Loading

Dia: 1 de Agosto, 2004

1 de Agosto, 2004 Carlos Esperança

Violência religiosa no Iraque

Pela primeira vez, após a invasão dos EUA, verificou-se neste primeiro domingo de Agosto uma onda de ataques a templos cristãos.

Carros armadilhados explodiram junto de igrejas católicas de Bagdade e Mossul, durante os actos de culto, produzindo pelo menos 14 mortos e vários feridos.

Os crimes perpetrados por bandos de fanáticos muçulmanos merecem o maior repúdio e a mais firme das condenações.

Os ateus, ao manifestarem a sua indignação pelos assassínios, solidarizam-se com as vítimas indefesas que praticavam a sua religião, um direito que as tropas ocupantes tinham obrigação de garantir.

O ateísmo não compreende o ódio que os fanáticos de um deus desenvolvem pelos crentes de um deus concorrente e exigem que o direito de praticar qualquer culto e o de não praticar, sejam defendidas pelo Estado na mais absoluta neutralidade perante a concorrência religiosa.

A ICAR, apesar da benevolência com que tradicionalmente encara as atrocidades perpetradas por católicos contra crentes de outras religiões reagiu com a firmeza que a caracteriza quando as vítimas são católicas.

“É terrível e preocupante porque é a primeira vez que igrejas católicas estão a ser atingidas no Iraque (…) parece estar a haver uma tentativa de intensificar as tensões procurando afectar todos os grupos sociais, incluindo igrejas” – declarou o porta-voz do Vaticano, segundo a SIC online.

A religião é uma epidemia que produz numerosas mortes e profundo sofrimento.

1 de Agosto, 2004 Carlos Esperança

Mais um milagre nacional

Com grande celeridade, capaz de fazer inveja ao sistema judicial português, seguiu para o Tribunal eclesiástico o milagre que a diocese de Leiria e o Vaticano tinham combinado para elevar a santos os pastorinhos de Fátima, Francisco e Jacinta.

O milagre com que se iniciaram no ramo, e que lhes valeu a beatificação, foi obrado na pessoa da D. Emília dos Santos, uma entrevada que começou a andar depois de lhes meter uma cunha com uma oração. Que isto foi verdade confirmaram-no três médicos de Leiria – o Dr. Felizardo Prezado dos Santos, a esposa e a filha de ambos. Como é que o Vaticano podia duvidar de três médicos tão devotos? A D. Emília morreu pouco depois, completamente curada.

Agora os pastorinhos mudaram de ramo. Viraram-se para a área da endocrinologia e curaram um rapaz de quatro anos, filho de pais portugueses emigrados na Suíça, o que torna o milagre ainda mais difícil por ser feito para o estrangeiro, com a dificuldade suplementar de a Suíça não pertencer à comunidade europeia. A criança curou-se de uma doença incurável – diabetes mellitus I.

O padre Kondor, um húngaro naturalizado português, entusiasta de Fátima e promotor dos milagres, explicou que os pais já tinham tentado o milagre junto à campa dos pastorinhos, mas que essa tentativa falhou. Finalmente, quando o Papa beatificou os videntes, «a mãe estava em casa, na Suiça, com a criança em frente da televisão que transmitia em directo a cerimónia de Fátima e pediu de novo».

D. Serafim, responsável pelo bazar dos milagres de Fátima, afirma-se disponível para constituir o tribunal eclesiástico para julgar o processo. O povo português reza para que o bispo da diocese onde reside o menino miraculado não estrague o milagre. O padre Kondor diz que ignora a posição desse bispo, para estimular a ansiedade entre os crentes.

Apostila – A Irmã Lúcia está impedida de patrocinar o milagre por se encontrar viva.

1 de Agosto, 2004 Mariana de Oliveira

JP2, o anti-feminista e anti-homossexual

O papa criticou, ontem, numa carta enviada aos bispos da ICAR, intitulada Carta aos bispos da Igreja Católica sobre a colaboração de homens e mulheres na Igreja e no mundo, o feminismo radical, a luta entre os sexos e a defesa da homossexualidade.

João Paulo II (JP2)começa por criticar «a tendência para sublinhar fortemente a condição de subordinação da mulher, com vista a suscitar uma atitude de contestação», manifestada por alguns grupos norte-americanos que pretendem justificar novas formas de sexualidade. A consequência disto é a seguinte: «a mulher, para ser ela própria, porta-se como rival do homem. Aos abusos do poder, responde com uma estratégia de busca do poder e esse processo conduz a uma rivalidade entre os sexos».

O papa também censura uma outra consequência do feminismo exacerbado: «a ideia de que a libertação da mulher implica uma crítica às Sagradas Escrituras, que veiculariam uma concepção patriarcal de Deus, vista como uma cultura essencialmente machista».

Mantendo a tendência da ICAR dos últimos tempos, JP2 afirma que «isso tem inspirado ideologias que promovem o questionamento da família, por natureza biparental e composta de uma mãe e um pai, colocando num mesmo plano a homossexualidade e heterossexualidade».

No entanto, este documento centra o seu ataque no movimento feminista radical americano liderado por Judith Butler. A carta foi elaborada pela Congregação para a Doutrina da Fé, sucessora do Tribunal do Santo Ofício e chefiada pelo cardeal Joseph Ratzinger, cuja actividade principal é condenar e bloquear qualquer ideia ou teoria que contradiga o Vaticano.

Para lutar contra os movimentos que promovem a luta dos sexos, o papa reitera a necessidade da «presença das mulheres no mundo do trabalho e nas instância da sociedade».

«É necessário que as mulheres tenham acesso a postos de responsabilidade que lhes dêem a possibilidade de inspirarem os políticos e de promoverem soluções novas para os problemas económicos e sociais», refere ainda JP2 no texto.

1 de Agosto, 2004 jvasco

Entrevista recente a Dawkins

Num inquérito de uma revista britânica sobre os “100 maiores intelectuais”, Dawkins, biolólogo de referência e ateu incontornável, atingiu recentemente o topo. Em si a notícia não tem grande interesse: estas classificações de “100 maiores intelectuais” (tal como outras do género) estão mais relacionadas com a projecção mediática do que com o trabalho desenvolvido.

O que há de interessante nesta notícia, é que a BBC aproveitou para fazer, a propósito, mais uma entrevista a Dawkins. Tal como os restantes textos dele, vale a pena ler esta entrevista.