Loading

Dia: 18 de Agosto, 2005

18 de Agosto, 2005 pfontela

Os (ab)usos da imunidade

Relativamente ao caso dos escândalos de pedofilia relacionados com membros da ICAR nos Estados Unidos parece ter havido um novo desenvolvimento que no mínimo torna ainda mais evidentes as hipocrisias e psicoses que regem as cúpulas católicas.

Daniel Shea (o advogado de 3 rapazes que acusam o então seminarista Juan Carlos Patino-Arango de ter abusado deles durante sessões de aconselhamento), que já tinha movido um processo em que o nome de Ratzinger (Bento XVI) aparece como réu por ter encoberto os abusos, ameaça contestar em tribunal a imunidade do papa enquanto chefe de Estado.

Os advogados de Ratzinger já estão em movimento e pediram ao presidente Bush que reconhecesse a imunidade do papa enquanto chefe de Estado.O Sr. Shea tenciona apresentar argumentos em tribunal que permitam revogar esse privilégio. A tese central para tal medida é lógica e de senso comum: o Vaticano (Santa Sé) não é um Estado mas sim a sede de uma religião.

O documento que implica Ratzinger no escândalo (que longe de estar restrito aos Estados Unidos já chegou ao Reino Unido e Irlanda e provavelmente estende-se por toda a Europa) é um carta dirigida aos bispos de todo o mundo onde o antigo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé afirma que os graves crimes, como o abuso de menores, seriam tratados pela sua congregação através de tribunais especiais onde os casos estariam sujeitos a segredo pontifício.

Parece tratar-se de um encobrimento em larga escala que implica as mais altas patentes da hierarquia católica. Uma verdadeira conspiração de silêncio. Sobre a qual os advogados e outros representantes do actual papa continuam silenciosos como um túmulo (túmulo esse que pelos vistos enterra a pouca credibilidade que restava à organização).

Apesar de ter um bom caso a verdade é que não é provável que os argumentos do Sr. Shea tenham qualquer efeito. O seu pedido de revogação da imunidade papal vai ser ignorado por questões políticas e Ratzinger nunca vai ter que responder pela parte que desempenhou nestes crimes. Mas apesar de tudo fica a imagem, para todos verem, de uma hierarquia que mais parece uma confraria do crime do que do amor.

18 de Agosto, 2005 Carlos Esperança

B16 em campanha de propaganda

Ao chegar a Colónia, uma cidade onde a fé vem do estrangeiro, pois os autóctones são maioritariamente indiferentes a esse anacronismo, o Papa B16 desafiou os jovens a aproximar-se da Igreja.

Certamente já olvidou a mulher morta na Sardenha, Itália, no passado dia 10, enquanto assistia à missa em honra do patrono local, S. Lourenço. Morreu ao cair-lhe em cima um crucifixo acompanhado de um pedaço da cornija da igreja.

Provavelmente esqueceu-se dos dois operários, de 26 e 28 anos, que no dia 11 deste mês ficaram gravemente feridos na sequência da derrocada parcial de uma igreja em construção no município de S. Fulgêncio, em Alicante.

No entanto, o prémio do humor vai para o noticiário da SIC, hoje, às 20H00. Diz o locutor: «cerca de 400 mil jovens dirigem-se para Colónia ao encontro de Cristo».

Calcule-se a decepção de quem espera um cadáver com dois mil anos e encontra uma múmia com apenas 78.

18 de Agosto, 2005 Carlos Esperança

A ICAR no Brasil

O carácter arqueológico, que é apanágio da ICAR, revela-se com particular violência na América do Sul onde o tratamento reservado aos autóctones está a meio caminho entre o carinho que prodigalizava aos índios na doce tarefa da evangelização e aos hereges nos tratos piedosos da Inquisição.

Na sequência da 43ª Assembleia Geral da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), uma reunião de inveterados celibatários, todos do sexo masculino, tomaram, entre outras, as seguintes decisões:

1 – Pedir ao presidente Lula que «não sancione nenhuma lei que atente contra o direito à vida, por exemplo a aprovação de qualquer tipo de aborto», ou seja, nem em caso de violação, risco de vida para a mãe ou malformações congénitas;

2 – Condenar as iniciativas do Executivo brasileiro, como «a distribuição maciça de preservativos, além de produtos abortivos como o DIU e as assim chamadas pílulas do dia seguinte».

