Loading

Dia: 1 de Dezembro, 2006

1 de Dezembro, 2006 fburnay

Lembram-se da Laicidade?

Lembram-se da Laicidade?

Muitos portugueses torcem o nariz a tudo o que cheire a laicidade. Acham provavelmente que o laicismo veio para lhes tirar a sua religião e para lhes dizer que não há nada de sagrado na sociedade, para acabar com as procissões e com os seminários.

O Laicismo não serve para nada dessas coisas. Serve para manter a religião afastada dos poderes do Estado para que todos os cidadãos possam viver cada um a sua religiosidade em igualdade de direitos independemente do tipo de culto que praticam.

Mas não só. A Laicidade serve também para proteger as religiões de interferências do Estado. Não cabe ao Estado dizer o que é ou deixa de ser religião, qual delas merece maior atenção nem usar a religiosidade dos cidadãos como factor discriminatório.

A todos os católicos que se esquecem desse outro lado do Laicismo peço-lhes que olhem para a China, onde é o Estado que ordena os bispos católicos independentemente do que os crentes possam pensar disso. Eu até acho possível e legítimo que, em gesto de anátema, alguns crentes decidam por sua mão ordenar um bispo à revelia do Vaticano. Isso já tem acontecido e deu origem a cismas e divisões de cultos. A questão é que não pode ser o Estado a fazê-lo. Na China não há liberdade religiosa porque o Estado não actua de forma laica. Espero que tristes exemplos como este sirvam ao menos para lembrar que a Laicidade é algo de bom para os crentes.

1 de Dezembro, 2006 jvasco

Sorte ou injustiça?

Há quem diga que devemos agradecer a um deus aquilo que temos [..]. Eu tenho muito porque estar satisfeito com a minha vida. Vou ao supermercado e compro o que me apetece, gosto do meu trabalho, tenho saúde, e uma grande família de malta porreira. Tive muito mais sorte que os milhões de doentes, famintos, desabrigados, estropiados, órfãos, que sofrem por todo o mundo. E admito: não é justo. É injusto que uns corram cem metros em menos de dez segundos e outros nasçam sem pernas, ou que uns sejam compositores geniais e outros surdos. Mas ao menos é uma injustiça cega, como a lotaria. Calha a uns como podia ter calhado a outros.

Mas se a lotaria está viciada é uma injustiça terrível e maldosa. Se é por cunha que uns são corredores exímios e outros paraplégicos, que uns vivem felizes e outros sofrem, é revoltante. Se eu vivo bem enquanto outros morrem de fome e doença porque um deus puxou os cordelinhos do universo para me beneficiar à custa deles não estou nada grato. Nem percebo como se pode estar de boa consciência pensando que é assim.

——————————–[Ludwig Krippahl]

1 de Dezembro, 2006 Palmira Silva

Dia Mundial de Luta contra a Sida



Desde que o Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) foi identificado pela primeira vez há 25 anos, já causou a morte de 25 milhões de pessoas, das quais 2,9 milhões ocorreram este ano. As estimativas da ONUSIDA (Programa Conjunto das Nações Unidas e da Organização Mundial de Saúde sobre o VIH/SIDA ), indicam que existem actualmente 39,5 milhões de pessoas com o vírus da SIDA. Estes números podem ser uma estimativa conservadora já que de acordo com o relatório epidemiológico do VIH/SIDA de 2006 que acaba de ser divulgado, apenas 10 por cento das pessoas infectadas pelo VIH conhecem o seu estatuto serológico.

A epidemia de SIDA é particularmente dramática em África, onde se estima que 2.8 milhões de pessoas foram infectados em 2006. Na África sub-sahariana, cerca de 59% dos infectados são mulheres, o que é extremamente preocupante de per se mas também porque menos de 10% das mães seropositivas têm acesso aos medicamentos que previnem a transmissão do VIH ao filho.

O aparecimento do vírus HIV forçou uma mudança sem precedentes na forma com a sexualidade é discutida na praça pública. Para uma prevenção eficaz desta epidemia, um dos maiores flagelos da história da humanidade, é obrigatório falar sobre sexo – e sobre os preservativos, a forma mais eficaz de deter o progresso das infecções -, obrigação que deveria ser assumida pelas entidades públicas especialmente a nível dos profissionais da saúde (públicos e privados) e educadores.

Mas as indispensáveis campanhas de informação têm sido boicotadas nos países em que os prosélitos de Deus detêm poder político já que estes se opõem tenaz e veementemente a todos os programas de educação sexual e sobre o uso de preservativo, contrapondo como alternativa as respectivas homilias de desinformação e mentiras grosseiras, nomeadamente as mentiras que especialmente a Igreja Católica dissemina sobre a ineficácia do execrado preservativo.

De facto, a condenação católica do uso de preservativos, «tanto como medida de planeamento familiar, como em programas de prevenção da SIDA», associada a campanhas de mentira deliberada sobre o seu uso, nomeadamente em África em que responsáveis locais, para além de organizarem orgias de fé queimando preservativos, asseveram que é o preservativo o culpado pela disseminação da SIDA, tem sido desde sempre alvo de críticas, inclusive da Organização Mundial de Saúde.

De facto, a Igreja Católica e o actual Papa em especial – enquanto Raztinger considerou inadmissível o uso de preservativos – condena o uso do preservativo como profilaxia da SIDA, ou seja, é contrária ao uso de preservativos (e qualquer método contraceptivo), mesmo no caso de casais em que um dos cônjuges está infectado com o HIV.

Decorreu esta semana em Roma a XXI Conferência Internacional do Conselho Pontifício para a Pastoral da Saúde, que decorreu em Roma, sob o tema «Os aspectos pastorais dos cuidados a ter com as doenças infecciosas». No item SIDA ficámos a saber que a «a Igreja tem 26,7% das unidades existentes específicas para o tratamento da Sida» – em África a percentagem é substancialmente maior -, isto é, que em mais de um quarto destas unidades, que deveriam não só tratar como informar, os infectados são desinformados e exortados a não usarem preservativos, garantindo a perpetuação da doença.

Apesar das esperanças dos católicos normais de que o documento de 200 páginas em análise na ex-Inquisição resulte no fim da proibição da Igreja do uso de preservativo por pessoas infectadas pelo vírus (o único ponto em análise), a análise do papado de Ratzinger – que há pouco mais de 2 meses criticou a sociedade ocidental por se preocupar e dispender fundos com minudências, como políticas de saúde ou de combate à exclusão social, em vez no que deveria ser realmente importante: a evangelização – permite-me prever que a Igreja Católica continuará, 25 anos depois do início do flagelo, «o maior obstáculo na luta contra o HIV/SIDA».

Para que os objectivos da ONU de erradicação da doença sejam cumpridos é imprescindível que todos, governos, crentes de boa vontade e não crentes, se empenhem em combater este obstáculo!