Loading

Dia: 20 de Março, 2010

20 de Março, 2010 Carlos Esperança

ICAR sob fogo. Papa comprometido

New York Times’

Psiquiatra de padre pedófilo afirma que alertou Igreja sobre trabalho do religioso com crianças.

A arquidiocese alemã dirigida pelo então cardeal Joseph Ratzinger nos anos 1980 ignorou repetidos alertas de um psiquiatra responsável por tratar de um padre acusado de abusar sexualmente de meninos, informa reportagem desta sexta-feira do jornal “New York Times”.

Segundo o doutor Werner Huth, ele avisou a Igreja que o reverendo Peter Hullermann não deveria ser mantido em trabalhos com crianças. Sob autorização do futuro Papa Bento XVI, o padre havia sido transferido para Munique para passar por tratamento psicológico.

– Eu disse ‘pelo amor de Deus, ele precisa desesperadamente ser mantido longe de trabalhos com crianças’ – disse o psiquiatra ao jornal. – Eu fiquei muito triste com toda essa história.

20 de Março, 2010 Carlos Esperança

As aparições de Međugorje- a ICAR cutuca onça com vara curta

fonte: www.wikipedia.org

Por

Rui Cascão

A história de Međugorje é quase exactamente a de Fátima, Lourdes e outros embustes desse calibre. Há umas criancinhas católicas e manipuláveis do mundo rural, há umas oliveiras e uma senhora vestida de branco. Depois os clérigos tentam aproveitar-se da “aparição” para objectivos políticos- em Fátima para dinamitar a 1a República, em Međugorje para lutar politicamente contra o SKJ (Liga dos Comunistas da Jugoslávia) que estava no poder na Jugoslávia. Aliás, a coincidência entre as aparições de Međugorje (em 1981) e a morte do Marechal Tito (em 1980) e o início da desagregação da República Federativa Socialista da Jugoslávia, dificilmente se tratará de mera coincidência.

Međugorje localiza-se na Herzegovina, região de população mista croata (predominantemente católica), bosníaca (predominantemente muçulmana), e sérvia/montenegrina (predominantemente ortodoxa), a 20 km de Mostar. Foi uma das regiões em que a limpeza étnica da guerra civil bósnia foi mais acentuada e mais sangrenta (lembremo-nos da destruição da ponte de Mostar, património da humanidade).

A Bósnia e Herzegovina, apesar da paz que foi alcançada, esta paz ainda está longe de estar consolidada. Se a ICAR avançar com a homologação deste embuste naquela região tão sensível, isso terá um impacte significativo na degradação das relações entre as diversas populações da região. Gostaria de saber se este renovado interesse da ICAR por Međugorje se deve a irresponsabilidade ou se é doloso.

A Bósnia e Herzegovina não precisa deste tipo de iniciativa, nem de turismo religioso. Necessita sim de iniciativas e projectos que criem pontes e laços entre os vários grupos étnico-culturais, que contribuam para a redescoberta pelos bósnios dos aspectos culturais que os unem, em vez de valorizar aqueles que os dividem.