Loading

Dia: 13 de Maio, 2010

13 de Maio, 2010 Carlos Esperança

O milagre dos pastorinhos

Lembro-me do velho Hospital Distrital de Leiria e da magnífica escadaria de mármore partida a camartelo para se proceder a obras de remodelação, depois de retirada a foto imponente do virtuoso bispo D. Manuel de Aguiar sob cujos auspícios fora construído o edifício.

No respectivo piso, entre várias enfermarias, ficavam as Medicinas. Na de  Mulheres havia uma mesinha de cabeceira que dava nas vistas pela parafernália de senhoras de Fátima, pastorinhos e outras imagens pias que a ornamentavam. Ficava junto à cama de uma paralítica que, durante a noite, se arrastava até junto das camas de outras doentes para lhes impedir o descanso.

Gozava essa internada da fama de má e da inimizade de outras doentes mas era a dilecta do Director do Serviço, Dr. Felizardo, enternecido com a devoção e extasiado com as suas imagens de santos e veneráveis.

Um dia, nas suas férias, o médico José Luís Alves Pereira deu-lhe alta por entender que não padecia de qualquer moléstia do foro da medicina, o que, no regresso, enfureceu o Dr. Felizardo.

A D. Emília, Emília de Jesus, voltou à enfermaria e foi, de novo, integrada no espaço que lhe servia de asilo e de local de devoção.

As transferências para Psiquiatria, no Hospital da Universidade de Coimbra, eram reservadas a períodos de maior necessidade. Segundo o psiquiatra, Marques Pena, a D. Emília padecia de uma enfermidade que a podia conduzir à cegueira, à paralisia ou a outras mazelas, por períodos de maior ou menor duração. No respectivo processo clínico dos Hospitais da Universidade de Coimbra hão-de constar dados rigorosos se, acaso, um qualquer milagre o não fez desaparecer.

Mas voltemos a Leiria e à D, Emília de Jesus cuja paralisia já era reincidente e que foi curada por intercessão do Francisco e da Jacinta, bem necessitados de um milagre para a beatificação.

Graças à devoção, sarou de novo e passou a andar, tendo morrido pouco tempo depois, completamente curada. O milagre, depois de averbado nas provas de beatificação dos pastorinhos, que prestaram com distinção, deixou de interessar à Igreja, sendo discreto o funeral da D. Emília Santos onde, a título meramente particular, se integrou o bispo de Leiria, D. Serafim Ferreira e Silva.

A divulgação do milagre da paralítica foi feita com pompa e circunstância pelos canais habituais, invocando os depoimentos de três médicos diferentes, nisto a Igreja católica é muito céptica, unânimes a atestar a intervenção sobrenatural.

Por divina casualidade, a certificação do milagre foi atestada pelo Dr. Felizardo Prezado dos Santos, pela Dr.ª Maria Fernanda Brum, por coincidência esposa do primeiro, e pela psiquiatra Paula Cristina Amaral Brum Prezado Santos, filha de ambos, todos da Associação dos Servitas de Nossa Senhora de Fátima.

Digam lá, leitores, se, depois do que aqui se diz, ainda há quem duvide da veracidade do milagre! É preciso ser muito desconfiado. Leiam isto enquanto há testemunhas porque, um dia, há-de constar que à D. Maria Emília Santos lhe cresceu uma perna amputada.

13 de Maio, 2010 Luís Grave Rodrigues

O Embuste

 

Faz hoje anos que a Virgem Maria, a mãe de Deus, apareceu pela primeira vez em Fátima a três crianças para transmitir uma mensagem aos Humanos.

Andava preocupada com a gente, coitada.
De início a mensagem foi considerada um segredo divino tal era o seu significado simbólico e a sua enorme relevância para a História da Humanidade.

Só foi conhecida aos bochechos e depois de cuidadosamente dividida em três partes.

Ora, a mensagem da mãe de Deus era de tal forma importante que a sua última parte só foi conhecida meio século depois de nos ter sido transmitida. Era uma previsão de que um gajo vestido de branco ia sofrer um atentado.
Foi pena que a “previsão” não tivesse sido divulgada mais cedo.
É que quando os prognósticos são feitos no fim do jogo perdem toda a piada, não é?…

Mas na primeira parte a Senhora «mais brilhante que o Sol» disse de facto uma coisa de particular importância para a Humanidade: disse que devíamos rezar muito a Deus.
Ao que parece, Deus gosta muito que lhe rezem. Faz-lhe bem ao ego, dizem.

