Loading

Dia: 14 de Março, 2014

14 de Março, 2014 Carlos Esperança

A AMEAÇA ISLÂMICA (1 de 3)

Por

João Pedro Moura

 A hedionda escumalha islâmica é a face mais horrenda do totalitarismo liberticida!

Não é fácil definir quem é esta gentalha nem como nos prevenirmos contra ela.

“Hedionda escumalha” caracteriza não só uma mentalidade, altamente perigosa, como um conjunto vago e mal definido de muçulmanos, todavia, donde se destacam todos aqueles militantes e populaça, não só pregadores do ódio ao estilo de vida ocidental e instigadores e praticantes da opressão religiosa e político-social daí decorrente, mas também votantes em partidos liberticidas, ufanos de “pureza islâmica”.

Politicamente, então, exprimem-se em partidos, tendencialmente liberticidas e totalitários, que tendem a ser maioritários, pois maioritária é a vontade da população votante, liberticida e totalitária, característica, sobretudo, das etnias árabe e outras médio-orientais.

Historicamente e, por maioria de razão, na sequência da chamada “primavera árabe”, efémero período de liberdade, sempre que se concede liberdade política a tais massas desvairadas, elas aproveitam para votar em partidos totalitários, que se aprestam para liquidar ou cercear a liberdade…

Em qualquer país normal, no decurso histórico da modernidade, o povo aproveita a liberdade política para instaurar um sistema tendencialmente democrático e liberal, porque democrática e liberal é, tendencialmente, a personalidade das pessoas normais.

Mas nas etnias árabe e outras médio-orientais, tal não acontece, redundando, concomitantemente, em gentalha anormal, perigosamente anormal, porque tendem a acometer os outros, os normais.

Tunísia, Líbia, Egito, Faixa de Gaza, Iraque, Irão, Argélia (1991), Somália (1992), enfim, em todos os países onde vigorou a liberdade num período revolucionário qualquer, as massas arabescas e médio-orientais votaram na boçalidade islâmica, liberticida e totalitária.

O perigo é tão grande que esta caterva viral propaga-se pelos sítios mais inesperados e são capazes de rebentar com um país.

As últimas investidas da gentalha islâmica foram no Mali, há 1 ano e na República Centro-Africana, há meses.

Em ambos os países, se não fossem as tropas francesas, enviadas para a zona de operações, com o apoio discreto americano e do consenso europeu, a turbamulta muçulmana já tinha conquistado o poder nesses países frágeis, preparando-se para espalhar a peste islâmica aos países vizinhos, também frágeis.

Estava-se a montar um cenário atroz, pela hedionda escumalha islâmica!

As tropas francesas massacraram centenas de combatentes islâmicos, no Mali, reduzindo a pó aquela repulsiva horda de malucos de Alá.

Na RCA, os bandidos muçulmanos da coligação Seleka, espécie de representantes da minoria muçulmana do país, tomaram o poder há um ano e começaram a impor a sua ordem pestífera, contra a maioria da população. A reação das tropas francesas e da força panafricana da MISCA pôs em fuga a horda maometana, levando a massacres, atualmente, do povo muçulmano e à debandada deste para as florestas, por ação do povo “cristão” ou não-muçulmano.

O desespero perante as investidas e da tirania do tresloucamento islâmico leva a que a reação só possa ser, tendencialmente, uma: combater a hedionda escumalha islâmica a ferro e fogo! E toda aquela população muçulmana que os suporta…

Onde nunca vigorou essa liberdade, temos, por exemplo, o sexteto petrolífero do Golfo Pérsico, onde uma camarilha de plutocratas, com maiores ou menores laços de parentesco com a família dominante, exercem um impressionante domínio político-social, totalitário e sumptuário, que faz lembrar as resplandecentes cortes absolutistas europeias de antanho.

Comparável com tais cortes centenárias, eis o imobilismo arabesco contemporâneo das cliques cleptocráticas do Golfo, capazes de coadunarem um fulgurante desenvolvimento económico, com arrojos arquitetónicos fantásticos, urbanismos de ponta, ostentações de riqueza, sem paralelo, em automobilismo caro e ourivesarias e joalharias áureas, tudo isso ao lado de esquemas autoritários e totalitários de dominação familiar e política, como já não se vê há mais de 100 anos nos países modernos…

Como estes anormais perseveram no desvario islâmico, mesmo vivendo como emigrantes em países ocidentais, democráticos e liberais, resulta que o problema deles só pode ser genético e não tratável em modo de pedagogia social.

E se é genético, não há nada a fazer. Enfim, é coisa dentro do evolucionismo biológico, a decorrer e a alterar muito lentamente pela História fora…

14 de Março, 2014 Carlos Esperança

Saramago, crenças e crispação

Incredulidade de Saramago

O tempo passou e a tensão diluiu-se entre os crentes que usavam uma linguagem cada vez mais crispada e intolerante para com o escritor que deu a Portugal um Nobel e à literatura portuguesa enorme prestígio. Ainda há trogloditas que não digerem o fascínio do escritor, lhe dirigem insultos e acalentam rancores.

Os bispos, padres e outros avençados do divino usam uma linguagem mais dissimulada e sonsa mas é igual o ódio que os devora e o ressentimento que manifestam.

Seria interessante, se não fosse perigosa, esta inquietação dos católicos em torno de Saramago. Este cumpriu o dever de dizer tudo o que disse, e o que mais lhe aprouve, e aqueles gozam de igual direito em relação a Saramago e ao ateísmo. Não assustando já as penas do Inferno, uma lucrativa invenção pia que rendeu grossos cabedais, deliram alguns com a situação de Salman Rushdie, vítima da demência de um aiatola que o condenou à morte por ter criticado o Islão. O que está em causa é a intolerância que em certas latitudes foi contida pelas democracias e em outras anda ainda à solta.

A ICAR abomina o riso e a felicidade mas é uma fonte de um e de outra. Torna felizes os que acreditam e diverte quem não a leva a sério.

Entre as fogueiras índias e as novenas católicas não há dados que indiciem a supremacia de umas sobre as outras quanto à eficácia na pluviosidade. As penas do chefe índio e o camauro do papa só diferem sob o ponto de vista estético. Os vestidinhos de seda do pontífice não se distinguem das vestes dos feiticeiros pelo ridículo, apenas pelo luxo e o conforto.

A cigana que lê a sina não é menos eficaz a espantar os maus olhados do que um padre a esconjurar os espíritos malignos e a garantir o Paraíso. Às vezes a clientela é a mesma e procura na água benta o sinergismo das mezinhas e rezas ciganas.

Um feiticeiro que em África receita uma poção de corno de rinoceronte moído só é mais antipático do que o padre que celebra a missa de ação de graças e ministra a comunhão porque põe em perigo a extinção de uma espécie animal, mas não é diferente a eficácia sobre a convalescença de um doente ilustre.

O batismo com água benta é mais inócuo do que uma circuncisão, que deixa marcas, ou uma excisão, que põe em risco a vida e destrói de forma irreversível a felicidade sexual.

Mas não há motivo para não nos rirmos dos rituais religiosos. Poucas encenações são tão hilariantes.