Loading

Dia: 10 de Janeiro, 2015

10 de Janeiro, 2015 David Ferreira

Prefiro morrer de pé

“Prefiro morrer de pé do que viver ajoelhado”, disse o director do Charlie Hebdo, como que a antecipar o fatídico destino.

De pé! Não como um cobarde e muito menos como um traidor. De pé!

Após a sua profetizada morte, logo saíram à rua todos os hipócritas, cobardes, inocentes e idiotas úteis da sociedade a gritar – Eu sou Charlie Hebdo! A pensarem que são Charlie Hebdo.

Não, não são. Gostariam de o ser, porventura, mas não o são. Nunca o serão. Muitos estarão nos antípodas de Charlie Hebdo. Muitos serão responsáveis pela necessidade de um Charlie Hebdo.

Stéphane Charbonnier foi o paradigma da coragem. Deu a vida pela liberdade. Não por uma liberdade patética e anárquica. Deu a vida pela sua liberdade de expressão e pela liberdade dos outros de não concordarem com ela. Teve nas veias o calor do sangue que a transfusão do iluminismo nos legou. Mesmo sabendo que a sua vida corria perigo. E muito poucos dos que se auto-intitularam Charlie Hebdo seriam capazes de o fazer. Palavras leva-as o vento, assim dizia Florbela Espanca. E assim o vento levará todas as pias mensagens de tolerância para com os intolerantes que muitos ímpios lhe atiram de joelhos.

Morreu Stéphane Charbonnier. Um ateu como tantos outros. Um cidadão como tantos outros. Mas diferente de tantos outros. Feriu com o som das palavras, morreu ao eco das espingardas. Morreu às mãos de intolerantes. E há quem tenha o cinismo de o apelidar de intolerante. Ateus inclusive. Porque há ateus que apenas o são para justificar a sua incapacidade de integração na sociedade. Para manifestar o seu desprezo pela sociedade. Tal como os intolerantes que mataram Stéphane Charbonnier.

Morreu Charlie Hebdo. Morreu um jornal. O símbolo máximo da liberdade de expressão. E há cobardes que se dizem Charlie Hebdo. E há fanáticos que apoiam outros fanáticos, que negam outros fanáticos, porque não conseguem admitir que os seus dogmas ideológicos possam estar errados e desadequados da civilização.

Morreu Charlie Hebdo.

Viva Charlie Hebdo!

E quanto aos cobardes… Os cobardes já morreram. De joelhos. Porque os cobardes morrem muitas vezes antes de morrer. E sempre de joelhos.

10 de Janeiro, 2015 Carlos Esperança

VERSÍCULOS CORÂNICOS

Por

João Pedro Moura

II- 8 a 10: “Entre os homens há os que dizem: “ Cremos em Deus e no Último Dia”, mas não são crentes.

Esses querem enganar a Deus e aos que crêem, mas só se enganam a si mesmos, embora não o saibam.

Em seus corações existe uma enfermidade, que se agravará, terão um castigo doloroso por terem mentido.”

II-24: “Se não o fizerdes, e não o fazeis, temei então o fogo que tem por alimento os ídolos, e que foi preparado para os incrédulos.”

II-39: “Os que forem infiéis e recusarem a verdade contida nos nossos versículos irão para o Inferno, onde viverão eternamente.”

II-193: “Matai-os até que a perseguição não exista e esteja no seu lugar a religião de Deus. Se eles se converterem, não haverá mais hostilidade; esta não cessará senão para os injustos.”

V-33: “A recompensa dos que combatem Deus e o seu Enviado e se esforçam em espalhar pela Terra a corrupção, consistirá em serem mortos ou crucificados, ou no corte de sua mão e pé oposto, ou na expulsão da terra em que habitam. Isto será a sua recompensa neste mundo. Na outra terão um tormento enorme.”

V-36, 37, 38: ”Se os que não crêem tivessem tudo o que está na Terra e incluso outro tanto para com ele se resgatarem do tormento no Dia da Ressurreição, não se lho aceitaria: terão um castigo doloroso.

Quererão sair do fogo, mas não sairão. Terão um tormento permanente.

Cortai as mãos do ladrão (quer seja homem ou mulher) como castigo e aviso de Deus. Deus é poderoso, sábio.”

VIII-7: “…enquanto Deus queria que se tornasse patente a verdade das Suas palavras e exterminar até ao último dos incrédulos.”

VIII-12,13, 14, 15: “…Lançarei o pânico no coração dos que não crêem! Batei-lhes acima do pescoço! Batei-lhes nas pontas dos dedos!

Isto porque eles estão afastados de Deus e do seu Enviado, e os que se afastam de Deus e do seu Enviado são castigados, pois Deus é terrível no castigo.

Isso é vosso: saboreai-o e sabei que os incrédulos terão o castigo do fogo.

Ó vós que credes! Quando encontrardes os que descreem a avançar, não lhes volteis as costas.”

VIII-17: “Crentes! Não os matastes: Deus matou-os. Não atiras quando atiras: Deus é quem atira a fim de experimentar os crentes, pela sua parte, com uma bela prova.”

VIII-50: “Se pudésseis ver o momento em que os anjos chamam os que não crêem! Batem-lhes na face e nas costas, dizendo: “Saboreai o tormento do fogo!””

X-4: “…Os que não crêem terão uma bebida de água a ferver e um tormento doloroso, porque terão sido ímpios.”

XVIII-29: “…Preparamos um fogo para os injustos: as suas labaredas os rodearão. Se pedirem auxílio, serão socorridos com uma água semelhante a ácido, que queimará os rostos. Que péssimo refrigério! Que mau apoio!”

XXII-19 a 22: “Esses – os crentes e os descrentes – são dois inimigos que combatem acerca do seu Senhor. Aos incrédulos preparar-se-lhes-á uma vestimenta de fogo; do cimo da sua cabeça verter-se-lhes-á água a ferver.

Com ela se derreterá o que há em seu ventre e na sua pele.

Serão açoitados com barras de ferro.

Cada vez que, angustiados, quiserem sair do fogo, dir-se-lhes-á: “Provai o tormento do fogo!””

XLVII-4: “Quando encontrardes os que não crêem, golpeai-os no pescoço até os deixardes inertes; depois, concluí os pactos. Depois concedei-lhes favor ou libertai-os quando a guerra haja deposto as suas cargas. Assim agireis. Se Deus quisesse, vencê-los-ia sem combater, mas põe-vos à prova uns com os outros. As obras dos que sejam mortos na senda de Deus não se perderão.”

LIX-4: “Será assim, porque eles se afastaram de Deus e do seu Enviado. Quem se afasta de Deus sofre um castigo. Deus é duro no castigo.”

LXVI-9: “Ó Profeta! Combate os incrédulos e os hipócritas! Sé duro para com eles! O seu refúgio é o Inferno. Que péssimo destino!”

ultima imagem

Último cartoon do Charb, publicada no próprio dia 7, em que o assassinaram.