Loading

Dia: 30 de Outubro, 2004

30 de Outubro, 2004 Mariana de Oliveira

Buttiglione fora da Comissão

Rocco Buttiglione, personalidade avançada por Durão Barroso e pelo primeiro ministro italiano para suceder a António Vitorino na Comissão de Justiça e Assuntos Internos, anunciou a desistência da sua candidatura a comissário europeu após ter sido apontado como uma das causas para a reformulação da equipa de comissários proposta pelo Presidente da Comissão Europeia – acontecimento sem precedentes na história da União Europeia.

O ex-candidato a comissário é um amigo muito próximo do Papa João Paulo II e foi o rastilho de uma crise sem precedentes no Parlamento Europeu após ter declarado que a homossexualidade é pecado e que o papel principal das mulheres no casamento é ter filhos. Alguém com estas posições acerca da emancipação do sexo feminino e da tolerância para com diferentes opções sexuais reúne, à partida, todas as condições necessárias para se ocupar da pasta da Justiça e dos Assuntos Internos.

Quando se ocupa um cargo de tal relevância, é preciso ter em conta um determinado número de conquistas axiológicas, nomeadamente a igualdade de direitos entre os cidadãos independentemente do sexo, religião e orientação sexual. A mulher não mais será uma parideira submissa cujo único objectivo de vida é cuidar do marido e dos filhos. A mulher terá uma posição igual no que diz respeito a direitos e obrigações matrimoniais, bem como em relação à educação dos filhos; a mulher terá as mesmas oportunidades de acesso ao emprego e à educação; a mulher terá protecção na maternidade. Os tempos de subjugação acabaram. Quanto aos homossexuais, ainda têm um caminho mais longo a percorrer.

Buttiglione considera-se uma «vítima inocente» escolhida pela humanidade, que «periodicamente decide purificar-se». «Desta vez fui eu o escolhido para essa função e não me queixo muito», disse. Ou seja, temos um mártir dos defensores dos valores cripto-conservadores católicos, perseguido por expressar livremente as suas opiniões. Ora, como escreveu a Palmira, este amigo pessoal do Papa não é uma vítima inocente. Ele é membro vitalício da Comunhão e Libertação, uma organização conservadora cujo objectivo é trazer os valores religiosos para a vida política. Para além disso, após ter sido nomeado Ministro dos Assuntos Europeus, em 2002, tentou proibir a inseminação artificial, solicitou o financiamento público para estabelecimentos de ensino católicos e o pagamento de subsídios a mulheres que decidissem não abortar.

Ter o cavalheiro em questão à frente da Justiça europeia seria um passo para que as doutrinas altamente retrógradas da ICAR fossem adoptadas em legislação europeia e, assim, para a destruição dos valores da Democracia, da Igualdade e da Liberdade que conformam a União Europeia.

30 de Outubro, 2004 Ricardo Alves

Novo avanço criacionista nos EUA

No dia 19 de Outubro, o conselho de área escolar do distrito de Dover (Pensilvânia, EUA) votou favoravelmente por 6-3 a inclusão do «plano inteligente» (intelligent design) no currículo das escolas da zona. O currículo agora aprovado inclui a formulação seguinte:
«Será dado conhecimento aos estudantes dos hiatos/problemas na teoria de Darwin, e de outras teorias incluindo, mas não apenas, plano inteligente. Nota: as origens da vida não serão ensinadas».

A designação «plano inteligente» é o mais recente disfarce pseudo-científico do criacionismo bíblico. Os seus proponentes tentam fazer avançar, através da escola, o mito de que as alterações evolutivas foram feitas por uma inteligência sobrenatural, e a sua nova táctica é exigir o contraditório entre ambos os pontos de vista, científico e religioso. Segundo o CSICOP (Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal) é a primeira vez que os obscurantistas bíblicos conseguem que seja concedido tempo igual ao ensino da evolução e à propaganda da crença na existência de um «plano inteligente» para o Universo.
30 de Outubro, 2004 Palmira Silva

Tolerância religiosa

Um dos meus locais favoritos na World Wide Web é a página mantida pela organização Ontario Consultants on Religious Tolerance, que inclui nos seus membros ateus, agnósticos, cristãos, budistas zen e Wiccas. Uma página muito informativa, com mais de 2 500 ensaios sobre temas religiosos e onde são analisados de forma objectiva e desapaixonada os assuntos mais relevantes sobre religião. Os objectivos da organização são a promoção da liberdade religiosa, tolerância e diversidade.

