Loading

Dia: 2 de Maio, 2007

2 de Maio, 2007 jvasco

Miscelânea de notícias (2/5/2007)

  1. Juan José Daboub, uma figura chave do Banco Mundial, com alegadas ligações à Opus Dei, foi acusado anteontem de sabotar as políticas de apoio à saúde feminina. Terá ordenado a eliminação de objectivos e políticas relacionadas com o planeamento familiar. Em particular que fossem removidas referências à saúde reprodutiva do programa de assistência a Madagáscar.
    O planeamento familiar é fulcral para o desenvolvimento, para a saúde e liberdade dos cidadãos, mas algumas superstições e tabus agravam dramas económicos, sociais e culturais.
  2. O Parlamento Europeu aprovou uma resolução criticando políticos e líderes religiosos for «comentários discriminatórios» sobre homossexuais, e alegadamente «fermentarem o ódio e a violência».
    Uma mensagem para a Polónia, certamente…
    Bem sabemos que a homofobia tem boa fundamentação teológica, mas chega de deixar que tais superstições atrapalhem a construção de uma sociedade mais tolerante.
  3. «Em pose de estado [Alberto João Jardim], coloca-se ao lado dos autarcas locais, que também ouvem a música. A banda termina e todos se dirigem para o local de inauguração. Há um palanque, negro, sem qualquer inscrição. Discursa o padre. Bem, depende do padre. Pode realizar uma pequena comunicação ou uma curta missa, com direito a leitura litúrgica participada e muitos rituais cristãos. Benze o local. […] São assim as inaugurações ao estilo Alberto João Jardim. E não só agora, mas durante todo o ano, durante todos os anos dos seus 30 anos de exercício como Presidente do Governo Regional da Madeira»
    É triste esta promiscuidade entre a religião e a política, principalmente quando se entende a importância da separação entre Estado e Igreja. Mas pior é mesmo ver o Bispo a fazer campanha política contra certos segmentos do eleitorado, como acontece de vez em quando…
  4. Na Tailândia, activistas islâmicos matam uma criança de três anos. O mesmo grupo terá sido responsável pela recente morte de um professor de 67 anos no passado sábado, e por vários feridos. Desde 2004 terão morrido cerca de 2100 pessoas devido a este conflito.
    Tanto quanto sei, a religião não terá tido um papel central neste conflito em particular, mas certamente que a sua influência não é irrelevante. O dogmatismo não é conhecido por facilitar negociações…
2 de Maio, 2007 Carlos Esperança

Deus é opressão e morte

Deus não é apenas uma criação infeliz de épocas remotas e violentos, é o insuportável algoz explorado pelos parasitas da fé.

Deus é um mito vingativo da felicidade humana, o ser misógino que a todos persegue e humilha, oprimindo particularmente as mulheres. É o demente que ameaça com penas apocalípticas a alegria e o prazer.

Entre pessoas que viajam de joelhos ou de rastos, prostradas em abjecta subserviência, emerge o mito vingador, o garoto birrento, o esbirro que aguarda um efémero momento de prazer humano para condenar o autor às perpétuas penas do Inferno.

O presidente do Irão é um sinistro devoto de Maomé, prosélito xiita que quer virar a humanidade para Meca e transformar as democracias em teocracias islâmicas. Pois até este biltre – Mahmud Ahmadinejad – foi criticado por um jornal islamita por ter beijado a mão à sua antiga professora, apesar da luva que a cobria.

É esta demência das religiões, a crueldade dos seus deuses e a intolerância dos clérigos que tornaram Deus o adversário da paz e da liberdade, um infame ao serviço das forças reaccionárias e avesso ao progresso.

A democracia nunca teve a simpatia das religiões e foi sempre em luta contra elas que os homens e mulheres se emanciparam. Das alfurjas das sacristias e dos antros dos templos brotam a intolerância, o medo e as guerras.

2 de Maio, 2007 Ricardo Alves

«O que é a laicidade?»

Foi acrescentado recentemente no sítio da Associação República e Laicidade um texto sobre a laicidade, traduzido da Association Suisse pour la Laïcité: «O que é a laicidade?».
  1. «O que é a Laicidade?
    A Laicidade é a forma institucional que toma nas sociedades democráticas a relação política entre o cidadão e o Estado, e entre os próprios cidadãos. No início, onde esse princípio foi aplicado, a Laicidade permitiu instaurar a separação da sociedade civil e das religiões, não exercendo o Estado qualquer poder religioso e as igrejas qualquer poder político.
    Para garantir simultâneamente a liberdade de todos e a liberdade de cada um, a Laicidade distingue e separa o domínio público, onde se exerce a cidadania, e o domínio privado, onde se exercem as liberdades individuais (de pensamento, de consciência, de convicção) e onde coexistem as diferenças (biológicas, sociais, culturais). Pertencendo a todos, o espaço público é indivísivel: nenhum cidadão ou grupo de cidadãos deve impôr as suas convicções aos outros. Simétricamente, o Estado laico proíbe-se de intervir nas formas de organização colectivas (partidos, igrejas, associações etc.) às quais qualquer cidadão pode aderir e que relevam do direito privado.
    A Laicidade garante a todo o indivíduo o direito de adoptar uma convicção, de mudar de convicção, e de não adoptar nenhuma.
    A Laicidade do Estado não é portanto uma convicção entre outras, mas a condição primeira da coexistência entre todas as convicções no espaço público.
    (…)
  2. A Laicidade é anti-religiosa?
    De modo algum. Pode ser-se crente e laico, como se pode ser socialista ou liberal e democrata. A Laicidade não é irreligião: ela oferece mesmo a melhor protecção às confissões minoritárias, pois nenhum grupo social pode ser discriminado.
    (…)
  3. A Laicidade é anticlerical?
    Por princípio, a Laicidade garante a liberdade de crença e de culto dentro dos limites das leis comuns e da ordem pública. Entretanto, a Laicidade opõe-se ao clericalismo logo que este preconiza discriminações ou tenta apropriar-se da totalidade ou de uma parte do espaço público.
    (…)»

(Ler na íntegra.)

2 de Maio, 2007 Helder Sanches

Números do Ateísmo


Neste estudo internacional sobre a percentagem de crentes e não crentes em cada país, Portugal encontra-se num assustador 43º lugar, com números muito semelhantes aos Estados Unidos e atrás de todos os seus parceiros europeus.

Mais importante do que entender as causas para tais resultados – embora também seja importante – é ganharmos consciência de que vivemos num dos países mais conservadores da Europa no que respeita à importância do papel que a religião desempenha na nossa sociedade. É por isso urgente provocar e espicaçar a sociedade de modo a contribuir para a alteração desta realidade.

Embora eu não seja um defensor da “evangelização ateísta”, a desmistificação da fé através da promoção da ciência e da divulgação do ideal secular deverá ganhar novos impulsos e perder a vergonha de ir à luta contra a ignorância e o ridículo.

A oposição clara a qualquer infracção à laicidade do Estado não é suficiente. Muitos aspectos da nossa vida não estão dependentes do Estado. Em cada um de nós, na nossa família, no nosso grupo de amigos, nos nossos colegas de trabalho, há sempre algo mais que pode ser feito. Fazer nada é contribuir para que também nesta matéria nos mantenhamos na tão familiar cauda da Europa.

(Diário Ateísta / Penso, logo, sou ateu)