Loading

Dia: 14 de Janeiro, 2010

14 de Janeiro, 2010 Ricardo Alves

O Papa quer falar connosco

Tenho sempre a agenda bastante preenchida, mas se ele quiser podemos ir beber umas bijecas. Tenho é muito para lhe dizer, se ele me quiser ouvir com a mesma paciência que eu tenho tido para o ouvir.

14 de Janeiro, 2010 Carlos Esperança

O Papa, o casamento gay e a natalidade

B16 - papa medieval

B16 - papa medieval

É surpreendente que o Papa se considere o paladino da procriação quando defende tudo o que se lhe opõe, desde a castidade – de efeitos demolidores –, até ao celibato imposto ao clero e restantes membros das comunidades religiosas, masculinos e femininos.

O chefe do único Estado sem maternidade é contra a reprodução medicamente assistida, a conservação de embriões e os bancos de esperma, numa atitude de pavor perante a possibilidade de a humanidade se esquecer do método tradicional de procriar, apesar de continuar o mais popular.

O papa Bento XVI associa a oposição da Igreja ao casamento gay às preocupações com o meio ambiente, sugerindo que as leis que enfraquecem “as diferenças entre os sexos” são uma ameaça à criação.

O argumento que usa para condenar a descriminalização do aborto (para lá da posição perante a vida, respeitável e de difícil definição quanto ao começo) não esconde a vontade malsã de ver mulheres condenadas ao cárcere para satisfação das suas crenças.

É, aliás, um argumento em que reincide, alheio ao crime que pratica quando condena o uso do preservativo contra a SIDA ou na violência que exerce quando pretende manter grávidas as mulheres violadas, com malformações fetais ou em risco de vida.

Que o Papa divulgue os seus preconceitos e os torne obrigatórios para os crentes do seu deus, é um direito que lhe assiste; que ameace com o Inferno é um problema religioso; mas pretender impor a vontade do deus de que se julga mandatário, é um acto ditatorial a que um país laico não pode nem deve submeter-se. Os radicalismos religiosos estão na moda mas as sociedades têm o dever de se lhes opor.

Os Estados devem preservar o carácter laico e resistir às pressões piedosas de quem gostaria de impor o direito canónico ao Estado de direito.