Loading

Dia: 6 de Março, 2007

6 de Março, 2007 Carlos Esperança

A oração é a A-1 para o Céu

«A oração não é um acessório ou algo de optativo, mas uma questão de vida ou de morte. Só quem reza, quem se confia a Deus com amor filial, pode entrar na vida eterna, que é o próprio Deus», referiu Bento XVI na oração dominical do Angelus.

O Sapatinhos Vermelhos bale metáforas, como a pitonisa de Delfos. Veio da Sagrada Congregação da Fé (ex-Santo Ofício) para a direcção da ICAR, montado no Opus Dei e com o boato posto a correr de que tinha sido por inspiração do Espírito Santo, a pomba estúpida homónima de banqueiros portugueses.

Dizer que a oração é uma questão de vida ou de morte é equipará-la a um medicamento, quando é placebo, e pensar que em doses terapêuticas pode curar e, em excesso, matar.

«A oração não é um acessório». Claro que não. Doutro modo seria usada nos bordéis sadomasoquistas e como cilício nas casas pouco recomendáveis do Opus Dei onde se usam pios acessórios.

Mas a mais idiota das afirmações é dizer que a «oração é o caminho» para a vida eterna. Imaginemos que uma beata adormece no pai-nosso e vai ter ao Purgatório, que um devoto tartamudeia a salve-rainha e se perde do Paraíso, que um bem-aventurado rumina o credo e se mete por um beco em vez da auto-estrada que, segundo B16, entra no próprio Deus, sem portagem. É o caos nos transportes celestes, uma viagem no deserto sem bússola nem GPS.

Se, quem reza, pode entrar no próprio Deus – como diz o Papa -, Deus não é o criador com que engana a clientela, é uma estação de serviço onde se chega pelos caminhos da oração, um nó rodoviário onde vão ter os ociosos que passam a vida a rezar, o centro viário dos pobres de espírito que olham para os vestidinhos do Papa sem se rirem e ouvem-no dizer asneiras com o ar bobino de quem espera um bilhete para a eternidade.

Afinal, o Céu não é um destino, é um autódromo onde as almas fazem ralis com o motor alimentado a ave-marias, salve-rainhas, credos, padres-nossos, terços, novenas e missas, almas adaptadas a combustíveis mistos e pias tolices, sendo o Angelus indicado para as almas-turbo.

6 de Março, 2007 jvasco

Coincidências.

Num comentário ao post anterior, o leitor «kota» escreveu que «houve de facto ajudas por parte de pessoas ditas videntes ou lá o que quiserem chamar. É pouco provável que sejam meras coincidências.»

Pouco quanto? A probabilidade é uma medida que é muitas vezes difícil de estimar de uma forma intuitiva. Imaginem que num grupo de pessoas há duas que fazem anos no mesmo dia. Tentem estimar o tamanho do grupo para o qual a probabilidade de isso acontecer é igual à de não acontecer (50%).

Muitas pessoas apontam para um número à volta de 360, os dias do ano, ou 180, a metade. Mas na realidade com um grupo de 23 pessoas a probabilidade de haver pelo menos duas com aniversários coincidentes é superior a 50%. Com 60 pessoas a probabilidade é de 99%. O cálculo está explicado na Wikipédia, e é fácil perceber porque é assim se consideramos que num grupo de 23 pessoas há 506 pares diferentes. Mas a estimativa intuitiva é completamente errada. O nosso cérebro não evoluiu para fazer facilmente este tipo de cálculo.

Outra dificuldade é a nossa tendência de dar mais importância ao que é mais saliente. Um bom exemplo são as “estranhas” semelhanças entre Kennedy e Linclon. Eleitos para o congresso em 1946 e 1846, presidentes em 1960 e 1860, ambos assassinados à sexta feira, e assim por diante. Parece demais para ser coincidência, mas é difícil de estimarmos o número imenso de coisas que ficaram de fora por serem diferentes (o nome da sogra, a padaria que frequentavam, a marca da bicicleta que tinham em criança, etc.), e o número de possíveis combinações de presidentes onde procurar semelhanças. Basta num grande número de acontecimentos há certamente alguns que são extremamente raros, mas por pura coincidência. Afinal, por muito difícil que seja para qualquer pessoa ganhar o Euromilhões, não é difícil que alguém ganhe.

Finalmente, a falácia comum da falsa dicotomia: se não é laranja, então tem que ser maçã. Isto leva a conclusões injustificadas só porque «não pode ser coincidência». Por exemplo, quando o Sol está na casa de Capricórnio há muito mais acidentes rodoviários. Isto não é coincidência, no sentido de ser por acaso, pois a diferença é estatisticamente significativa. Mas não tem nada a ver com a astrologia. O signo do Capricórnio inclui o Natal e o Ano Novo, e é o maior número de condutores embriagados que faz aumentar os acidentes.

Em suma, se alguém vos diz que não pode ser coincidência por isso qualquer coisa, o mais certo é estar errado em ambas. Provavelmente é coincidência e, mesmo que não fosse, não queria dizer nada.

——————————–[Ludwig Krippahl]