Loading

Dia: 25 de Abril, 2005

25 de Abril, 2005 Palmira Silva

Terrorismo em Timor Leste

Os dois bispos de Timor-Leste pediram hoje a demissão do primeiro-ministro Mari Alkatiri, depois de uma semana de manifestações organizadas pela Igreja contra a decisão de tornar facultativo o ensino da religião em 32 escolas.

Assinado pelo vigário-geral de Díli, padre Apolinário Guterres, a Igreja Católica divulgou hoje um comunicado que pretende que a concentração de católicos na capital timorense, hoje no seu sétimo dia, «não é simplesmente sobre religião».

«A essência do problema reside no modelo de sociedade que está a ser imposto sobre este povo», informa a Igreja timorense e, falando em nome dos cerca de cinco mil fanáticos que arregimentou, afirma que «o povo perdeu a confiança neste governo» e assim «em consequência o povo exige ao partido FRETILIN a remoção deste governo».

A Fretilin pela voz do seu presidente, Francisco Guterres «Lu-Olo», que já na semana passada tinha acusado a Igreja Católica de estar a criar um «clima pré-insurreccional», disse aos jornalistas que o partido maioritário em Timor-Leste «nunca aceitará que alguém tente tomar o poder pela força».

«A FRETILIN nunca há-de aceitar um golpe de estado. Nunca aceitará que alguém tente tomar o poder pela força. A experiência de 1975 bastou.»

Num comunicado de imprensa apresentado depois da reunião do Secretariado Político Permanente do Comité Central, realizada hoje em Díli, é exigido à hierarquia da Igreja Católica que respeite a Constituição e que que não se repita a experiência de 1975, uma guerra civil que colocou timorenses contra timorenses.

Nota: Terrorismo é o uso da violência ou a ameaça do uso da violência contra civis por razões políticas, religiosas ou ideológicas.

25 de Abril, 2005 Palmira Silva

Imago Dei

Foram recentemente conseguidos resultados muitos promissores para o tratamento da artrite, um flagelo que assola a população portuguesa, já que as doenças osteoarticulares «constituem uma parte importante das patologias crónicas que afectam a população com mais de 65 anos de idade, embora se iniciem frequentemente em idades jovens», como se pode ler no Plano Nacional de Saúde: Orientações estratégicas para 2004-2010.

Mas, possíveis curas envolvem técnicas «pecaminosas» como terapia genética, ou envolveram manipulação genética e clonagem para produção de ratos knockout (isto é, com uma mutação que impede a transcrição de um determinado gene) no gene que codifica a proteína que foi considerada responsável pela desagregação do aggrecan, o componente maioritário da cartilagem (excluindo água, claro) a aggrecanase-2.

Na realidade, manipulações «pecaminosas» são a esperança para a cura de mais doenças até agora sem tratamento efectivo. Outro exemplo é a doença de Alzheimer. Entre 2001 e 2002 a equipa liderada pelo professor Mark H. Tuszynski, na UCSD (Universidade da Califórnia em San Diego) implantou fibroblastos da pele geneticamente modificados para produzir NGF (factor de crescimento de tecido nervoso) no cérebro de oito pacientes com esta doença.

Os resultados deste tratamento por terapia genética foram agora conhecidos e são igualmente extremamente promissores: seis dos pacientes apresentam sinais evidentes do sucesso da técnica e o grupo do professor Tuszynski prepara-se para iniciar a Fase II do estudo.

Resta saber se o novo Papa, que já declarou que uma das prioridades do seu papado será exactamente a bioética, em que se inclui manipulação genética, investigação em células estaminais, etc., e que prepara um novo documento sobre o assunto, vai apelar à desobediência civil, como parece ser a sua táctica de imposição dos anacrónicos dogmas e referencial da Igreja de Roma, para travar quer a investigação quer terapias baseadas no que considera imiscuição indevida do homem nas competências divinas.

Lendo a profusão de documentos, entrevistas e declarações debitadas sobre o assunto, é fácil concluir que o Cardeal Ratzinger considera pecaminosa qualquer interferência no desígnio divino por manipulação genética.

Para o cardeal Ratzinger, e podemos apenas supor que para Bento XVI igualmente, o homem foi criado à imagem de Deus, e embora «A ideia do homem como co-criador com Deus poderia ser utilizada para justificar a manipulação da evolução humana através de manipulação genética.» não podemos esquecer que «isto implicaria que o homem tem direito pleno sobre a sua natureza biológica.» Ou seja, «O nosso estatuto ontológico como criaturas feitas à imagem de Deus impõe limites à nossa auto determinação (biológica). A soberania (sobre o nosso corpo) de que dispomos não é ilimitada» já que «Um homem só pode melhorar realmente realizando mais completamente a imagem de Deus em si unindo-se em Cristo em sua imitação.»

E convém informar que este novo Papa considera que se uma célula adulta é alterada para se tornar totipotente (ou estaminal) então deve ser considerada um embrião. Ou seja, é expectável que brevemente pretenda proibir, na boa tradição inquisitorial a que já nos habituou, a investigação em células estaminais, embrionárias ou adultas, e todas as terapias envolvendo estas células, que serão certamente consideradas um pecado mortal.