Loading

Dia: 15 de Março, 2006

15 de Março, 2006 Palmira Silva

Defensores da fé

«Mas esta prescrição da razão não poderia ter força de lei se não fosse a voz e o intérprete de uma razão mais alta, à qual nosso espírito e nossa liberdade devem submeter-se.» (Leão XIII, encíclica Libertas Praestantissimum, 1888)

«O totalitarismo nasce da negação da verdade em sentido objectivo: se não existe uma verdade transcendente, na obediência à qual o homem adquire a sua plena identidade, então não há qualquer princípio seguro que garanta relações justas entre os homens.» (João Paulo II, encíclica Centesimus Annus, 1991)

Um argumento recorrente, e totalmente falso, por parte dos crentes em relação ao ateísmo consiste na afirmação que um sistema ético divorciado do «sobrenatural» é simplesmente utilitário/subjectivo/nihilista e redunda numa sociedade injusta e selvagem. Esquecendo que não há uma única crença religiosa que resista a um escrutínio objectivo; que não existe sequer uma única evidência que Deus, Alá, Yahweh, Shiva, Marduk , etc. sejam mais que as congeminações dos que os propuseram. E o mesmo em relação às supostas verdades «reveladas». Para além de que a suposta ética religiosa é uma ética mercenária em que se compra um lugarzinho no Paraíso por obediência a essas leis «reveladas».

Em qualquer religião, especialmente as do livro, há inúmeras interpretações quer da «verdadeira» natureza de Deus quer das suas «leis». E o terrorismo religioso é indissociável das religiões e tem sido justificado ou como excesso de fé ou por uma interpretação contrária a essa «verdadeira» natureza divina e às respectivas «verdadeiras» leis.

O problema é que essa natureza e as suas leis são o que alguém diz serem e, como temos apreciado ao longo da História, quer essa natureza quer as leis «reveladas» têm sofrido alterações radicais. O que torna essas verdades absolutas e as morais/éticas associadas mais subjectivas que a ética humanista ateísta. Porque a ética humanista é construída racionalmente a partir de premissas consensuais, como os direitos humanos, e por processos lógicos cujas regras são conhecidas de todos. As religiões apenas podem justificar as suas morais (irracionais) apelando a uma suposta experiência sobrenatural de um qualquer profeta, papa ou afins e que não resiste (nem pode ser sujeita) a uma análise racional.

Assim, para os crentes em qualquer religião, e todas exigem obediência acrítica ao que debitam, o imperativo de fazer o que quer que seja que Deus (ou o Espírito Santo) supostamente sussurra no ouvido de qualquer alucinadoou oportunista sobrepõe-se aos mais básicos princípios da convivência humana.

O cristianismo em particular aponta como doutrina fundamental uma aceitação submissa dos ditames do Vaticano, que se opõe a qualquer «insubordinação, relutância em obedecer, rebelião contra a autoridade». Um exemplo é o de Abraão e Isaac. Deus ordena a Abraão para sacrificar o seu filho, isto é, Deus ordena a Abraão para cometer um assassínio. Há aqui um aparente paradoxo, resolvido se entendermos que este episódio pretende incutir a lição que é mais importante obedecer a Deus do que preservar a vida humana. Nenhum princípio, verdade, honestidade intelectual, respeito pela vida humana, se sobrepõe à estrita fidelidade à miragem da «vontade» de Deus.

Estes (e outros) argumentos são desmontados num fabuloso artigo de Slavoj Zizek*, de leitura obrigatória, no New York Times de domingo. Deixo para já alguns parágrafos que reflectem exactamente o que penso sobre os temas abordados.

«Durante séculos disseram-nos que sem religião não éramos mais que uns animais egoístas, lutando pelo nosso quinhão, a nossa única moralidade a de uma alcateia de lobos; apenas a religião, diziam-nos, nos pode elevar a um nível espiritual mais alto. Hoje em dia, quando a religião emerge como a fonte de violência assassina por todo o Mundo, soam ocas as desculpas de que os fundamentalistas cristãos ou muçulmanos ou hindus apenas abusam e pervertem as nobres mensagens espirituais das respectivas crenças. E que tal restaurar a dignidade ao ateísmo, um dos maiores legados da Europa e talvez a nossa única hipótese de paz?

Há mais de um século, no livro ‘Os irmãos Karamazov’ e em outras obras, Dostoyevsky avisava-nos contra os perigos de um niilismo moral sem Deus, essencialmente argumentando que se Deus não existe então tudo é permitido. O filósofo francês André Glucksmann até aplicou ao 11 de Setembro a crítica de Dostoyevsky ao niilismo ateu, como sugere o título do seu livro ‘Dostoyevsky in Manhattan’.

