovens, de uma “Nossa Senhora” e do Santuário de Fátima como pano de fundo.

Esta situação já confirmada pelo “Polígrafo”, plataforma de verificação de factos, levanta dois problemas: um de ordem material e outro de ordem simbólica.

Por vivermos num estado laico, em que há separação clara entre o Estado e a Religião, a AAP condena o facto de uma Câmara Municipal utilizar o erário público para comprar uma obra religiosa. 

Que fique claro que nada impediria que o cidadão e artista António Bessa oferecesse uma obra da sua autoria, mesmo que religiosa, aos autarcas. Diferente é ser pago por uma instituição autárquica laica para produzir uma obra religiosa, que ainda por cima favorece uma religião em particular: a católica. 

Além disso, uma obra de arte nunca é neutra, trazendo consigo vários significados, muitos deles simbólicos. Assim, “a ponte que nos une” pode ser entendida literalmente como a ponte que unirá as cidades de Porto e Gaia, mas também os laços estratégicos que unem os dois presidentes de autarquias vizinhas. Mas a obra pode ter ainda um terceiro significado: tendo como peça central o antigo bispo e como pano de fundo Fátima, a religião pode ser entendida como a ponte que une a política dos dois autarcas. Portanto, é também pelo valor simbólico da obra, e não apenas pelo valor pecuniário desviado ao erário público, que a AAP condena esta oferta do quadro do Presidente de Gaia ao Presidente do Porto. 

Lembramos que a esfera religiosa deve permanecer afastada da esfera política, em respeito aos valores da República e da Laicidade que tanto custaram a estabelecer. 

31 de Agosto, 2021 João Monteiro

Ser ateu é difícil… chiça!…

Texto de Onofre Varela, publicado no jornal Trevim

O sentido religioso promove e alimenta o êxtase da fé. Criamos símbolos com o propósito de os adorarmos, tal como os Hebreus fizeram com o bezerro de ouro. Moisés insurgiu-se contra o povo idólatra… mas hoje os cultos do seu livro, e que pregam por ele, continuam a alimentar a idolatria, mormente o Catolicismo que é muito rico em iconografia, com as imagens de Jesus, Maria e uma imensidão de santinhas e santinhos que uma repartição do Vaticano não se cansa em fabricar!…

Os símbolos fazem parte da nossa natureza. Todos nós enfeitamos a nossa vida com símbolos, e a Igreja tem majestosos templos, estatuária e pintura, fabulosos utensílios de culto em prata e ouro, mais os paramentos, os hinos, as celebrações teatralizadas e os ritos. As religiões fabricaram todas as ferramentas para serem constantemente lembradas e acrescentadas de novos elementos para o culto, como as imagens dos “santos” que decoram os templos, as capelas e os nichos de estrada, sempre acompanhadas pela respectiva caixa com ranhura colectora de receitas na forma de dádiva voluntária. Sem este aspecto material… o espiritual não se governa!

O Ateísmo não possui nada disto!… Os ateus só são espirituais, descurando o aspecto material… são uns pobretanas!… Não constroem templos nem criam ícones para conquistarem aderentes. (A Associação Ateísta Portuguesa começou por usar como logotipo a representação do átomo; a menor partícula que compõe um elemento químico. Recentemente mudou-o para uma representação gráfica das iniciais da associação). Os ateus apenas têm a palavra para espalharem a sua filosofia, e não o fazem com o empenho de a propagar diariamente, como a Igreja o faz nas missas. Se a palavra é coisa pouca nesta era da imagem… acaba por ser suficiente porque a palavra é tudo. Assim haja quem a queira ouvir ou ler, e raciocinar sobre o que ouve e lê.

Para dificultar o caminho aos ateus, acresce que as sociedades estão formatadas em preceitos religiosos que fecham as portas ao discurso ateísta. O Ateísmo ainda é alvo de preconceitos e de uma censura que lhe impossibilita uma visibilidade franca para o tornar conhecido como realmente é, e não como alguns, maldosamente, pensam que é e afirmam ser. Tenho amigos de várias confissões religiosas, entre os quais há padres católicos, que já me disseram: “Tu não és ateu”. E porque o dizem? Não é pelo meu discurso em defesa da minha descrença, mas sim porque me conhecem bem e consideram que um fulano a comportar-se assim, não pode ser ateu!!… E isto não é mais do que preconceito!… Esses meus amigos têm gravado nas suas mentes religiosas uma figura de ateu que não corresponde à realidade. Provavelmente idealizam os ateus como anti-sociais, mal-comportados, patifes e mal dispostos… e como me conhecem bem… não posso ser ateu!… Oh meus amigos… isto é do caraças!…

