Loading

Dia: 12 de Março, 2007

12 de Março, 2007 Carlos Esperança

Os jovens crentes e a velha raposa

A Agência Ecclesia exulta pelo facto de o velho ditador ter estabelecido contacto com estudantes de Coimbra, graças às novas tecnologias e, sobretudo, porque os estudantes aplaudiram quando o Papa falou em português.

Ora, o ditador vitalício do Vaticano lê a transcrição fonética de qualquer língua mas não deve enganar os jovens com números estudados para atingir a sua sensibilidade.

Depois, quando se pensaria que B16 apelasse à investigação científica para benefício da humanidade, o velho inquisidor apelou ao proselitismo religioso dos ingénuos alunos.

Eis, em português, a pérola da transcrição fonética fungada pelo comandante de todos os soldados do catolicismo retrógrado:

«Queridos estudantes da Universidade de Coimbra! Que a Virgem Maria, Sede da Sabedoria, seja a vossa guia para vos tornardes verdadeiros discípulos e testemunhas da Sabedoria cristã».

Desde quando é que a sede da sabedoria está na Virgem Maria, que só se apercebeu de que estava grávida graças ao alcoviteiro do arcanjo Gabriel? Qual foi a lei da física ou o teorema de matemática que a velha judia demonstrou? Em que é que contribuiu para a sabedoria, o avanço da humanidade, a paz e a tolerância?

Limitou-se a parir um filho que se dedicou ao ramo dos milagres e foi aproveitado para fundador de uma seita que teve êxito. Mas B16, com a ajuda da claque académica da Universidade de Coimbra, lá vai espalhando a mentira, a ignorância e o obscurantismo.

12 de Março, 2007 jvasco

Humor Criacionista.

O humor criacionista deixa muito a desejar, desde a banda desenhada do fundamentalista Jack Chick à «hilariante» animação flash do julgamento de Dover, que continua infantil mesmo sem os sons de flatulência que tinha originalmente.

Mas esta rábula nem seria má, se não fosse durar dez vezes mais que o necessário. E se não fosse um vídeo a gozar com um programa de rádio (design inteligente, certamente…):

O Dawkins está bem imitado, e tem uma certa graça de inicio. Se não tiverem paciência de ouvir, o Dr. Terry Tommyrot defende que Dawkins não existe, que não se pode acreditar que ele exista só porque vem como autor dos livros, e que os livros se formaram naturalmente por rearranjo das letras, num processo natural e não guiado pela inteligência.

Mas o que tem piada é que os criacionistas não percebem a ironia desta rábula.

Ninguém duvida que os autores das histórias da bíblia existiram. O problema é o personagem principal, que cria o mundo em sete dias, faz dilúvios e chover sapos, entre muitas outras façanhas. Os criacionistas confundem o Stan Lee com o Homem Aranha…

E é óbvio que um livro é um objecto criado com inteligência. Não há outra forma evidente de fazer as folhas, encadernar, escrever as palavras. Mas uma mosca é diferente. Para fazer uma mosca basta duas moscas e poucos dias, e não é preciso inteligência nenhuma (são moscas, afinal).

Nem faz sentido perguntar quem fez a primeira mosca. Moscas são seres que herdam certas características dos pais, como um Português herdou estas palavras e expressões dos seus pais. Ninguém inventou a mosca tal como ninguém inventou a língua Portuguesa. Por duplicação, herança, e acumulação de pequenas variações, coisas como línguas e espécies vão se formando umas a partir das outras, e todas a partir de antepassados longínquos muito mais simples.

Esta rábula demonstra o contrário do que os criacionistas gostariam. Que lá porque alguém escreve um livro não quer dizer que o que está escrito seja a Verdade. E que as coisas criadas com inteligência e propósito são bem diferentes das que surgem por duplicação e acumulação de modificações.

——————————–[Ludwig Krippahl]