Mas a especialidade da Virgem Santíssima era de facto a futurologia.
Pelos vistos a capacidade de adivinhação deve ser um dom especial reservado por Deus às mulheres «puríssimas», que são aquelas cujo canal vaginal só funciona no sentido catolicamente correcto, que é o sentido descendente, e que nunca foi conspurcada por essa coisa suja, horrível e pecaminosa chamada sexo.

Foi assim que vinda dos Céus, onde se encontra de corpo e alma, esta anorgásmica mãe, provavelmente com muito pouco que fazer, resolveu vir ao nosso planeta dizer-nos que a Guerra acabava nesse ano de 1917 e que os soldados portugueses estariam de volta ao solo pátrio já pelo Natal.

O pior de tudo foi que a I Guerra Mundial, a tal guerra de 1914-18 acabou, tal como o próprio nome indica… no ano de 1918.

Então não querem lá ver que a mãe de Deus se enganou, coitadita?
Ou seja:
Quer isto dizer que nesta insigne e extraordinária mensagem transmitida aos Homens a mãe de Deus numa parte fez um prognóstico no fim do jogo, noutra disse uma banalidade e na terceira, ó Céus… enganou-se!

É pois para honrar esta extraordinária mensagem que centenas de milhar de pessoas – este ano com Papa e tudo – se deslocam todos os anos a Fátima para adorar e rezar à Virgem Maria e para comemorar e celebrar a extrema razoabilidade e a lucidez de tudo isto.

13 de Maio, 2010 Carlos Esperança

A FÉ É QUE NOS SALVA

Por

José Moreira

Mas, claro, isto é uma opinião. Muito respeitável, como todas as opiniões, incluindo a minha: a fé é o maior veículo de ignorância, de obscurantismo e de “coisificação” da pessoa humana. Tem a grande virtude de embotar o raciocínio e de arranjar justificações rápidas.
O caso acabou de passar na TV. Um “autopullman” de luxo, com 1800 quilómetros. Novo, portanto. No interior, vários peregrinos espanhóis, que se dirigiam para Fátima. Segundo o relato de um desses peregrinos, quando começaram a rezar os travões da viatura falharam. O motorista, certamente, tentou dominar o veículo, que acabou a sua marcha encostado aos railes. Palavras do mesmo peregrino: “Graças a Deus e a Nossa Senhora, não se passou nada”. Olha se se tivesse passado… Ora, eu entendo que estas afirmações são injuriosas para a tal “nossa senhora”.

Desde logo, estão a chamar-lhe incompetente, que é coisa que não se chama nem a um político, quanto mais a “nossa senhora”. Mas a verdade é que a senhora podia, perfeitamente, ter evitado o acidente, tanto mais que se tratava de quem ia para Fátima e, como se não bastasse, os peregrinos iam começar a rezar. A não ser que se tratasse de orações já fora de prazo de validade e, assim, já se começa a perceber alguma coisa. Também se pode pôr a hipótese de os peregrinos rezarem em espanhol que, como se sabe, não é língua oficial portuguesa, mas isto já não tem piada, nada de brincar com coisas sérias. Depois, pergunta-se qual o papel do motorista, no meio disto tudo. Se “nada se passou, graças a nossa senhora”, o que fazia o motorista ao volante? Não poderia ter sido dispensado tornando, desse modo, a viagem muito mais barata? Porque, o que se depreende é que o homem não fez a ponta de um corno.

Mas a verdade é que se foi “graças a Deus e a nossa senhora” que “nada se passou”, isso só vem confirmar a tendência da senhora para chegar atrasada. Se bem se recordam, foi a senhora que desviou a bala que ia matar o João Paulo II, embora nunca tenha ficado esclarecido como foi que o JP2 chegou a essa conclusão, mas isso é lá com ele. Eu só acho que era um serviço muito mais completo se a senhora evitasse que a bala saísse, por exemplo.

Era giro. se a arma, quando o meliante apertasse o gatilho, lhe explodisse nas mãos. Isso sim, era justiça divina. O JP2 ficava incólume, e o malandro ficava com a mão estuporada, para não voltar a meter-se com o representante de Deus na Terra.

Em vez disso, o pobre JP2 acabou por ir para o hospital onde, verdadeiramente, os médicos nada fizeram, porque a senhora já tinha feito tudo.
Não há nada como a fé…