Tudo isto a propósito da confusão que alguns dos nossos leitores fazem entre intolerância em relação às religiões e posts onde se denunciam acções, passadas ou presentes, que consideramos danosas dos direitos humanos, dos valores éticos de uma sociedade que se quer de facto no século XXI e do laicismo. Os ateístas que escrevem neste blog são tolerantes em relação a qualquer ideia ou moral individual e defendem a total liberdade religiosa. Somos quiçá intolerantes em relação a práticas religiosas que culminem em discriminação, seja ela de credo, sexo, orientação sexual ou cor da epiderme. Ou em relação às tentativas de qualquer religião para impor aos demais os seus dogmas e limitar a liberdade religiosa.

Num mundo cada vez mais global em que urge a coexistência pacífica, especialmente de credos (ou inexistência deles), qualquer grupo que pretenda ser o detentor intolerante da verdade e moral absolutas, que se arrogue divina e superiormente justificado para impor a sua forma de ver e estar na vida é uma ameaça à paz e à justiça. Todos nós somos testemunhas do perigo dos fundamentalismos religiosos. Os que têm curiosidade em investigar a História sabem que nada de bom adveio do absolutismo religioso em termos do que deveriam ser os valores universais, independentes dos deuses por que cada um jura, nomeadamente o respeito pelo outro.

A paz, a justiça, os direitos e a própria sobrevivência do homem só serão de facto possíveis quando as religiões se remeterem para o foro privado, que deveria ser o seu papel, sem tentativas de imiscuição na vida pública. Sem julgamentos de valor sobre a qualidade moral dos que não subscrevem a respectiva religião porque os preconceitos e o sentimento de superioridade moral resultantes justificam (e justificaram) as acções mais ignóbeis de que a Humanidade foi vítima. E é urgente que o não esqueçamos! Por isso o recordamos frequentemente…

30 de Outubro, 2004 Carlos Esperança

Sequestrados em nome de Deus

Em numerosos países há casas sombrias, de débil transparência, habitadas por criaturas de um único sexo, com actividades e costumes suspeitos. A singularidade sexual e o aspecto soturno distingue-as dos bares de alterne, com muito maior transparência e alegria. Refiro-me aos conventos. Uns, são de freiras, vestidas com uma espécie de burkas brancas ou azuis; outros, habitam-nos os frades, com trajes aligeirados, preferindo a cor castanha e o burel. Todos têm como autoridade suprema o bispo da diocese, excepção feita ao Opus Dei, cujas actividades clandestinas reportam apenas ao Papa. A todos são exigidos directores espirituais, que orientam os reclusos no caminho da salvação, celebram a santa missa, ouvem os pecados, impõem penitências e aterrorizam com o Inferno.

Sabe-se que faz parte da vida parasitária dedicarem-se à contemplação mística, à oração, aos jejuns e a receber visitas esporádicas da fauna celeste. A Lúcia, por exemplo, foi visitada várias vezes pela senhora de Fátima, num tempo em que os transportes eram baratos, e uma vez pelo próprio Cristo, cansado do Céu e da coroa de espinhos.

Se os países se regessem por sãos princípios da laicidade, na defesa dos direitos, liberdades e garantias, certamente que assistentes sociais, autoridades policiais, psiquiatras e psicólogos, além de agentes responsáveis pela higiene e sanidade, visitariam esses antros, onde há fundadas suspeitas do exercício de cárcere privado, fenómenos de coacção psicológica e vítimas de depressões profundas. No entanto, a influência política da ICAR e de outras religiões ainda menos recomendáveis, impedem que as autoridades zelem pela defesa dos direitos humanos na totalidade do território dos diversos países onde as vítimas se encontram. Em nome de Deus, há sofrimentos que o sadismo religioso cultiva por maldade, entre os enclausurados, sob o alibi de interpretar a vontade de Deus e de realizar vocações.

Uma investigação independente às restrições de direitos, liberdades e garantias de que são espoliados os frades e as freiras, bem como às eventuais sevícias e às precárias condições de higiene a que estão sujeitos, é uma necessidade urgente. Em nome da democracia, da liberdade e da dignidade humanas.