(O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

OV

Imagem de Free-Photos por Pixabay
3 de Abril, 2018 Carlos Esperança

Opus Dei

Alckmin se iguala a Bolsonaro no fascismo, por Altamiro Borges

Um dia após sua declaração de ódio, que gerou duras críticas nas redes sociais e mal-estar até no seu próprio partido, o tucano tentou reduzir o desgaste. Alckmin e Bolsonaro se igualam no ódio fascista, mas o primeiro ainda tenta disfarçar

Por Altamiro Borges*

O governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB, até tenta, mas não consegue esconder a sua origem política – quando participou de cultos da seita fascista Opus Dei no interior de São Paulo e até nos salões do Palácio dos Bandeirantes. Diante do grave atentado a balas contra a Caravana de Lula no Paraná, o “picolé de chuchu” deixou de lado a farsa da mídia de que seria o “candidato do centro” e escancarou seu ódio: “Estão colhendo o que plantaram”.

Quase com as mesmas palavras, seu rival na disputa eleitoral, o fascistoide Jair Bolsonaro, rosnou: “Lula quis transformar o Brasil em galinheiro e agora colhe os ovos”.

Continuar AQUI

D1A – Quanto às apreciações políticas, este blogue é neutro, salvo se a maldade tem origem religiosa.

24 de Maio, 2016 Carlos Esperança

A notícia

Um espião português foi ontem preso em Roma a tentar passar segredos ultrassecretos aos serviços de informação russa.

Desde a Irmã Lúcia que não há notícia de algum português ter aí passado, com êxito, algum segredo. A falta de mistério e da intermediação do Vaticano foram-lhe fatais.

15 de Abril, 2016 Administrador

Reacção de Carlos Esperança na rádio Paivense FM

Carlos Esperança, Presidente da Direcção da AAP – Associação Ateísta Portuguesa, reage, na “Paivense FM”, ao atropelo à laicidade cometido numa escola pública de Castelo de Paiva. A AAP já questionou o Ministro da Educação sobre mais um episódio que põe em causa valores fundamentais da Constituição da República Portuguesa.

Clique para ouvir:

13 de Abril, 2016 Raul Pereira

Ovelhas tresmalhadas na Dinamarca

Cerca de três mil pessoas abandonaram a “Folkekirken“, a igreja oficial do estado dinamarquês, após a “Ateistisk Selskab” ter feito uma campanha nacional alertando para a redução de impostos caso o fizessem.

Apesar de ser um dos países mais seculares do mundo, a Dinamarca continua a manter um ministério para a igreja do estado, que é financiada por impostos directos e largamente subsidiada pelo reino, entre outras particularidades curiosas.

A campanha da Sociedade Ateia Dinamarquesa está a ser considerada um caso de grande sucesso, pois o processo de abandono é complicado e moroso.

24 de Fevereiro, 2016 Carlos Esperança

A visão de Eduardo Lourenço

Actualidade
lusa.sapo.ptLusa
20:52
O mundo islâmico adquiriu a consciência do declínio do Ocidente, representado pela Europa, e como sempre sucedeu na história da Humanidade está a tentar impor a sua lei, considerou hoje o ensaísta Eduardo Lourenço num debate sobre o projeto europeu.

Mundo islâmico está consciente do declínio do Ocidente – Eduardo Lourenço

“Existe um problema interno ao mundo islâmico, por razões de ordem religiosa, guerras terríveis entre xiitas e sunitas”, assinalou durante a sua intervenção na Gulbenkian, em Lisboa, numa conferência organizada pelo Centro de Investigação em Direito Europeu, Económico, Financeiro e Fiscal da Faculdade de Direito de Lisboa (CIDEEFF) e o Instituto Europeu.

“E ao mesmo tempo uma consciência muito aguda de que o Ocidente representado pela Europa está em declínio, sentem a nossa fraqueza enquanto potência mundial e jogam o jogo que sempre se jogou na Humanidade, os mais poderosos, ricos, os mais empreendedores, os mais guerreiros, os mais violentos, têm tendência a impor a sua lei”, referiu no seu improviso que se prolongou por quase 40 minutos.

Na mesa, presentes ainda Paulo de Pitta e Cunha, fundador do Instituto Europeu, e presidente do Conselho diretivo da Associação interuniversitária para o estudo da integração europeia — AREP, e o advogado Eduardo Paz Ferreira, dirigente do Instituto de Estudos Europeus da Universidade de Lisboa — particularmente crítico na sua intervenção sobre o recente acordo entre Bruxelas e o Reino Unido, definido como “uma decisão desastrosa que descaracteriza por completo a UE”.

Os três especialistas integraram o primeiro painel da sessão dos colóquios “Olhares sobre a União Europeia nos 30 anos de adesão à UE”, que assinala a adesão de Portugal à então CEE e que se vão prolongar, com periodicidade mensal, até aos finais de 2016.

