Loading

Dia: 9 de Novembro, 2006

9 de Novembro, 2006 Ricardo Alves

Vitória para a liberdade de expressão na Turquia

A historiadora turca Muazzez Çig foi absolvida da acusação de «incitamento ao ódio religioso» num julgamento em Istambul. A acusação partiu de um advogado muçulmano e baseou-se no facto de a historiadora, que tem 92 anos de idade, ter escrito num livro que o véu foi usado pela primeira vez por sacerdotisas sumérias que iniciavam sexualmente rapazes como parte de rituais de fertilidade.

Muazzez Ilmiye Çig é reconhecida na Turquia como uma especialista na civilização suméria, mas tabém como uma laicista militante. Já escreveu à mulher do actual primeiro ministro (o islamista Recep Erdogan) aconselhando-a a que desse o exemplo e não usasse o véu islâmico em público.

À saída do tribunal, Muazzez Çig foi aplaudida por uma multidão.
9 de Novembro, 2006 fburnay

Vaticano «amargurado»

O Vaticano pediu a anulação da marcha de orgulho gay a ter lugar em Jerusalém, apresentando como razão o facto de ofender as crenças de judeus, muçulmanos e cristãos. Diz o Vaticano que a liberdade de expressão se deve submeter a «justas limitações» já que ofende as crenças das pessoas.

Se as pessoas se sentem ofendidas com uma marcha é graças a instituições como a ICAR que ajudam a propagar noções erradas e injustas sobre a sexualidade do ser humano. O Vaticano esquece-se que muitos dos que participarão nessa marcha são também judeus, muçulmanos e cristãos. E ignora todos os crentes que se entristecem pelo mundo fora com os preconceitos da Igreja. Não se sentiram eles também ofendidos pelo Vaticano?

A justificação apresentada espantar-me-ia se não fosse apresentada por quem é. O que está em causa é o direito à não-discriminação e à liberdade de expressão. Isso ofende os crentes porquê? É ofensivo fazer uma marcha? É ofensivo ter-se orgulho? Não. O que ofende os crentes é o facto de os outros serem homossexuais. Os crentes sentem-se ofendidos, veja-se, porque os outros não são como eles acham que deviam ser. Os crentes sentem-se ofendidos com a orientação sexual dos outros. Para os crentes, são pecadores os que querem marchar em Jerusalém e isso ofende-os. Isto é que são as «justas limitações» do Vaticano. A susceptibilidade arbitrária das pessoas, o seu humor volátil, o preconceito, o carácter sagrado de uma cidade que alguns julgam que lhes pertence simplesmente porque têm uma determinada fé de entre três. A liberdade ofende? Se a expressão ofende o Vaticano, o Vaticano não gosta dessa liberdade. É justamente a mesma justificação apresentada pelos fanáticos islâmicos em relação às caricaturas de Maomé.

Não esquecer que Bento XVI também “ofendeu” muçulmanos extremistas por causa de uma citação histórica. No exercício da sua liberdade de expressão, tão inviolável como a de qualquer outra pessoa, o papa viu-se a mãos com o mau humor de alguns muçulmanos que se mostraram muito ofendidos com a licenciosidade do bispo de Roma. Não haverá um único espelho em todo o Vaticano?

9 de Novembro, 2006 Carlos Esperança

A hipocrisia de Bento 16

B16, inveterado celibatário, incapaz de permitir a interrupção voluntária do celibato ao clero, é adversário feroz do divórcio. Não se estranha, pois, que apele aos bispos para manterem «a unidade e unanimidade» sobre princípios que quer impor à humanidade.

O último teocrata europeu é incapaz de aceitar a liberdade individual e de respeitar o pluralismo. Quem desconhece o casamento, que nega a si próprio e ao imenso exército de sotainas e hábitos que escondem a clericanalha, como pode compreender o divórcio?

E quanto ao aborto? Que leva um autocrata, misógino e intolerante, a querer na cadeia as mulheres que, voluntariamente, interrompam a gravidez? Um cínico, dirá que o Papa quer proteger os fetos para matar pessoas, lembrado dos assassínios da ICAR, ao longo dos séculos.

Quanto aos casamentos homossexuais, ninguém lhe pede a bênção, apenas se lhe pede que não interfira nas decisões individuais e que, como guardião da moral, que julga ser, diga qual é a sua opção sexual, a menos que seja sexualmente neutro.

Se a hipocrisia matasse ninguém aceitava o lugar de Papa.