3 – Recordar a carta do Presidente Lula à CNBB em que se comprometia a «não tomar nenhuma iniciativa que contradiga os princípios cristãos», esperando a CNBB que «tais propósitos sejam traduzidos em gestos concretos, inclusive quando isso exigir o exercício do seu poder de veto», quer quanto a projectos de lei, quer quanto à afectação de recursos financeiros.

Em suma, condicionar a sociedade civil, intrometer-se na política e impor os seus preconceitos a todos os cidadão, independentemente de acreditarem ou não na virgindade de Maria e na castidade dos Srs. Bispos, é o objectivo da ICAR.

18 de Agosto, 2005 Palmira Silva

Evolução I: os criacionismos


As duas formas da Biston Betularia. A mariposa voa à noite e durante o dia descansa em troncos de árvore. Em zonas não poluídas os troncos das árvores estão cobertos de líquens. Neste fundo a mariposa clara (realçada a vermelho) é praticamente invísivel e a mariposa escura uma presa fácil para os seus predadores. Em zonas poluídas verifica-se o inverso.

A evolução, a transformação de uma espécie noutra ao longo do tempo, é um facto irrefutável, tão bem estabelecido como qualquer outro facto científico e assente não só em evidências fósseis mas especialmente em análises genéticas. A teoria da evolução, a explicação de como essa transformação se efectua, apresenta várias variantes e é matéria de debate na comunidade científica, facto que é usado como arma de arremesso pelos criacionistas, que dizem falaciosamente que a discórdia (no mecanismo, não na aceitação dos factos) prova as supostas «falhas» do evolucionismo.

Na realidade, a evolução biológica, a alteração das características hereditárias de grupos de organismos ao longo de gerações originando diferentes linhagens a partir de ancestrais comuns, é certamente o fio condutor da biologia. Não existe uma área sequer dentro da biologia que não assente no evolucionismo. Como afirmou Dobzhansky, um dos pais do neo-darwinismo, «Nada em biologia faz sentido excepto à luz da evolução».

Não obstante a evolução ser um todo, distinguem-se normalmente a microevolução, ou mudança a nível de espécie, e a macroevolução, ou evolução em «grande escala», em que uma espécie se transforma noutra, originando taxa superiores e que implica uma ancestralidade comum.

Por simplicidade vou dividir o criacionismo em duas categorias, a versão pura e dura, advogando o literalismo da Bíblia, que não aceita sequer a microevolução e o criacionismo para os mais cultos a nível científico, que aceita a microevolução mas não a macroevolução, entre os quais se encontra a IDiotia (desenho inteligente).

A versão acéfala do criacionismo que propõe que todas as espécies existem tal qual Deus as criou, há menos de 10 000 anos na vertente Terra jovem, é tão obviamente cretina que não é necessária qualquer formação científica ou grande conhecimento para a refutar. Basta pensarmos no vírus da gripe, nas bactérias que se tornaram resistentes aos antibióticos ou, se quisermos passar para o mundo macroscópico, no exemplo típico das mariposas Biston betularia. Antes da revolução industrial, apenas era encontrada a mariposa clara, salpicada. A mariposa escura foi identificada pela primeira vez em 1848, perto de Manchester, e constituia mais de 90% da população de áreas poluídas em meados do século 20. Em áreas despoluídas, a forma clara ainda era comum. Em meados dos anos 90, em consequência da diminuição da poluição, a forma mais escura diminuíu drasticamente, de cerca de 95% da população para menos de 10%.

A negação da microevolução é assim algo tão obviamente imbecil que não merece mais tempo de antena. Nos próximos posts sobre o tema tentarei analisar a negação da macroevolução nomeadamente as falácias mais comuns:

1- A evolução nunca foi observada
2- Não há fósseis transicionais
3- Não é possível que a complexidade do genoma aumente
4- A evolução é apenas uma teoria; nunca foi provada