Loading

Dia: 18 de Maio, 2010

18 de Maio, 2010 Carlos Esperança

Carta de Mário de Carvalho – Caros senhores párocos

Mário de Carvalho

Caros senhores párocos,

Antes de falarmos de vossas paternidades, permitam-me uma fugaz divagação sobre taxistas. Ainda não há muito, a propósito duns atropelos algo indecorosos que ocorriam no aeroporto de Lisboa, não poucos cidadãos manifestaram nos jornais uma forte desconfiança na classe. De imediato um jovem veio responder com indignação que era filho de taxista e que o pai, numa vida inteira de trabalho, sempre procedera como homem íntegro e impoluto. O jovem tinha razão ao não querer um homem de bem misturado com a mexerufada mais ou menos carroceira que indispunha os colaboradores e leitores dos jornais.

Eu penso que, ao dirigir-me a vossas senhorias, não corro o risco de que venha um filho desagravar o pai, e, se vier, pois tudo é possível nestas desajustadas eras, sempre protestarei que não me refiro aos párocos honrados, cumpridores do seu mester, respeitadores da constituição e da lei, repesos das malfeitorias contra Hipácia e Galileu, leitores de romances, informados do mundo, preocupados com as suas ovelhas, horrorizados com as memórias do Santo Ofício, para resgate do qual pedem perdão à divindade todas as noites, chorando.

É, na verdade, muito difícil conversar e sustentar um determinado ponto sem recorrer às generalizações, porque os contínuos ‘distinguo’ acabam
por entrevar o discurso. Seja a conversa sobre taxistas, jornalistas, toureiros, advogados ou calceteiros, compreenderão que ela resulta enfraquecida se a cada passo tivermos de acrescentar: «Claro que não são todos assim, eu até conheço uns torcionários de bom coração e altíssima cultura.»

Falo, senhores curas, com tristeza e com repulsa dos párocos do século XIX que por qualquer equívoco da Biologia continuam a negrejar e a bramir em igrejas que há por aí. Cabe aos cientistas averiguar como é que organismos com 200 anos tomam conta de um espaço público que a liberdade de culto consente ao seu múnus, para o desvirtuar em exercícios de solta demagogia e propaganda política. Talvez a água benta conserve, o incenso enrije e o ar dos templos, preservado das correntes deletérias do exterior, mantenha os corpos e as almas de outrora tal como elas eram. Já não se exibem, porventura, cartas remetidas do céu, como nos bons tempos de Baltasar Gracián e, até, de Júlio Diniz, mas há que reconhecer que a decadência e a má qualidade dos correios vêm sendo notórias desde há uns anos a esta parte.

Senhores priores, eu sei como vossas mercês, com o venerando Bispo de Roma à cabeça, trovejaram tão ferinamente contra o sufrágio universal, contra a liberdade de expressão, contra a liberdade de imprensa, contra a liberdade de ensino, contra a liberdade de manifestação, contra a igualdade perante a lei, contra a liberdade de culto, contra a República, contra o 25 de Abril, contra o divórcio, contra a pílula, contra o preservativo. Trovejar até seria o menos, porque lamentavelmente chego a pressentir em alguns dos vossos colegas um ressentimentozinho por já não ser permitido queimar gente ou denunciar gente para ser queimada.

Se a divindade que vossas senhorias reverenciam existisse, existência que nunca foi provada e de que eu me permito, discreta mas firmemente, duvidar, decerto que o perfil da personagem, como vem às vezes relatada, não se compaginaria com certos comportamentos e certas vozearias dos seus subordinados.

Isto, senhores padres, vem a propósito de rumores que considero fundados acerca do teor das algumas homilias em matéria de referendo, utilizando os altares para violentar a boa fé dos crentes e a liberdade das consciências. A ser verdade, e por o Ministério Público andar tão ocupado com outro tipo de manipulações, que não teve decerto tempo para, neste campo, defender os interesses da República, eu julgo-me no direito de vos relembrar os vossos deveres e as condições legais em que a prática do vosso culto é aceite.

Há, senhores curas, entre os crentes, gente absolutamente admirável, a muitos títulos, que soube merecer o respeito e a admiração dos outros cidadãos: queiram inspirar-se nela. Há quem pratique, desinteressadamente, boas obras: tenham a bondade de testemunhar, apontar e seguir esses magníficos exemplos.

E, já agora, de uma vez por todas, de preferência dando mostras de arrependimento, convertam-se finalmente à democracia.

18 de Maio, 2010 Carlos Esperança

O Papa e o respeito pelo país visitado

Bento 16 é livre de vir a Portugal quando quiser; o PR pode convidá-lo quando desejar; os bispos são livres de promover banhos de multidão, de que carece, para o aliviarem da pressão mediática a que, por culpa sua, se sujeitou.

Pode e deve discutir-se a conjuntura da visita, na proximidade de eleições presidenciais, em período de anúncio de medidas gravosas para o equilíbrio das contas públicas e num tempo de contenção orçamental.

Certamente que a tolerância de ponto ficará como decisão inapagável de um país que se genuflectiu ao autocrata que governa a única teocracia europeia. A memória registará as excessivas demonstrações de consideração que se transformaram em subserviência.

Como é frequente, o ruído mediático abafou dois objectivos importantes desta viagem com que exultaram os crentes – a celebração dos 5 anos da beatificação dos pastorinhos e a fuga à pressão mediática a que estava a ser submetido Bento 16.

O Papa veio comemorar cinco anos de beatificação de Francisco e Jacinta, duas crianças com muitas décadas de defunção a quem a família de médicos Felizardo dos Santos (pai, mãe e filha) atribuíram a cura de D. Emília Santos, intermitentemente entrevada, que morreria pouco depois, completamente curada e esquecida pela Igreja a quem fizera o milagre.

Por mais inoportuna e prejudicial que a viagem tenha sido para Portugal e por mais lucrativa e frutuosa que fosse para o Vaticano, Bento 16 não tinha o direito de criticar o país anfitrião pelas leis sobre o aborto e o casamento de pessoas do mesmo sexo, como fez na homilia de Fátima.

Foi uma intromissão autoritária e inadmissível que merecia um protesto diplomático de qualquer país que prezasse a independência e execrasse as intromissões estrangeiras em assuntos de política interna. Faltou a Portugal um ministro dos Negócios Estrangeiros que advertisse o Papa da intolerável falta de respeito para o país que o recebeu.