Loading

Dia: 26 de Março, 2005

26 de Março, 2005 Mariana de Oliveira

Vícios privados

José Policarpo, cardeal-patriarca de Lisboa, disse que «cada um na intimidade da sua consciência» deve examinar a sua capacidade para receber a comunhão. No entanto, nos casos em que «a situação de pecado é pública, tornando-se então o acesso à eucaristia numa profanação pública da santidade desse sacramento», a comunhão não deve ser dada aos crentes. Aqui, «compete à Igreja defender, também publicamente, a santidade da eucaristia, não admitindo à comunhão eucarística aqueles que se mantêm publicamente numa situação moral, claramente definida nas normas morais, incompatível com a santidade deste sacramento».

Portanto, depreendemos que, para aquele membro da jerarquia da ICAR, uma pessoa pode levar uma existência o mais debochada possível desde que isso não transpareça para o público em geral. É, no mínimo, uma atitude hipócrita mas nada a que não estejamos habituados.

26 de Março, 2005 Mariana de Oliveira

História interminável

Depois de assinada a lei que obriga os médicos da Florida a manterem o estado vegetativo de Terri Schiavo, de um juiz federal ter decidido contra a reinserção do tubo de alimentação, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos rejeitou analisar o recurso, apresentado pelos pais de Terri Schiavo, que contestava a decisão judicial que autorizou a remoção do tubo digestivo que alimenta artificialmente a doente.

Com esta decisão, aos pais só resta a intervenção do irmão do mui religioso presidente Bush, o governador da Florida, Jeb Bush, que já assegurou que «continuará a explorar todas as possibilidades legais para manter Terri viva».

No Diário de Notícas, novo órgão informativo da ICAR, Luís Delgado grita e exorta: «Que mundo é este, meu Deus? Gritem, enviem apelos, cartas, e-mails, tudo o que for possível para salvar Schiavo!». Mas salvá-la de quê? De uma não-existência?

26 de Março, 2005 Carlos Esperança

Timor – Um protectorado do Vaticano

Quem julga que o desatino místico é um exclusivo dos mullahs, arredado dos hábitos católicos, ou pensa que a violência religiosa é um impulso dos ayatollahs de que os bispos católicos se curaram, crê que só o islão cria talibans e esquece a abominável máquina do Vaticano onde medram parasitas da fé e inquisidores fanáticos.

O ar civilizado que os bispos e padres ostentam na Europa que se emancipou dos desvarios papais não aparece na América do Sul ou em países cujo nível de desenvolvimento consente a prepotência eclesiástica e o fundamentalismo da fé.

Em Timor Leste a decisão do Ministério da Educação de passar a disciplina de Religião de obrigatória a facultativa, com carácter experimental, em 32 escolas, sofreu duras críticas dos bispos católicos. Alberto Ricardo, de Dili, e de Basílio do Nascimento, de Baucau, acusaram o Governo de «falta de sensibilidade e preconceito» e exigem a Religião como cadeira obrigatória na escola.

Por sua vez, o núncio apostólico, Malcolm Raanjif, que se deslocou a Timor para presidir à cerimónia do Domingo de Ramos, afirmou que a decisão ia contra os interesses do povo timorense. Mas este déspota foi ainda mais longe ao encorajar os autóctones a «confrontarem os que tentam destruir a Igreja». Pretenderá uma guerra religiosa ou o assassinato dos governantes?

É a Rádio Vaticano, uma emissora ao serviço da última ditadura europeia, que afirma, sem vergonha, que o episcopado timorense exige o ensino obrigatório da religião na escola pública. Que diz a isto o clero português? A vocação totalitária devora os católicos, o ódio à liberdade alimenta-os, a gula desenfreada assalta-os na defesa de um monopólio que fere os mais elementares direitos humanos e ataca um Governo democraticamente eleito.

Bem sabemos que para os padres só Deus conta e eles andaram a estudar a vontade de Deus durante numerosos anos de seminário e de recalcamento sexual. São agentes comerciais do seu Deus e não abdicam do regime de monopólio. Alguém tem de os travar.