“Estamos confrontados com um grande desafio”, assinalou, ao referir-se à ideologia hoje dominante nesta “nova fase” do mundo islâmico, e após ter percorrido as principais etapas de construção da Europa, esse “pequeno cabo da Ásia”, desde a Grécia antiga até às duas guerras mundiais do século XX e cujas consequências acabaram por justificar um projeto comum europeu, hoje em crise, em recuo.

“E[ste desafio] sugere que querem recuperar um estatuto histórico, mesmo recuperar todo o espaço que foi o das primeiras conquistas do mundo islâmico na Europa, quando nasceu”, afirmou, numa referência ao mundo islâmico.

“Para eles somos os cruzados, mas vendo bem e de uma maneira objetiva, como diz o outro ‘quem começou primeiro foram eles'”, afirmou.

Perante estes novos fenómenos, o ensaísta não deixou de definir como “extraordinário um certo fascínio que uma parte da juventude da Europa manifesta em relação a essa reivindicação violenta, que seja justa ou injusta não importa”.

Um fenómeno em que “gente portuguesa, espanhola, francesa vai participar nesse combate, algo de estranho para a nossa mitologia própria de europeus”, arriscando uma comparação com 80 anos e que decorreu em solo europeu: “Como se nos anos (19)30, quando uma parte dos intelectuais se mobilizaram para a guerra [civil] de Espanha”.

Perante este novo mundo, “algo de estranho para nós” e cujo desfecho está reservado para o futuro, Eduardo Lourenço mantém a esperança “que se encontre uma solução o mais pacífica possível, mas para isso temos de fazer uma dupla conversão, tornarmo-nos mais europeus, particularmente os franceses”.

E é em França que o pensador centra o atual embate, decerto recuperando as consequências dos atentados que abalaram Paris em janeiro e novembro de 2015.

“Em França, em ensaios, artigos, etc., já não há assunto nenhum que não passe pelo Islão… A minha cara França é hoje provavelmente a nação mais problemática da Europa”, considerou.

No seu improviso, entendeu no entanto alterar para um “género de juízos jornalísticos, mediáticos, em relação a uma parte da humanidade que é extremamente forte, aguerrida, numerosa, que se estende praticamente aqui desde Marrocos até à Indonésia”.

Numa referência específica a Portugal, definiu a comunidade islâmica, proveniente de Goa, de Moçambique, de outras ex-colónias, como “muito portuguesa, muito nossa, até hoje pelo menos”, numa clara distinção face aos dilemas que se colocam, de imediato, para além das fronteiras do país.

“Necessitamos da consciência de que estamos todos no mesmo barco, na nau Europa, que continue a navegar, como na pátria de Ulisses que é a nossa pátria de europeus”, pugnou na conclusão da sua intervenção.

PCR // EL

4 de Novembro, 2015 Carlos Esperança

Traições no Vaticano

Francesca Chaouqui, a mulher que traiu o Papa

 

AFP – Agence France-Presse

Publicação: 03/11/2015 15:03 Atualização:

Cidade do Vaticano (AFP) – A jovem laica Francesca Chaouqui, especialista em relações públicas, bela e sedutora, é a mulher que traiu o papa Francisco ao vazar informações e conversas confidenciais do pontífice no Vaticano.

A italiana, de 33 anos e de origem marroquina, era uma espécie de agente duplo, especialista em marketing, que após sua prisão na semana passada por ordem da procuradoria do Vaticano decidiu confessar tudo o que sabia sobre o novo escândalo Vatileaks.

“Eu não traí o Papa”, escreveu nesta terça-feira em um tuíte, após ser libertada por colaborar com a justiça.

A única mulher nomeada em 2013 pelo pontífice argentino para fazer parte do comitê que estudou por quase um ano a reforma das instituições econômicas e administrativas da Santa Sé, conhece muitos segredos de uma das questões mais sensíveis para a Igreja: o uso de enormes somas de dinheiro que recebe e que transitam pelo banco do Vaticano.

Chaouqui foi acusada, juntamente com o padre espanhol Lucio Anjo Vallejo Balda, de ter roubado documentos confidenciais do Vaticano, um delito que o Estado pune com até oito anos de prisão.

“Tudo o que fiz foi tentar detê-lo”, justificou-se em entrevista ao jornal italiano La Stampa. “Não tenho nada a ver com corvos, vou provar minha inocência. Estou tranquila, me sinto bem com a minha consciência. Eu só disse a verdade a quem está investigando o vazamento de documentos na Cúria”, acrescentou Chaouqui.

Documentos roubados, informações rackeadas de computadores e, especialmente, a gravação de conversas com o papa fazem parte da documentação que irá aparecer em dois livros que serão colocados à venda esta semana em todo o mundo e em várias línguas.

Segundo antecipações da imprensa, os dois livros revelam as dificuldades que o Papa argentino encontrou para reformar as estruturas da Cúria Romana e também denunciam o desperdício e a falta de ética na gestão do dinheiro da Santa Sé.

Continue a ler aqui…..