Loading

Dia: 29 de Março, 2007

29 de Março, 2007 Carlos Esperança

Paquistão – Rapto da dona de um bordel

Alunas da madrassa raptaram a dona de um bordel em Islamabad.

Que as boas almas de Islamabad queiram fugir da prostituição é um direito, quiçá uma obrigação, que faz as delícias de Alá e o regozijo dos mullahs.

A origem da prostituição confunde-se com a história da própria humanidade e não deixa de ser humilhante a venda do corpo, mas há infâmias maiores e crimes mais hediondos, a começar pelo rapto de pessoas e o exercício de cárcere privado.

O constrangimento social e o estímulo do clero levaram as tresloucadas alunas de uma madrassa, em puro zelo beato, à prática de vários crimes: invasão do domicílio, rapto, encarceramento e coacção física e psíquica da dona de um bordel e de duas familiares, estribadas na legitimidade do Corão e no incentivo dos próceres islâmicos.

A prisão das devotas provocou manifestações das colegas, encorajadas pelo director da escola corânica, enquanto os vizinhos, com maior terror dos talibãs do que de Maomé, ficaram «felizes e cantaram em glória de Alá».

Regressa o fundamentalismo que, como sempre, não se limita a condicionar a vida dos crentes mas a exigir, a todos, o comportamento que julgam inspirado por Deus.

No Paquistão, os talibãs estão na origem de incêndios em clubes de vídeo e na proibição de música e televisão. Os barbeiros foram proibidos de cortar barbas e as mulheres são obrigadas a usar burka, sob a ameaça de morte.

No Ocidente, que julgávamos civilizado, uma onda fundamentalista procura reconduzir a sociedade à Idade Média. O criacionismo é a arma com que, dos EUA à Europa, os prosélitos pretendem opor-se ao progresso e à investigação científica.

Há muito dinheiro investido na estratégia beata. A distribuição de um Atlas criacionista é a prova disso. É preciso estar atento.

29 de Março, 2007 Carlos Esperança

Sobre a laicidade

A laicidade é um factor apaziguador das diferenças culturais que o clero se esforça por converter em divergências.

Não é legítimo agredir crentes. Devem, sim, ser protegidos deles próprios e defendidos em nome da liberdade religiosa, mas a defesa e a protecção exigem que o proselitismo seja contido em margens que não degenere em conflito.

A ICAR, como religião monoteísta, não deseja a liberdade religiosa mas a imposição da catequese obrigatória. Já não é apenas a demência islâmica que põe em risco os direitos, liberdades e garantias que as democracias defendem. As Igrejas cristãs estão a assimilar o desvario islâmico e querem regressar às origens perdidas com a Revolução Francesa.

Não é a moral religiosa que perturba, o que não se tolera é a imposição clerical aos que rejeitam a fé.

A apostasia é um dos mais sagrados direitos humanos. É preciso proclamar o direito de defender hoje o contrário daquilo em que se acreditava ontem e, eventualmente, voltar a acreditar amanhã, sob pena de destruir a liberdade religiosa.

Os padres querem que o pecado seja crime e a apostasia punível com pena máxima, mas desiludam-se os parasitas da fé. Enquanto houver cidadãos que renunciem à humilhação de andar de joelhos, Deus é a nódoa que não mancha todas as consciências, um estorvo que não elimina a liberdade, a excrescência que não corrompe toda a humanidade.

Basta que a semente da descrença alimente a independência do pensamento e a coragem da resistência se sobreponha à violência da repressão, para que os homens permaneçam livres e dignos.

A opressão precisa de carrascos. Quando a democracia avança, a fé recua e os algozes ficam frágeis. Também por isso a defesa da civilização exige o combate pela liberdade.