30 de Outubro, 2004 André Esteves

O Ateísmo, a linguagem, a religião, a biologia, a tolerância e os macaquinhos… Parte I

(Esta é uma reedição. A II Parte será publicada na semana que vem)

O caminho que tomamos ao afirmarmo-nos ateus não é fácil. Ao desmontarmos toda a «canga» que uma cultura religiosa nos impõe, somos obrigados a rever e a analisar com profundidade as bases éticas e causas da nossa moral, da nossa visão do mundo, das nossas emoções e da nossa razão.

Não é fácil. Nunca é fácil para cada um de nós. E se fosse fácil, não valeria a pena…

O crescimento pessoal, a liberdade mental e a solidez dos valores que obtemos são demasiado importantes para serem menosprezados. Mas o caminho de um ateu será sempre pessoal e único. Partilhá-lo é a nossa maneira de nos reconhecermos uns aos outros. De nos juntarmos à volta da fogueira, e hoje, à frente de um monitor, tentar saltar o espaço entre as nossas mentes, contando histórias…

Esta é uma história…

As religiões do livro (e em certa medida o marxismo através do conceito hegeliano do progresso) criaram uma dualidade entre o homem e a criação1. O homem é um ser especial. Criado com objectivos diferentes do resto da natureza.

Génesis 1:2

25 Deus, pois, fez os animais selvagens segundo as suas espécies, e os animais domésticos segundo as suas espécies, e todos os répteis da terra segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom.

26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra.

27 Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

A partir desta visão do mundo, criou-se um duplo sistema de valores. Um para o homem e outro para a criação. A natureza à nossa volta era uma realidade biológica separada. O domínio e usufruto da natureza tinha-nos sido dado por deus. Como seres à imagem e semelhança de deus éramos superiores e com nada em comum com o mundo à nossa volta.

Humbolt, Lamarck e tantos outros naturalistas, puseram a descoberto um novo mundo biológico, de variedade e propriedades até antes inimagináveis. E depois veio Darwin…

Darwin quebrou definitivamente esta mentira. Ao estabelecer a ligação entre todos os seres vivos, através da evolução, obrigou-nos a sacudir a arrogância de nos acharmos especiais perante os outros seres vivos…

Assim, hoje quando olhamos para nós próprios, devemos ver-nos como animais, um pouco mais habilidosos, um pouco mais comunicantes, com um pequeno sentido de história e do tempo. Estamos sempre presos pelas amarras do ADN, do nosso programa genético, dos instintos e capacidades que dele obtemos individualmente. A cultura é a preservação histórica, através do contacto dos vivos, das prácticas e do que escrevemos, no pouco que realmente conseguimos passar uns aos outros, do que vamos aprendendo como seres humanos.

Mas tal não é exclusivo do homem.

Num esforço3 para clarificar o nosso conhecimento do comportamento dos chimpanzés, foi realizado há 6 anos uma campanha bem planeada e coordenada de recolha de dados comportamentais de dezenas de comunidades de chimpanzés. Estes grupos separados por rios, montanhas, selva e centenas de quilômetros apresentavam comportamentos sociais característicos de cada grupo. Mais… Os comportamentos eram transmitidos de geração em geração, mudavam com o tempo e alguns eram transportados pelas jovens fêmeas que procuravam novos grupos…

CULTURA!!!

Só a cegueira e arrogância divinamente inspirada nos manteve cegos para as verdades da natureza…

Assim, a base do comportamento que nos define como humanidade está profundamente ligada à natureza, à realidade dos constrangimentos da reprodução, sobrevivência, e que está subjacente a qualquer sociedade, ideologia e cultura humanas. Podemos, por exemplo, perguntar-nos:

– Quais serão as bases biológicas da tolerância?

Na próxima parte do nosso artigo, iremos explorá-las nos nossos primos biológicos…

Referências:

1 – “As raízes históricas da nossa crise ecológica” por Lynn White

Lynn White, Jr. “The Historical Roots of Our Ecological Crisis” (Science 155(3767):1203-1207, 1967)

2 – Bíblia, várias dezenas de autores desconhecidos…

3 – “As culturas dos Chimpanzés” por Andrew Withen e Christophe Boesch

Withen, Andrew ; Boesch, Christophe “The cultures of Chimpanzees” (Scientific American:49-55 Janeiro 2001)