Este argumento não podia estar mais errado: a lição que nos dá o terrorismo actual é que se Deus existe então tudo, incluindo rebentar com milhares de inocentes, é permitido – pelo menos para aqueles que clamam agir directamente em nome de Deus uma vez que, evidentemente, uma ligação directa com Deus justifica a violação de quaisquer considerações ou constrangimentos meramente humanos. Abreviando, os fundamentalistas religiosos tornaram-se iguais aos comunistas estalinistas sem Deus, para quem tudo era permitido uma vez que se consideravam instrumentos directos da sua divindade, a Necessidade Histórica de Progresso a caminho do Comunismo.»

(…)

Os fundamentalistas fazem o que consideram como boas acções de forma a cumprirem a vontade de Deus e para ganharem a salvação; os ateístas fazem-nas simplesmente porque são a coisa certa a fazer. Não é esta a nossa mais elementar experiência de moralidade? Quando eu faço uma boa acção não a faço como um suborno para cair nas boas graças de Deus; faço-la porque se não a fizesse não me conseguiria olhar no espelho.»

*O filósofo Slavoj Zizek, é o director internacional do Birkbeck Institute for the Humanities. O seu livro mais recente e o mais representativo é «The Parallax View».

15 de Março, 2006 Carlos Esperança

A ICAR e a liturgia

Um bispo que abdique do Palácio Episcopal, dispa a mitra e a capa de asperges, pendure o báculo e arrecade o anelão com ametista, prescinda dos fâmulos, reverências e beija-mão, venda a custódia e leve ao prego a cruz de diamantes, pode tornar-se um cidadão.

Se o clero desistir do processo alquímico que transforma a água normal em benta, o pão ázimo em corpo e sangue de Jesus e as orações em modo de pagamento de apartamentos no Paraíso, pode recuperar a honestidade que o charlatanismo comprometeu.

Se renunciar às novenas, missas e procissões, ao lausperene e ao te deum, pode reservar as energias para o bem público.

Se a confissão, a terrível arma que viola a intimidade dos casais, a honra dos crentes e a confiança da sociedade, for abolida, deixando ao deus que dizem omnisciente a devassa dos pecados e o sigilo, o mundo fica mais tranquilo.

As religiões são especialistas em idolatrar o passado e mitificá-lo. Fazem piedosas falsificações, inventam documentos e fazem relíquias para embevecer os carentes do divino em busca de uma assoalhada no Paraíso.

O incenso e os sinais cabalísticos prejudicam a reflexão e o livre-pensamento.

15 de Março, 2006 Ricardo Alves

Onde está o bom-senso, onde está a realidade?

A propósito do seu novo filme, Manoel de Oliveira cometeu declarações no Diário de Notícias que, para ser simpático, me limito a qualificar como disparatadas: «Agora tiram o véu às meninas que vão ao colégio com véu, tiram os Cristos de algumas escolas, é proibido ter qualquer religião mas não é proibido ser ateu ou laico. Onde é que está a liberdade, onde é que está a tolerância?»

A minha vontade é responder ao conhecido realizador de cinema perguntando-lhe «onde está o bom-senso, onde está a realidade?». Efectivamente, a última vez que me dei conta de um esforço significativo para impedir alguém de ter uma dada religião em Portugal foi há exactamente dez anos, quando houve uma campanha pública contra um pequeno grupo evangélico neo-pentecostal, a IURD. Na altura, chegou-se mesmo a destruir um local de culto desta religião e a IURD foi expeditamente despejada de vários templos que não estavam devidamente autorizados. Não se constata zelo comparável na aplicação das leis quando está em causa a religião que inspira Manoel de Oliveira no seu último filme, e não me recordo de o realizador nonagenário ter defendido a liberdade de religião dessa igreja que tinha métodos de marquetíngue tão eficazes, mas que era talvez popularucha demais para a selecta estética oliveiriana.

Devo ainda acrescentar que na minha cabecinha ateísta não pode ser classificada senão como humorística a ideia de que tirar crucifixos das escolas públicas seja «proibir qualquer religião». Parece-me que impô-los a quem não os quer será, isso sim, senão «proibir» o ateísmo ou qualquer religião que não tome o crucifixo como símbolo (ou seja, todas à excepção do catolicismo), pelo menos obrigar quem não segue o catolicismo a conviver com uma religião que rejeita. Mas admito que isto sou eu, com esta minha mania de que são as pessoas e não as sociedades que têm religião e que, horror dos horrores, ninguém deve ser obrigado a seguir uma religião que não deseja.

No fundo, o melhor de Manoel de Oliveira sempre foi a comédia, e é nessa categoria que se devem arquivar as suas declarações.