Loading

Dia: 12 de Agosto, 2005

12 de Agosto, 2005 Palmira Silva

Guerra ao terrorismo: mais notícias

Abu Qatada, descrito como o embaixador da Al Qaeda na Europa, vai ser deportado para a Jordânia na próxima semana, onde cumprirá a pena por que foi condenado in absentia em 2000.

Abu Qatada fugiu em 1993 da Jordânia para Inglaterra, onde pediu asilo, depois de ser acusado de incitar actos terroristas, nomeadamente uma série de atentados contra turistas israelitas e americanos que se encontravam na Jordânia para as celebrações do milénio. A sua deportação está apenas pendente de um acordo com a Jordânia sobre a forma de tratamento dos deportados. Claro que Abu Qatada pode sempre apelar da decisão o que pode demorar o processo de deportação.

O dirigente radical Sheikh Omar Bakri Mohammed foi excluído do Reino Unido, país a que não pode regressar. Há mais de 20 anos, depois de ter obtido asilo político, que Bakri tinha uma autorização ilimitada para permanecer no Reino Unido.

Anjem Choudray, o seu porta-voz, considerou a medida «completamente ultrajante» e uma falha do princípio da liberdade de expressão. Quiçá considerando que referir-se aos terroristas suicidas que perpetraram o 11 de Setembro como «Os 13 magníficos» ou aos quatro bombistas que semearam o terror em Londres no dia 7 de Julho como os «quatro fantásticos» é apenas uma manifestação da liberdade de expressão. Assim como declarar que «Eu sou um terrorista. Como muçulmano claro que sou um terrorista»

Felizmente um muçulmano com bom senso, Inayat Bunglawala, do Conselho Muçulmano de Inglaterra já declarou que «A ausência de Omar Bakri será certamente pouco sentida pela vasta maioria dos muçulmanos britânicos» acrescentando que «Ele é alguém a quem por 20 anos foi dado asilo por este país e que passou todo o tempo a vilificar este país e os seus valores» e «Com os seus frequentes comentários muito ofensivos ele contribuiu para a demonização dos muçulmanos britânicos»

12 de Agosto, 2005 Palmira Silva

As guerras da evolução

A revista Time desta semana tem como tema central o ataque ao evolucionismo em curso nos Estados Unidos, que ganhou novo fôlego depois de G. W. Bush ter advogado o ensino do desenho inteligente nas escolas.

Como leitura de Verão sobre a regressão criacionista, que ameaça invadir a Europa, especialmente depois do arcebispo de Viena ter defendido o desenho inteligente, ficam aqui as ligações para alguns posts que escrevi sobre criacionismo, os três primeiros desmascarando as versões «soft» do criacionismo:

Os dinossauros de Deus
Ainda o princípio antrópico, I: pescadinha de rabo na boca
Ainda o princípio antrópico, II: a posição «cientificamente correcta»
De volta ao Genesis
Evolução ou regressão?
Oxy-morons
Creatio ex nihilo
IDiotas: metereologia o próximo alvo?
Criacionismo 0 – Bom senso 1

12 de Agosto, 2005 Palmira Silva

Miscelâneos

Mais rezas da chuva
O primeiro-ministro da Malásia, Abdullah Ahmad Badawi, pediu à comunidade muçulmana para rezar por chuva que disperse o denso nevoeiro que envolveu a capital, Kuala Lumpur, e arredores.

O pedido foi feito no dia seguinte a ter sido declarado estado de emergência nas duas áreas mais afectadas pelo nevoeiro resultante dos incêncios na vizinha ilha de Sumatra.

Cristianização forçada
Os residentes da Illinois Chinese American Residence for the Elderly interpuseram um processo federal por terem sido coagidos e forçados pela administração a práticas cristãs e a assistirem a aulas de estudo da Bíblia. Os queixosos afirmam que a administradora do complexo recorria a «regras e regulamentos coercivos, assediantes e restritivos para impor crenças cristãs aos residentes».

Os idosos residentes queixaram-se que vivem num ambiente religiosamente hostil em que são proíbidos de usar as salas comuns para tudo o que não seja cristão, incluindo jogar às cartas. Dois residentes, de 86 e 87 anos respectivamente, afirmaram que se escondiam na casa de banho dos apartamentos com as luzes apagadas para não serem forçados a assistir a aulas de estudo da Bíblia.

Nada de novo aqui: a cristianização forçada sempre foi prática comum de todas as variantes da religião.

Casamentos inter-religiões

O jornalista americano que foi assassinado a semana passada em Bassorá foi executado por extremistas shiitas que sabiam da sua intenção de casar com a intérprete muçulmana, também atingida gravemente no ataque.

Steven Vincent foi morto uma semana antes do casamento com a sua intérprete Nouriya Itais e três dias depois de escrever um artigo no New York Times acusando os oficiais britânicos de permitirem a infiltração da polícia por membros de partidos religiosos.

Graffitti
Um coronel da Força Aérea Americana, estacionado no National Security Space Institute em Colorado Springs, foi acusado de pintar obscenidades em carros estacionados no aeroporto internacional de Denver que ostentavam autocolantes pró-Bush.